RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemOs 10 maiores vocalistas de heavy metal de todos os tempos, em lista do Ruthless Metal

imagemEx-guitarrista do Megadeth não liga para Mustaine e diz que está "fazendo dinheiro para ele"

imagemComo Tommy Lee e o Mötley Crüe ajudaram Axl Rose a escrever "November Rain"

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagemOs 10 maiores álbuns da história do grunge, em lista do Brave Words

imagemSlash se sente feliz por não existir internet nos primórdios do Guns N' Roses

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemPara John Lennon, os Beatles poderiam ter acontecido sem George e Ringo

imagemVocalista do Skid Row divulga cover matador de "Painkiller", do Judas Priest

imagemO hit dos Beatles que talvez seja sobre drogas e que "Jesus" acompanhou gravação

imagemPaul McCartney quase foi atropelado ao tentar recriar famosa cena de capa de disco

imagemQuatro músicas de artistas brasileiros que citam Os Paralamas do Sucesso

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok


Stamp

Apocalyptica: 20 anos de espera que valeram a pena

Resenha - Apocalyptica (Bar Opinião, Porto Alegre, 21/11/2017)

Por Luciano Schneider
Postado em 23 de novembro de 2017

Nesta terça, 21 de novembro, a noite caiu sobre a cidade de Porto Alegre trazendo um frio incomum para essa época do ano. Clima perfeito para receber os finlandeses da banda Apocalyptica, que vieram à cidade trazer sua mistura incomum de heavy metal e música clássica, tocada com violoncelos. E nessa noite fria conseguiram conquistar o público com um show caloroso.

O Apocalyptica começou sua história na década de 90, em Helsinki, de maneira despretensiosa. Quatro amigos estudantes de música que resolveram fazer arranjos de sons clássicos do metal para violoncelos. A boa recepção do público os levou a investir mais no projeto, o que culminou no lançamento do álbum Apocalyptica Plays Metallica By Four Cellos, em 1996. Ao longo de duas décadas, a banda refinou seu som e expandiu seus horizontes, trabalhando com nomes grandes da música e investindo em sons originais onde exploravam os limites do instrumento. No entanto, esta noite estava reservada para o Metallica, como parte da turnê de 20 anos de seu primeiro álbum.

Passados poucos minutos do horário previsto para o show, entram no palco os quatro violoncelistas do grupo, sob os aplausos de uma platéia animada, pois muitos ali eram fãs que por muito tempo desejaram assistir essa apresentação. Muitos gritos nas primeiras notas de Enter Sandman, e o público faz o possível para acompanhar a música com palmas e cantar junto, muito embora a falta de um cantor e de um baterista cause um certo estranhamento no público, que inicialmente fica meio tímido. Afinal de contas este é um show único, o que causa uma certa insegurança sobre como se comportar. O que não impede que aplaudam muito o solo ou que cantem a plenos pulmões o refrão da música!

A seguir, a banda emenda Master of Puppets, em uma versão mais enxuta. O que é bom, pois o Apocalyptica é um grupo que evoluiu muito desde seu primeiro lançamento. Nesta versão chegam mais rápido à parte lenta do solo, que é cantado pelo público, que aos poucos vai perdendo a timidez e se soltando. Ao final da música Eicca Toppinen vai ao microfone para falar sobre a banda e a turnê que estão fazendo. Como é apenas Metallica ele anuncia – em inglês – que as pessoas na platéia serão os cantores da noite. Seguem para Harvester of Sorrow, mais uma vez levando o público a arriscar as palmas, mais confiantes dessa vez.

[an error occurred while processing this directive]

Após mais alguns clássicos, como Unforgiven, Sad But True, Creeping Death e Wherever I May Roam, Toppinen volta ao microfone para falar um pouco mais sobre a trajetória da banda e pedir aplausos para seu colega violoncelista Antero Manninen, que é membro original do grupo mas havia saído em 1999, embora ocasionalmente faça parte das turnês da banda. É interessante notar que no palco, a postura calma e controlada de Manninen contrasta com a atitude de seus colegas de banda, que frequentemente balançam os cabelos e interagem com a platéia!

Após a execução de Sanitarium, a banda se retira para o camarim para um breve intervalo. Na volta, com Fade to Black, o quinto membro da banda finalmente entra no palco, na hora do solo. Me refiro, é claro, ao baterista Mikko Sirén, que toca com a banda desde 2003. Agora, com a formação completa, é hora do público ir à loucura com músicas como For Whom the Bell Tolls, Battery e Orion. Banda e público se soltam, no palco Toppinen e Perttu Kivilaakso giram seus longos cabelos e Paavo Lötjönen incita o público! Terminam o show com Seek and Destroy, intercalada com trechos de AC/DC e Sepultura.

[an error occurred while processing this directive]

[an error occurred while processing this directive]

Mas o público ainda não estava satisfeito, e pedia por mais. Portanto o Apocalyptica retorna novamente ao palco para um bis, com Nothing Else Matters, na qual o batera entra no palco com a camisa da seleção brasileira, para a alegria do público. Após agradecerem por uma grande noite e prometerem que voltarão, encerram as quase duas horas de show com One. Pelo que vi nessa noite, imagino que o público realmente espera que cumpram essa promessa o quanto antes, pois os vinte anos de espera valeram a pena.

Fotos por Liny Oliveira
http://www.facebook.com/photoslinyoliveira

[an error occurred while processing this directive]

[an error occurred while processing this directive]

Comente: Esteve no show? Como foi?


Outras resenhas de Apocalyptica (Bar Opinião, Porto Alegre, 21/11/2017)

Resenha - Apocalyptica (Bar Opinião, Porto Alegre, 21/11/2017)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps



Velvet Revolver: vocalista do Apocalyptica chegou a ser contratado

Apocalyptica: Suas 10 melhores músicas, pela Classic Rock History

Finlândia: Hanoi Rocks, COB, Nightwish e outros em selos postais


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal