Eddie Vedder: Intimista ao extremo, tocando músicas de seu coração

Resenha - Eddie Vedder (Citibank Hall, São Paulo, 28/03/2018)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Diego Camara
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Mais três apresentações esgotadas depois de mais de 6 meses sem realizar um show solo. Essa foi a marca que Eddie Vedder trouxe para os palcos do Citibank Hall em São Paulo, onde mais uma vez o músico realizou suas apresentações solo - a outra vez foi em uma turnê em 2014. Sozinho no grande palco, apenas munido de suas guitarras e violões - além de outras parafernalhas - o músico tocou as canções que encantam seu coração e os artistas que admira em sua carreira. Tudo isso regado ao bom humor, ao intimismo e a um discurso ácido contra Trump e sua campanha armamentista em pouco mais de duas horas de espetáculo.

Eddie Vedder: relacionando o seu Top 13 álbuns de todos os temposMotivação: 10 músicas de metal que melhorarão sua auto-estima

O show já pedia desde o início que celulares e outros aparelhos eletrônicos ficassem desligados. O clima ali era diferente de outros shows, especialmente para o público acostumado com a empolgação das apresentações do Pearl Jam. Diferente da força do rock, ali o que contava para Vedder era mais a emoção e a mensagem das suas músicas, e a homenagem que queria prestar aos mortos (e alguns vivos). O público começou bastante quieto e atento, desde a abertura que Vedder realizou no órgão, até as primeiras homenagens da noite, com Daniel Johnston e a ótima "Brain Damage", do Pink Floyd.

Falou com emoção sobre a perda de seu irmão e de alguns de seus heróis neste último ano, tentando da melhor maneira se expressar em português com uma colinha em suas mãos, para encanto dos presentes. "I Am Mine", a música que vem em seguida, encanta o público, com alguns cantando junto com o vocalista. A seguinte foi em homenagem a Tom Petty, um grande amigo falecido em 2017, cantando "Wildflowers".

O repertório exótico do vocalista se misturava com os clássicos do Pearl Jam e algumas músicas de sua carreira solo de uma maneira orgânica e leve. Foi assim com "Just Breathe", em homenagem ao público presente e alguns amigos brasileiros, bastante curtida pelo público, que mostrou também bastante conhecimento da carreira solo, cantando junto músicas como "Far Behind" e "Guaranteed".

Servindo vinho ao público e convidando pessoa da plateia ao palco, Vedder se sentiu em casa durante todo o tempo. O show não era mais um show, mas parecia apenas uma jam - uma jam com um grande público, diga-se de passagem - mas o fato de o público se sentir a vontade com o vocalista, em uma relação muito mais próxima de amizade do que de uma idolatria - coisa comum neste tipo de show - é o que torna a apresentação diferente. É um show para um público bastante específico: não para os fãs do Pearl Jam ou das músicas deles, mas sim para os fãs mais aficionados pelo vocalista.

Fechando a apresentação, Vedder fez uma homenagem ao grande - e ainda vivo - Bob Dylan. Diz que a população deve se unir contra as armas, e que não devemos permitir que elas vão para as escolas, como assim pensa o presidente estadunidense Donald Trump. "Masters of War" não poderia relatar melhor a figura do atual presidente, recebendo uma grande salva de palmas dos presentes.

Em seguida, foi sublime ao fazer o cover de "Imagine", de John Lennon, que encantou o público. As luzes das lanternas dos celulares iluminaram a plateia escura, onde o público cantou a plenos pulmões, ofuscando os vocais de Vedder. Para fechar "Porch" veio em seguida, para delírio do público, que encantado sofria para permanecer sentado da apertada plateia da casa.

Aguardaram alguns minutos até o retorno de Vedder, que trouxe consigo Glen Hansard para o bis. O público aplaudiu ambos, e Vedder agradeceu aos fãs pela oportunidade de voltar a tocar seus shows solo depois de tanto tempo. Também agradeceu a Hansard, que teve tempo em sua agenda para se dirigir ao Brasil para estes shows, apesar de ter tantos compromissos na América do Norte. Tocaram duas músicas: a primeira foi "Sleepless Nights", onde gastaram o fôlego sem microfones ou amplificadores. Foi seguida pelo cover de "Society", em outra incrível apresentação, bastante curtida pelo público.

