Matérias Mais Lidas

imagemPaul Di'Anno detona Regis Tadeu após vídeo em que critica seu encontro com Iron Maiden

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemFãs protestam contra Claustrofobia após banda fazer versão de música do Pantera

imagemStjepan Juras retruca comentário de Regis Tadeu sobre reencontro de Di'Anno e Harris

imagemA dura crítica de Angus Young a Led Zeppelin, Jeff Beck e Rolling Stones em 1977

imagemMorre Andy Fletcher, tecladista e membro fundador da banda Depeche Mode

imagemJohn Bonham, Keith Moon ou Charlie Watts, quem era o melhor segundo Ginger Baker?

imagemMorre Alan White, baterista do Yes e que gravou a clássica "Imagine", de John Lennon

imagemEncontro entre Paul Di'Anno e Steve Harris resultou em "algo que será discutido"

imagemComo era a problemática relação do Angra no "Aurora Consurgens", segundo produtor

imagemA apaixonada opinião de Elton John sobre "Nothing Else Matters", clássico do Metallica

imagemZakk Wylde relembra ídolo: "tão relevante quanto Bach, Beethoven e Mozart"

imagemA banda de forró que uniu Nenhum de Nós, Legião, Titãs e Paralamas na mesma música

imagemProdutor de "Temple of Shadows" conta problemas que teve com voz de Edu Falaschi

imagemMichael Anthony diz que "Van Halen III" foi "a coisa mais louca que a banda já fez"


Pestilence: belíssimo show com os precursores do Death Metal europeu

Resenha - Pestilence (Vic Club, São Paulo, 07/04/2018)

Por Diego Camara
Em 10/04/18

Pela primeira vez por estas bandas, uma das mais notórias bandas do death metal europeu desembarcaram no Brasil. Na estrada desde 1986, é um dos grandes precursores do gênero na Europa. Trazendo aos palcos brasileiros uma turnê cheia de clássicos, baseada nos seus três primeiros discos, a banda aterrorizou o público da capital paulista, detonando num incrível show regado a muito mosh e técnica impecável.

VULTURE

A primeira banda a subir ao palco foi o Vulture. A banda tocou um show curto, para um público ainda reduzido para a noite, mas encarou o desafio com uma apresentação bastante firme no palco. Puxada pela força das guitarras, a banda apresentou um death metal bastante tradicional, rápido, com uma bateria bastante visceral, similar aos mestres do gênero.

CARNATION

Uma grata surpresa de 40 minutos é um bom resumo para a apresentação dos belgas da Carnation. Nunca havia ouvido falar deles, e a própria turnê deles por aqui é impressionante. Em uma grande homenagem ao estilo clássico do death metal, eles empolgaram bastante o público com um som cru, direto e fortemente cravado nas guitarras. O vocalista Simon Duson é um destaque a parte: vermelho como um pimentão, comandou o público, fazendo os bangers baterem muita cabeça durante todo o show.

PESTILENCE

Com 10 minutos de atraso, o Pestilence subiu ao palco para a apresentação principal da noite. Em pouco mais de uma hora de espetáculo, eles fizeram um show digno dos bons e velhos momentos de casas como o Hangar110, onde normalmente ocorriam shows deste nível. O Pestilence seria perfeito para o Hangar, pelo clima e pelo palco, e o Vic Club aparece agora como uma boa opção de substituinte, pelo seu palco baixo e pelo clima da casa, favorável ao estilo de show que requere o gênero.
Aos gritos do público, e ao som da intro, a banda subiu ao palco para lançar "Non Physical Existent". A acústica da casa não era das melhores, e a voz de Patrick Mameli desaparece em meio aos instrumentos. O som pareceu concentrado, não fugindo para o resto da casa. O publico era bem maior para o show principal, porém não chegou perto de lotar a casa. Na seguinte, "Malleus Maleficarum", o som já se apresentou melhor, em especial o solo e a bateria de Harsan, que soava excelente e rápida, como o estilo técnico da banda requere.

O público não demorou para ir a loucura, o mosh pit já se abriu desde o início do show bem na frente do palco, e a pancadaria comeu solta quase que do início ao fim da apresentação. Pessoas foram lançadas no palco, alçadas nos braços dos bangers e a animação incrível foi acompanhada de perto pela banda, que no palco parecia extremamente empolgada para dar a resposta aos fãs. A casa pegou fogo em músicas como "Commandments" e "The Secrecies of Horror".

Na parte final do show, o som estava realmente excelente, certamente no nível que merece uma banda com a técnica dos holandeses. A incrível performance de "Prophetic Revelations", com a força e a rapidez das baterias anima bastante o público. As guitarras, aqui, soam com um tom de mistério e misticismo, dando magia a temática da música. Após apresentar a banda, arrancando aplausos efusivos dos fãs, ainda tocam a extremamente empolgante "Mind Reflections", que já mostrava um pouco de cansaço do público presente.

Fechando o show, a banda veio com "Out of the Body", do "Consuming Impulse" de 1989. A melhor apresentação da noite registrou o fechamento do show. O público foi com tudo para a frente do palco, impulsionados pela agressividade da banda. O solo de guitarra, em especial, foi um convite para o mosh generalizado que ocorreu na pista. Aos aplausos, a banda finalizou o show, agradecendo ao público presente.

A apresentação sem dúvidas foi excelente, de uma banda que não se esperava ver por aqui por estas bandas. A produção, bastante minuciosa e com uma qualidade digna do tamanho da banda e do potencial da casa, trouxe um bom resultado para os fãs do death metal. Só basta esperar, agora, que o Pestilence não demore tanto para retornar aos palcos brasileiros, e que ainda talvez possamos ver uma nova turnê deles por estas terras.

Setlist:
Intro: Unholy Transcript
1. Non Physical Existent
2. Malleus Maleficarum / Antropomorphia
3. Subordinate to the Domination
4. Commandments
5. Dehydrated
6. Chronic Infection
7. The Secrecies of Horror
Intro: Bitterness
8. Twisted Truth
9. Land of Tears
Intro: Free Us Temptation
10. Prophetic Revelations
11. Presence of the Dead
12. Mind Reflections
13. Out of the Body

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Death: "Chuck Schuldiner não era um cara simpático!"

Death metal: os 10 melhores álbuns lançados nos anos 1980, em lista do Ruthless Metal



Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre

Mais matérias de Diego Camara.