Apocalyptica: 20 anos de espera que valeram a pena

Resenha - Apocalyptica (Bar Opinião, Porto Alegre, 21/11/2017)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Luciano Schneider
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nesta terça, 21 de novembro, a noite caiu sobre a cidade de Porto Alegre trazendo um frio incomum para essa época do ano. Clima perfeito para receber os finlandeses da banda Apocalyptica, que vieram à cidade trazer sua mistura incomum de heavy metal e música clássica, tocada com violoncelos. E nessa noite fria conseguiram conquistar o público com um show caloroso.

Hetfield: egos, Mustaine, Load e homossexualidade no MetallicaEm cana: os rockstars em suas fotos mais constrangedoras

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O Apocalyptica começou sua história na década de 90, em Helsinki, de maneira despretensiosa. Quatro amigos estudantes de música que resolveram fazer arranjos de sons clássicos do metal para violoncelos. A boa recepção do público os levou a investir mais no projeto, o que culminou no lançamento do álbum Apocalyptica Plays Metallica By Four Cellos, em 1996. Ao longo de duas décadas, a banda refinou seu som e expandiu seus horizontes, trabalhando com nomes grandes da música e investindo em sons originais onde exploravam os limites do instrumento. No entanto, esta noite estava reservada para o Metallica, como parte da turnê de 20 anos de seu primeiro álbum.

Passados poucos minutos do horário previsto para o show, entram no palco os quatro violoncelistas do grupo, sob os aplausos de uma platéia animada, pois muitos ali eram fãs que por muito tempo desejaram assistir essa apresentação. Muitos gritos nas primeiras notas de Enter Sandman, e o público faz o possível para acompanhar a música com palmas e cantar junto, muito embora a falta de um cantor e de um baterista cause um certo estranhamento no público, que inicialmente fica meio tímido. Afinal de contas este é um show único, o que causa uma certa insegurança sobre como se comportar. O que não impede que aplaudam muito o solo ou que cantem a plenos pulmões o refrão da música!

A seguir, a banda emenda Master of Puppets, em uma versão mais enxuta. O que é bom, pois o Apocalyptica é um grupo que evoluiu muito desde seu primeiro lançamento. Nesta versão chegam mais rápido à parte lenta do solo, que é cantado pelo público, que aos poucos vai perdendo a timidez e se soltando. Ao final da música Eicca Toppinen vai ao microfone para falar sobre a banda e a turnê que estão fazendo. Como é apenas Metallica ele anuncia - em inglês - que as pessoas na platéia serão os cantores da noite. Seguem para Harvester of Sorrow, mais uma vez levando o público a arriscar as palmas, mais confiantes dessa vez.

Após mais alguns clássicos, como Unforgiven, Sad But True, Creeping Death e Wherever I May Roam, Toppinen volta ao microfone para falar um pouco mais sobre a trajetória da banda e pedir aplausos para seu colega violoncelista Antero Manninen, que é membro original do grupo mas havia saído em 1999, embora ocasionalmente faça parte das turnês da banda. É interessante notar que no palco, a postura calma e controlada de Manninen contrasta com a atitude de seus colegas de banda, que frequentemente balançam os cabelos e interagem com a platéia!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Após a execução de Sanitarium, a banda se retira para o camarim para um breve intervalo. Na volta, com Fade to Black, o quinto membro da banda finalmente entra no palco, na hora do solo. Me refiro, é claro, ao baterista Mikko Sirén, que toca com a banda desde 2003. Agora, com a formação completa, é hora do público ir à loucura com músicas como For Whom the Bell Tolls, Battery e Orion. Banda e público se soltam, no palco Toppinen e Perttu Kivilaakso giram seus longos cabelos e Paavo Lötjönen incita o público! Terminam o show com Seek and Destroy, intercalada com trechos de AC/DC e Sepultura.

Mas o público ainda não estava satisfeito, e pedia por mais. Portanto o Apocalyptica retorna novamente ao palco para um bis, com Nothing Else Matters, na qual o batera entra no palco com a camisa da seleção brasileira, para a alegria do público. Após agradecerem por uma grande noite e prometerem que voltarão, encerram as quase duas horas de show com One. Pelo que vi nessa noite, imagino que o público realmente espera que cumpram essa promessa o quanto antes, pois os vinte anos de espera valeram a pena.

Fotos por Liny Oliveira
http://www.facebook.com/photoslinyoliveira

Comente: Esteve no show? Como foi?


Outras resenhas de Apocalyptica (Bar Opinião, Porto Alegre, 21/11/2017)

Apocalyptica: abrindo a tour brasileira em Porto Alegre



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Apocalyptica"Todas as matérias sobre "Metallica"


Big 4: revelado jantar secreto que emocionou as bandasBig 4
Revelado jantar secreto que emocionou as bandas

Metallica: o que Hetfield pensa de quem passa o show filmando via celular?Metallica
O que Hetfield pensa de quem passa o show filmando via celular?


Hetfield: egos, Mustaine, Load e homossexualidade no MetallicaHetfield
Egos, Mustaine, Load e homossexualidade no Metallica

Em cana: os rockstars em suas fotos mais constrangedorasEm cana
Os rockstars em suas fotos mais constrangedoras


Sobre Luciano Schneider

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280