City Weezle: Um disco realmente muito esquisito

Resenha - Taboo - City Weezle

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Bom, certamente o City Weezle conseguiu oferecer a capa de disco com o gosto mais duvidoso que presenciei na última década. É feia de doer... Este é um quarteto que tem como base Paris, mas sua formação é uma completa Torre de Babel, com músicos oriundos da França, Irlanda e Japão. O pessoal está batalhando por seu espaço desde 2005 e já rodou por vários países divulgando as demos “City Weezle” (06) e “The Leprechaun (08).
Axl Rose: a primeira ficha policial aos 18 anosPirataria: enquanto isso, em uma loja de CDs na Rússia...

“Taboo” marca a estreia do City Weezle em disco – um disco MUITO esquisito, diga-se. Os caras primam pela mais absoluta experimentação em composições completamente anti-convencionais que misturam muito funk, metal, jazz, blues ou qualquer outra coisa que aparecer pela frente – esse pedacinho é música celta?!? – em um resultado que certamente gerará aquele curioso sentimento de amor / ódio entre o público.

São malucos hiperativos e cheios de ideias, mas também se revelam talentosos. E, além de tudo ser incoerente e da mais difícil digestão, a cereja em cima deste bolo é um vocalista que somente colabora para desestabilizar ainda mais as canções. Tudo, desde a abertura “Hot Potato” (título perfeito!) até “Farmhouse Love”, se mostra um verdadeiro exercício de paciência para o ouvinte se manter focado e (tentar) compreender aonde o City Weezle quer chegar com essa quantidade gigantesca de arranjos caóticos.

Visionários ou pretensiosos irritantes? Sei lá... O City Weezle é um grupo que parece levar na mais alta conta o fator ‘arte’ em sua música; e “Taboo”, com todas as suas esquisitices, será muito apreciado pelos fãs incondicionais de Primus, Faith No More ou do falecido Frank Zappa. Se o caro leitor se encaixa neste perfil, não deixe de conferir, pois poderá se transformar em um ferrenho defensor deste grupo!

Contato:
http://www.myspace.com/cityweezle

Formação:
Simon Fleury - voz, guitarra e banjo
Rudy Blas - guitarra
Maxime Gibon - baixo e clarinete
Raphaël Chevet - bateria

City Weezle – Taboo
(2011 / independente – importado)

01. Hot Potato
02. Cunning Linguistics
03. Welcome to Hicksville
04. Taboo
05. Mary Jane
06. El Mutador
07. Fair Game
08. Abuse
09. Nimformation
10. The Leprechaun
11. The Creeps
12. Farmhouse Love

Nota: boa pergunta!!!!

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "City Weezle"

Axl Rose
A primeira ficha policial aos 18 anos

Pirataria
Enquanto isso, em uma loja de CDs na Rússia...

Sebastian Bach
"O Guns é maior que o Rock, como Stones, Led ou Beatles!"

Ghost: por que toda a atenção sobre a banda?Namore um cara que goste de MetalMegadeth: Dave Mustaine coloca Kiko acima de todos os outros guitarristasMegadeth: Rocky, o pônei de Dave MustaineSlayer: o processo por família de adolescente assassinada em 95Sign of the horns: o sinal do Demônio

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online