Sepultura: 10 curiosidades sobre o novo disco, "Machine Messiah"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Igor Miranda
Enviar correções  |  Comentários  | 

Goste ou não, o Sepultura segue como a maior banda brasileira de metal em atividade. O vocalista Derrick Green, o guitarrista Andreas Kisser, o baixista Paulo Jr. e o baterista Eloy Casagrande mostram em 'Machine Messiah', 14° disco de estúdio da banda, que continuam a fazer bonito quando o assunto é material novo.

Heavy Metal: as melhores músicas lançadas recentementeRock In Rio: por que ladrões agem menos no dia do Metal?

Imagem

Em comparação ao antecessor, 'The Mediator Between Head and Hands Must Be the Heart, 'Machine Messiah' tem uma pegada musical mais orientada ao groove do que ao death metal, que foi a maior surpresa do disco lançado em 2013. Além disso, há ares de sofisticação, seja pelas letras, pelos vocais menos gritados de Derrick Green ou até por tímidos momentos guiados por violinos.

Abaixo, estão dez curiosidades sobre 'Machine Messiah', que foi lançado, nesta sexta-feira (13), pela Nuclear Beast Records, e do próprio Sepultura.

- A concepção

As principais ideias inaugurais de 'Machine Messiah' foram registradas por Andreas Kisser, com o auxílio de Eloy Casagrande. Os esboços começaram a ser melhor desenvolvidos, em estúdio, em fevereiro de 2016.

O título 'Machine Messiah', bem como o conceito por trás do disco (apesar de não ser um álbum rigorosamente conceitual), já haviam sido determinados logo no início dos trabalhos. As gravações, em si, começaram em abril de 2016.

- Tecnologia como inspiração

Uma das inspirações para a autoria das letras de 'Machine Messiah' é o uso da tecnologia nos dias de hoje, segundo Derrick Green. O conceito foi apresentado por Andreas Kisser.

'Muitas pessoas estão obcecadas por eletrônicos e tecnologias. É como um novo Messias que chegou e todos o idolatram. Está controlando a nossa vida. Nos sentimos seguros com aquilo e nem notamos que estamos perdendo nossos cérebros', disse, ao AXS.

Ele também faluo sobre o fenômeno das 'notícias falsas', que também marca presença na temática do álbum. Para ele, o padrão comunicacional atual caiu para o nível 'mais baixo de todos os tempos'. 'Muitos acreditam e é assustador pensar que você pode manipular vários fazendo isto', disse.

Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

- Capa mantém conceito

O conceito de discussão sobre a tecnologia nos dias de hoje também se faz presente na capa do disco, desenhada pela artista filipina Camille Della Rosa. Segundo Andreas Kisser, a arte se chama 'Deus Ex-Macinha' e foi feita há seis anos. Por coincidência, a ideia se encaixou perfeitamente ao trabalho do Sepultura.

'O conceito de que uma Máquina de Deus criou a humanidade e agora parece que este ciclo está se encerrando, retornando ao ponto de partida. Nós viemos das máquinas e estamos voltando para onde viemos. O 'Messiah', quando ele retornar, será um robô, ou um humanoide, nosso salvador biomecânico', disse Andreas, em comunicado oficial.

- O produtor

'Machine Messiah' foi gravado no Fascination Street Studios, em Örebro, na Suécia, e produzido por Jens Bogren. Ele já exerceu a função em discos como 'Ghost Reveries' e 'Watershed' (Opeth), 'Static Impulse' e 'Impermanent Resonance' (James LaBrie), 'Phantom Antichrist' e 'Gods Of Violence' (Kreator), além de 'Secret Garden', dos também brasileiros do Angra, e 'Extinct', dos portugueses do Moonspell.

Andreas Kisser disse, em entrevista ao Silver Tiger Media, que a escolha por Jens Bogren foi 'perfeita'. 'Houve química desde o primeiro dia, falamos a mesma linguagem e queríamos a mesma direção. Ele é um grande produtor e um ótimo músico, com muita sensibilidade com relação a como uma música deve se apresentar, disse.

- Violinos

Não é segredo para ninguém que o Sepultura gosta de experimentar novas estéticas em seus discos. Contudo, uma das grandes novidades de 'Machine Messiah', o uso de violinos, não foi ideia da banda.

