Creedence: Resenha e fotos do show em Porto Alegre

Resenha - Creedence (Auditório Oi Araújo Vianna, Porto Alegre, 05/11/2015)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Guilherme Dias
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

A banda Creedence Clearwater Revisited esteve em Porto Alegre mais uma vez para reviver os clássicos do passado. A apresentação não foi muito diferente das anteriores. Apenas o local da apresentação foi diferente, dessa vez o Auditório Oi Araújo Vianna recebeu os fãs do grupo norte-americano.

5000 acessosExtreme: Jack Black e Jimmy Fallon recriam "More Than Words"5000 acessosNirvana: após cover estranho, Claudia Ohana diz que público não a entendeu

O Creedence Clearwater Revival durou pouquíssimo tempo, foi formado no ano de 1967 e terminou em 1972, porém deixou um legado muito grande na história do rock and roll. Foram sete álbuns lançados, embora os integrantes da ex-banda não considerem o álbum “Mardi Gras” (1972) que antecedeu o término da banda. O Creedence Clearwater Revival não toca nenhuma música desse álbum ao vivo, inclusive.

Os membros originais do Creedence Clearwater Revival, Stu Cook (baixo) e Doug Clifford(bateria) formaram o Creedence Clearwater Revisited em 1995. Desde então fazem turnês pelo mundo inteiro tocando o que deu muito certo no final dos anos 60 e início dos 70. Junto a eles estão Steve Gunner (teclados/ violão), Kurt Griffey (guitarra) e John “Bulldog” Tristão(vocais/ guitarra).

O show iniciou exatamente as 21 horas com “Born on the Bayou”. Antes de “Green River” John pediu ajuda para o público e agradeceu a presença de todos. Ainda no início a emocionante “Who’ll Stop the Rain” agradou bastante a plateia. John Tristão disse que a comida no Brasil é ótima e que as garotas são muito bonitas, anunciando “Hey Tonight”.

O baixista Stu Cook foi o responsável por apresentar os seus colegas de banda, brincando com John, dizendo que possui grandes pés, um grande coração e uma grande voz. Stu não foi apresentado por ele mesmo, o velho colega Doug foi o responsável por isso.

A longa “I Heard It Through the Grapevine” foi muito bem executada pelos músicos. Destaque para o guitarrista Kurt Griffey que mostrou muita técnica e muito feeling. Não apenas nessa canção, mas em todas apresentadas, sendo o músico que mais se movimentou e se aproximou dos fãs.

O público ocupou praticamente todos os mais de 3 mil lugares do Auditório Oi Araújo Vianna. Desde jovens que nasceram após 1995 até idosos que nasceram muito antes de 1970. Todos permaneceram sentados praticamente o show inteiro, quando algum fã se animava um pouco e se levantava, logo em seguida era criticado por alguém e era obrigado a se sentar. A emoção de um show faz com que as pessoas prefiram assistir de pé e cantando as músicas o tempo inteiro. Mas não foi o que aconteceu, na maior parte do espetáculo o público ficou sentado e calado, apenas aplaudindo bastante ao final de cada música. As coisas começaram a mudar apenas quando o show estava se aproximando do final.

Músicas como “Bad Moon Rising”, “Proud Mary” e “Fortune Son” foram responsáveis por animar mais o público e fazê-lo levantar e cantar, mas aí para não parar mais. Essas foram as últimas do set, mas o show não estava acabando por aí.

A banda voltou para o bis com cerveja (literalmente). O começo teve não só o maior clássico da banda, mas também um dos maiores hits da história da música, aquela típica música que todo mundo conhece e já ouviu ao menos uma vez na vida, eu falo de “Have You Ever Seen the Rain”. Aí sim todo mundo estava cantando e participando muito. Na animada “Travelin’ Band” alguns arriscaram alguns passos de dança inclusive. A derradeira foi “Up Around the Bend”, que fechou a apresentação com chave de ouro.

A qualidade sonora estava perfeita, cada detalhe podia ser escutado com muita clareza. A iluminação embelezou muito o palco que possuía uma grande cortina preta ao fundo. A cada turnê do grupo um show muito semelhante, mas aquela típica apresentação que sempre vai valer a pena ver de novo. Quem agradece é o público que pôde voltar no tempo e ser muito feliz em mais um show de rock and roll.

Set-list completo:
Born on the Bayou
Green River
Lodi
Commotion
Who'll Stop the Rain
Susie Q
Hey Tonight
Long as I Can See the Light
I Put a Spell on You
Down on the Corner
Lookin' Out My Back Door
I Heard It Through the Grapevine
Midnight Special
Bad Moon Rising
Proud Mary
Fortunate Son

Have You Ever Seen the Rain?
Travelin' Band
Up Around the Bend

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Creedence Clearwater Revival"

PerformancePerformance
Baixista rouba o show em cover do Creedence

Johnny CashJohnny Cash
10 músicas de rock que ele regravou

VietnãVietnã
A representação do conflito no rock da década de 60

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Creedence Clearwater Revisited"0 acessosTodas as matérias sobre "Creedence Clearwater Revival"

ExtremeExtreme
Jack Black e Jimmy Fallon recriam "More Than Words"

NirvanaNirvana
Claudia Ohana diz que público não a entendeu

Separados no nascimentoSeparados no nascimento
Synyster Gates e Luan Santana

5000 acessosGuns N' Roses: por dentro do luxuoso avião privado da banda5000 acessosArte Gráfica: Designer brasileiro cria versões para clássicos5000 acessosMansões: as residências de algumas estrelas do rock5000 acessosSeparados no nascimento: Bruce Dickinson e Leopoldo Pacheco5000 acessosVinil: comprar toca-discos com USB para converter LP é estupidez5000 acessosSystem Of a Down: Impressionante versão de "Aerials" com cello

Sobre Guilherme Dias

Sou Guilherme Figueiró Dias, de Porto Alegre, estudante de educação física, tenho 23 anos e sou fanático por música e futebol, especialmente hard rock e heavy metal. Preferências entre Helloween, Gamma Ray, Pink Cream 69, Bon Jovi, Hellacopters, Michael Kiske, entre outros. O que gosto realmente de fazer (além de torcer, cantar e pular pelo Grêmio na Geral) é curtir um bom show das bandas que eu adoro e tomar umas cervejas pra celebrar a vida.¨

Mais matérias de Guilherme Dias no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online