Hibria: Renascida das Cinzas, grupo estreia formação em Porto Alegre

Resenha - Hibria (Bar Opinião, Porto Alegre, 07/12/2019)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcus Rovere
Enviar correções  |  Ver Acessos

Fotos: Liny Oliveira
http://www.facebook.com/photoslinyoliveira

Renascer. Esse termo é utilizado como sinal de fé no cristianismo, de renascimento, de uma nova pessoa que troca sua vida anterior por uma nova. Na mitologia está relacionado a Fênix. A ave que quando morria, entrava em autocombustão e renascia de suas próprias cinzas.

Manowar: o dia em que a banda arregou pro Twisted SisterMotorhead: a dieta que mantinha Lemmy jovem e viçoso

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Voltando um pouco mais de 10 anos na história, o Hibria vivia um dos seus momentos de consolidação com o lançamento de The Skull Collector, o álbum que abria com o agora hit Tiger Punch tinha em sua sequência Reborn from the Ashes (Renascido das cinzas).

O processo de reformulação e renascimento parece uma constante nas grandes bandas brasileiras. O Sepultura com Nation, o Angra e sua Rebirh e agora, o Hibria.

Depois de conquistar espaço no metal nacional e internacional, o grupo se desintegrou, ficando apenas um de seus fundadores, o guitarrista Abel Camargo. Apesar de manter as boas relações pessoais, o guitarrista decidiu manter o seu "projeto de vida" vivo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Após o processo de seleção e anúncio de cada um dos membros, o grupo se reuniu para trabalhar em material novo, lançou o single Fearless Will subiu renascida ao palco do Bar Opinião.

Antes da banda principal, os gaúchos da VAKAN fizeram o aquece. O grupo da cidade de Santa Maria subiu no horário programado e preparou um set com composições próprias e dois covers, Waiting Silence do Angra e Wasted Years do Iron Maiden. O grupo mostrou muito potencial com boas composições, refrões grudentos e uma qualidade vocal acima da média funcionando muito bem ao vivo. Destaques para Beyond Mankind, faixa de abertura do show, Diary Of P. Stuart, balada com toques de milonga e Vagabond pt. IV: Epitome, Epitaph. Apesar do nervosismo aparente, o grupo mostrou em 40 minutos o seu trabalho e saiu aplaudida do palco.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Pontualmente às 20h30, os telões se acenderam e um vídeo apresentava a nova formação com o nome de todos os membros do Hibria. Se a antiga formação não saiu em turnê promovendo Moving Ground, veio de lá a faixa de abertura da noite. Abel Camargo subiu primeiro ao palco seguido de Alexandre Panta (baixo), Otávio Quiroga (bateria), Bruno Godinho (guitarra) e Victor Emeka (vocal). A Life for Yourself foi a abertura da noite. Ovacionados e aos gritos de "Hibria, Hibria, Hibria" vem em seguida Shoot em Down.

Emeka conversa com todos, agradece de coração a grande presença público e da ansiedade/nervosismo dessa estreia. A seguir, vem Silent Revenge.
Antes de Blinded By Faith, Emeka conversa mais uma vez com os presentes, dessa vez agradece Abel pela oportunidade, lembra os antigos membros do grupo também em forma de agradecimento e desejando coisas positivas. Fala que a faixa seguinte é uma que ele ouviu durante sua adolescência (e a de muitos presentes) e convida a todos para cantarem junto Steel Lord on Wheels.

Após Moving Ground, Emeka explica que vão tocar a primeira composição original da nova formação, a recém lançada Fearless WIll. Com um ar um pouco mais moderno, mostra a influência dos novos integrantes dando uma cara atual com toques do bom e velho Hibria.

O grupo é então apresentado um a um com seus pequenos solos instrumentais até começar a virtuosa e progressiva Leading Lady. A pesada, agressiva e veloz Tightrope. Millennium Quest encerrou a primeira parte do show.

O previsto BIS teve uma longa participação de Abel Camargo. Ele aproveitou o momento para agradecer a cada membro que passou pela banda, desde seu parceiro Marcão no início dos anos 90 até os atuais colegas.

Para encerrar tudo, grupo completo e o hit Tiger Punch é a cartada final de Emeka tentando conquistar todos os fãs. Se o desafio era esse, passou com méritos. Substituir um vocalista é tarefa muito, mas muito árdua. Se esse vocalista é o incrível Iuri Sanson então, desafio dobrado, mas Viktor Emeka conseguiu ao natural. Seu tom vocal funciona bem com a banda e se assemelha a Iuri e o alcance de voz garante o seu espaço na banda.

Poeticamente, Reborn From the Ashes fez falta no set, mas na prática o Hibria se mostrou renascido, vibrante e renovado. Os novos acréscimos enchem o grupo de disposição e vontade para o desafio que será manter o alto nível conquistado pelos gaúchos. Que assim sigam e conquistem ainda mais espaços.

Set List Vakan:

Beyond Mankind
Russian Roulette
Euphoria
Waiting Silence (cover Angra)
Diary Of P. Stuart
Presumption Of Guilt
Vagabond pt. IV: Epitome, Epitaph
Wasted Years (cover Iron Maiden)

Set List Hibria:

A Life for Yourself
Shoot me Down
Silent Revenge
Blinded by Faith
Steel Lord on Wheels
Moving Ground
Fearless Will
Leading Lady
Tightrope
Millennium Quest
Tiger Punch




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Hibria"


Power Metal: 20 bandas para quem é fã do estiloPower Metal
20 bandas para quem é fã do estilo

Metal Nacional: Confira bandas que se destacaram em 2015Metal Nacional
Confira bandas que se destacaram em 2015


Manowar: o dia em que a banda arregou pro Twisted SisterManowar
O dia em que a banda arregou pro Twisted Sister

Motorhead: a dieta que mantinha Lemmy jovem e viçosoMotorhead
A dieta que mantinha Lemmy jovem e viçoso


Sobre Marcus Rovere

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280