Em entrevista ao Silver Tiger Media, Andreas Kisser contou que a ideia de utilizar violinos em algumas passagens de músicas de 'Machine Messiah' foi do produtor Jens Bogren. 'Ele trouxe, por exemplo, a sugestão de usar violinos da Tunísia, o que abriu novas possibilidades e novo solo para se trabalhar, especialmente em solos de guitarra', afirmou.

- Retorno à Europa

'Machine Messiah' foi o primeiro disco a ser gravado na Europa desde 'Chaos A.D.', em 1993. Desde então, os álbuns sucessores foram registrados no Brasil ou nos Estados Unidos.

Entre as localidades onde os discos pós-'Chaos A.D.' foram gravados, destacam-se 'A-Lex' e 'Kairos', feitos no Trama Studios, em São Paulo, e 'Roots', registrado no Indigo Ranch em Malibu, na Califórnia.

Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

- Maior intervalo

O intervalo entre 'Machine Messiah' e seu antecessor, 'The Mediator Between Head and Hands Must Be the Heart' (2013), foi o maior da história do Sepultura sem um disco de inéditas. Três anos e dois meses separam os trabalhos.

Antes disso, o maior período sem um álbum de estúdio foi registrado entre 'Dante XXI' (2006) e 'A-Lex' (2009) - com dois anos e dez meses.

- Música nordestina em instrumental

A faixa instrumental 'Iceberg Dances', quinta de 'Machine Messiah', tem influência de música nordestina em sua composição. A ideia, segundo Andreas Kisser, era utilizar violão clássico de forma mais intensa na canção. Contudo, ao invés de seguir por caminhos mais tradicionais, a opção foi por abranger a música nordestina.

'A região é muito rica em ritmos e até mesmo em termos de gastronomia. É como se fosse um pequeno país independente, então, podemos explorar muitas coisas que eles podem nos oferecer', disse Kisser, ao The Rock Pit.

- Anos e idades

'Machine Messiah' é o segundo disco a ser gravado com o jovem Eloy Casagrande. Ele tem 25 anos - quase o período em que Derrick Green, ainda considerado 'novato' por muitos, está no grupo. Green entrou em 1997 e marca, neste ano, a sua segunda década na formação da banda.

Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

- O 'anti-estúdio'

Derrick Green revelou, em entrevista ao AXS, que Paulo Jr. não gosta de estar em estúdio para gravar novos discos. Apesar disso, Green elogiou o trabalho do baixista em 'Machine Messiah'. 'Paulo Jr., que geralmente não gosta de estar em estúdio, entregou uma de suas melhores performances aqui', disse.

Ouça 'Machine Messiah' na íntegra no Spotify:

Comente: Gostou do disco?

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

O Metal continua relevante?
As melhores músicas lançadas recentemente

Kreator/Sepultura, Part Soilwor/Aborted: show na terra da rainhaAndreas: não liga para os que clamam pela formação clássicaTodas as matérias e notícias sobre "Sepultura"

Max e Lemmy
A relação teve um começo tempestuoso

Max Cavalera
Triste ver uma banda tão importante virar uma merda

Polêmica
Cinco artistas inesperadamente Rock n' Roll

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 14 de janeiro de 2017
Post de 11 de fevereiro de 2017
Post de 24 de fevereiro de 2017

Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Sepultura"

Rock In Rio
Por que ladrões agiram menos no dia do Metal?

Gibson
Site lista os cinco álbuns mais aguardados para 2015

Capas de álbuns
Agora com gatos em discos clássicos

O tempo não para: fotos do antes e depois de alguns rockstarsGuns N' Roses: por dentro do luxuoso avião privado da bandaDream Theater: assista ao "Reality Show" com legendasOs roqueiros mais chatos das redes sociaisSlipknot: Corey Taylor manda expulsar mais um fã de showGuns N' Roses: sem integrantes legítimos, uma banda tipo Menudo

Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e apaixonado por rock há mais de uma década. Começou a escrever sobre música em 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Atualmente, é redator-chefe da área editorial do site Cifras e mantém um site próprio (www.IgorMiranda.com.br). Também co-fundou o site Van do Halen, para o qual trabalhou até 2013 – apesar de ainda manter por lá uma coluna semanal, chamada Cabeçote.

Mais informações sobre Igor Miranda

Mais matérias de Igor Miranda no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online