Ad Baculum: Trabalho honesto feito por quem sabe do assunto

Resenha - Blackness Doctrine - Ad Baculum

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Vitor Franceschini
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Ad Baculum é um projeto do antigo e primeiro vocalista do Mystifier, Meugninousoan, que gravou o clássico Wicca (1992) com a horda baiana. A produção do trabalho ficou por conta de Zulbert Buery (baixista de outro grande nome do Metal baiano, Headhunter D.C.), que também representa a Undercover Record’s Brasil.
VH1: os melhores momento do rock e pop na históriaTatuagens: existe algo errado nesta tatuagem do Dio?

Ad Baculum, o nome, se origina do apelo à força (da expressão latina: argumentum ad baculum) ou argumento do porrete. É uma falácia em que força e coerção são apresentadas como justificativa para uma conclusão falsa. É um modo de apelo à consequencia e ao medo.

Meugninousoan honra seu passado e sua importância na cena neste trabalho, pois trata-se de um grande álbum. Composto por diversos elementos do Metal extremo, Blackness Doctrine impõe características únicas do Death/Black Metal nacional.

Com uma boa produção o disco mantém ótima qualidade entre as nove faixas que o compõe. “Apocalyptical Christians Armageddom” é um belo cartão de visitas, trazendo um pouco de influência da própria ex-banda de Meugninousoan, mas com uma sonoridade mais suja e direta. A faixa título remete às raízes do Black Metal, com uma levada um pouco cadenciada, na linha de uma verdadeira marcha infernal.

O som da banda não procura apenas soar rápido e brutal e, muitas vezes, prioriza peso e certa cadência. Isso se confirma em “Nihilistic Magnum”, que tem uma introdução quase Doom Metal, para depois emanar ódio e brutalidade, com riffs muito bem elaborados.

A temática das letras se baseia em niilismo, morte, guerra, genocídio, entre outros elementos que casam perfeitamente com o clima obscuro que as músicas emitem. “Templarian Kingdom of Terror” comprova isso e é mais um destaque do álbum, com seu arranjo inicial que nos remete à Celtic Frost, mas com características próprias, principalmente em termos de peso.

A capa, apesar de simples, ficou muito interessante e atende à proposta do estilo da banda. Um trabalho honesto, feito por quem sabe do assunto e que trouxe de volta à cena extrema do Metal nacional um excelente vocalista.

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Ad Baculum"

Eleição
VH1 escolhe os melhores e maiores do rock

Tatuagens
Existe algo errado nesta tatuagem do Dio?

Iron Maiden
Os três álbuns preferidos de Bruce Dickinson

Axl Rose: o que ocorreu quando o confundiram com Bon JoviTradução - Iron Maiden - Iron MaidenIron Maiden: Felipe Dylon toca clássicos da donzelaNirvana: Jason Everman, que quase ficou famoso duas vezesGhost Metal: filho de Nicolas Cage explica conceito do estiloRicardo Seelig - a coleção do criador da Collector's Room

Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online