Para fechar o show, o sucesso do The Clash "Should I Stay or Should I Go" encheu o público de orgulho e emoção, fazendo todos cantarem mais uma vez a plenos pulmões. Em seguida, já em clima de despedida, tocou "Hard Sun" com participação de Hansard. O público aqui não se segurou, se levantando todos, muitos correram para a frente do palco, se aproximando de Vedder, gerando uma pequena confusão na área que dividia as poltronas e cadeiras, já que o público do outro setor não foi permitido se aproximar do palco. Isso tudo, porém, não ofuscou a excelente apresentação de Vedder, que mais uma vez encantou todos os fãs.

Setlist:
Intro: Waving Palms
Cross The River
Walking the Cow (cover de Daniel Johnston)
Long Road (música do Pearl Jam)
Brain Damage (cover do Pink Floyd)
Sometimes (música do Pearl Jam)
Keep Me in Your Heart (cover de Warren Zevon)
I Am Mine (música do Pearl Jam)
Wildflowers (cover de Tom Petty)
Just Breathe (música do Pearl Jam)
Without You
Far Behind
Guaranteed
Millworker (cover de James Taylor)
Rise
Hurt (cover de Nine Inch Nails)
Wishlist (música do Pearl Jam)
Light Years (música do Pearl Jam)
Crazy Mary (cover de Victoria Williams)
Bad (cover do U2)
Immortality (música do Pearl Jam)
Masters of War (cover de Bob Dylan)
Imagine (cover de John Lennon)
Porch (música do Pearl Jam)
Bis:
Sleepless Nights (cover do The Everly Brothers, com Glen Hansard)
Society (cover de Jerry Hannan, com Glen Hansard)
Should I Stay or Should I Go (cover do The Clash)
Hard Sun (cover de Indio, com Glen Hansard)

Comente: Esteve no show? O que achou?



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Pearl Jam"Todas as matérias sobre "Eddie Vedder"


Eddie Vedder: relacionando o seu Top 13 álbuns de todos os temposEddie Vedder
Relacionando o seu Top 13 álbuns de todos os tempos

Mike Watt: quando Dave Grohl, Eddie Vedder e Pat Smear saíram juntos em turnê

Dave Grohl: ele recusou convite para entrar no Pearl Jam após morte de Kurt CobainDave Grohl
Ele recusou convite para entrar no Pearl Jam após morte de Kurt Cobain

Pearl Jam: em 1991, um disco fundamental para o grunge

Pearl Jam: Top 12 solos de Mike McCreadyPearl Jam
Top 12 solos de Mike McCready

Pearl Jam: Pearl Jam
"Matt Cameron terá compromissos com a banda em 2019"

Eddie Vedder: Eddie Vedder
"continuo apreciando as multidões"

Pearl Jam: Eddie Vedder perguntado sobre o hiato da bandaPearl Jam
Eddie Vedder perguntado sobre o hiato da banda

Eddie Vedder: setlist do último show da turnê européia

Super jam: músicos do Pearl Jam, Guns, RHCP e Foo Fighters tocam juntosSuper jam
Músicos do Pearl Jam, Guns, RHCP e Foo Fighters tocam juntos

Howard Stern: comentando nunca ter recebido o Pearl Jam na rádioThe Who: banda estreia duas músicas novas em show com Eddie Vedder

Pearl Jam: Top 12 músicas de Stone Gossard (lista B)Pearl Jam
Top 12 músicas de Stone Gossard (lista B)

Eddie Vedder: tocando música de Chris Cornell em showEddie Vedder
Tocando música de Chris Cornell em show

Max Cavalera: ele calçou a cara e pediu autógrafo pro Justin TimberlakeMax Cavalera
Ele calçou a cara e pediu autógrafo pro Justin Timberlake

Pearl Jam: A verdadeira origem do nome da bandaPearl Jam
A verdadeira origem do nome da banda

Pearl Jam: a história não contada sobre o protagonista de Pearl Jam
A história não contada sobre o protagonista de "Jeremy"


Motivação: 10 músicas de metal que melhorarão sua auto-estimaMotivação
10 músicas de metal que melhorarão sua auto-estima

Elvis Presley: De que ele morreu?Elvis Presley
De que ele morreu?

Led Zeppelin: plágios, homenagens ou mera coincidência?Led Zeppelin
Plágios, homenagens ou mera coincidência?

Black Sabbath: O acidente que tirou as pontas dos dedos de IommiVelocidade: Top 10 de músicas de Metal para ser multadoMatt Heafy: "Se não fosse pelo James Hetfield..."1978: 70 discos de rock e metal lançados há 40 anos

Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre Diego Camara

Mais matérias de Diego Camara no Whiplash.Net.