Baby do Brasil: mostrando vibe mais roqueira e fôlego em POA

Resenha - Baby do Brasil (Auditório Araújo Vianna, Porto Alegre, 30/09/2017)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Karen Waleria
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

No último sábado, dia 30 de setembro, o auditório Araújo Vianna em Porto Alegre recebeu o "Baby do Brasil Experience", espetáculo que está rodando o país desde o início do corrente ano.

Osama Bin Laden: O que havia na sua coleção de cassetes?Slipknot: Corey Taylor abandona os palcos se o Guns se reunir

Espetáculo que a própria Baby, com toda razão, chama de "uma viagem musical".

Uma viagem que passa por todas as fases da sua carreira. Desde o tempo com os Novos Baianos, com seu ex-marido Pepeu Gomes, sua carreira solo e que também mostra as suas influências musicais, as músicas que gosta de cantar, novas versões, e tudo isso com mais peso.

E não tinha como não ser assim, sendo acompanhada pelo time de músicos que formam a sua banda nesta tour.

Um trecho de "Foxy Lady" de Jimi Hendrix anuncia a chegada da cantora que logo é ovacionada pelo público. Os vinte minutos de atraso do show foram, rapidamente, esquecidos quando a diva iniciou a sua performance.

No palco Baby estava acompanhada pelos gaúchos, ou como a cantora anunciou os "Novos Gaúchos" (Risos) Frank Solari (guitarra), André Gomes (baixo) e Dudu Trentin (teclados), além de Jorginho Gomes, irmão de Pepeu, (bateria), e Daniel Santiago (guitarra).

Muitos solos, muito "duelos", músicos experientes e uma frontwoman que sabe conduzir um show, como poucos...Essa é a fórmula de sucesso do "Baby do Brasil Experience".

O clima do espetáculo era de total descontração, com várias falas, intervenções da própria Baby que além de cantar, retifico, cantar muito, ia aos poucos apresentando o seu "dream team", intercalando histórias de sua vida e de sua carreira.

Era perceptível a alegria da cantora em estar no palco.

Talvez esteja ai um dos seus segredos.

Mas os mais felizes, com certeza, era o público que a assistia boquiaberto diante de tanta vitalidade e energia. Só se via, só se ouviam elogios à performance da diva. A platéia era só alegria.

Durante mais de três horas a eterna nova baiana apresentou um show dos mais energéticos que o público porto-alegrense já presenciou. Show que mostra a relação da cantora e compositora sexagenária com a guitarra. Sim, Baby já completou 65 anos de idade (difícil acreditar).

O pique dessa camaleoa no palco, o pique que esta eterna menina tem é de deixar qualquer um boquiaberto.

Foram três horas, mas afirmo sem dúvida, que por ela seriam 4, 5 horas de duração, sem titubear. E não é só o pique da cantora que chama atenção, a sua voz continua a mesma de sempre. Ela tem o gogó abençoado "in the name of jesus", como ela mesma costuma dizer. Além de estar em ótima forma física, também.

Embora traga quase o mesmo repertório da sua turnê anterior "Baby Sucessos", que marcou seu retorno, após uma fase gospel, a cantora inova seja no formato do show, sem roteiros, seja nas releituras.

E toda essa vibe mais roqueira acrescida da acústica perfeita do Auditório Araújo Vianna proporcionaram aos presentes uma noite memorável. Onde vários estilos musicais como rock, jazz, blues, MPB, samba entre outros, conviveram em total harmonia.

A legítima "louca de cara" mostrou que tem ainda muito fôlego e muitos anos pela frente.

Sorte nossa!
Salve, Salve Baby!!

Fotos: Sônia Butelli

Agradecimentos à Agência Cigana.

Veja mais fotos no link abaixo.

https://www.flickr.com/photos/141777721@N07/




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Baby do Brasil"


Osama Bin Laden: O que havia na sua coleção de cassetes?Osama Bin Laden
O que havia na sua coleção de cassetes?

Slipknot: Corey Taylor abandona os palcos se o Guns se reunirSlipknot
Corey Taylor abandona os palcos se o Guns se reunir

Metallica: James Hetfield explica suas tatuagens preferidasMetallica
James Hetfield explica suas tatuagens preferidas

David Coverdale: Em 1974, o Deep Purple Expulsou o ACDC do palcoPoison: Bret passou o cambão na mãe da Hannah Montana?Kiss: "Sejam gentis com os ricos! Pobres não geram empregos!"Halestorm: "Gene Simmons está mal informado", diz Lzzy Hale sobre morte do rock

Sobre Karen Waleria

Blogueira gaúcha. Estudou letras. Ecleticidade musical é seu ponto forte; com uma tendência ao Rock e Metal. Já foi colaboradora em grandes sites de Rock e Heavy Metal, trabalha com divulgação de bandas e eventos. Responsável pelo blog www.karenwaleria.blogspot.com.br. Siga no Twitter @Rocksblog.

Mais informações sobre Karen Waleria

Mais matérias de Karen Waleria no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336