Faith No More: Afrolatinidade e a delicada arte de fazer inimigos

Resenha - Faith No More (Espaço das Américas, São Paulo, 24/09/2015)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Durr Campos
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.











Mike Patton é também conhecido por sua arte da bagunça. E não me refiro somente a quartos de hotéis destruídos ou a popularização do stage diving em sua forma mais perigosa, mas por unir funk, hip Resenha , hardcore, punk, polka, jazz, hard rock, metal, soul, gospel, lounge music, pop etc. No Faith No More, o vocalista não canta desde sempre (afinal, até Courtney Love, a viúva de Cobain, segurou o microfone no grupo), mas é certamente a peça principal por ali. Colecionam algumas passagens pela capital paulista, mas falaremos neste texto somente sobre a mais recente, no último dia 24. Acompanhem.

Fotos: Marcelo Brammer

Quando cheguei ao Espaço das Américas naquela noite, notei quão belo estava o palco. Todos os instrumentos na cor branca [assim como as roupas dos músicos e seus roadies], havia flores por todos os lados e alguns elementos misturando terreiro de Umbanda e acampamento hippie. Não me surpreendeu, creio que nem boa parte do público, pois a ligação entre FNM, o Brasil e cultura afro-latina [lembra das guias nos pescoços de alguns deles?] é coisa antiga, inclusive a canção 'Evidence' teve sua letra cantada boa parte em português.

Naturalmente "Sol Invictus", lançado este ano, teve boa participação no repertório [cerca de 30%], passando pela primeira da noite, 'Motherfucker', uma das mais interessantes no álbum, mas também as bacanas 'Matador', 'Separation Anxiety', 'Sunny Side Up' e, minha opinião, a melhor dentre as novas, o [já?] hit 'Superhero'. A cozinha de Mike Bordin e Billy Gould, baterista e baixista, respectivamente, sempre impecável, mostra-se renovada e repleta de groove e inventividade; o tecladista e um dos principais compositores, Roddy Bottum, cantou bastante e atuou em seu instrumento daquele jeito que gostamos, diria, 'tocou para a música', ou sei lá como definiria seu modus operandi. Não esqueçamos do Jon Hudson, que desde 1996 segura as pontas nas seis cordas e o faz muito bem!

Falando em álbuns, "Angel Dust" [1992] teve suas prioridades no set: 'Caffeine', sensacional e extrema, com uma irretocável atuação dos cinco, em especial Patton e sua cor de camarão nas notas mais altas. O hino 'Everything's Ruined', obrigatória, causou o que esperamos dela: ovação! A dupla restante, 'Land of Sunshine' e 'Midlife Crisis' receberam igual carinho e foram cantadas de ponta a ponta, inclusive após o soltar o refrão desta última à galera, o cantor soltou um hilário 'sacanagem', em claro português. Sem falar na velha provocação sobre quem grita mais alto, lado equerdo ou direito da plateia, porém com os singelos 'porra' para um e 'caralho' pro outro. E o arranjo com 'Lowdown' de Boz Scaggs? Olha, aproveite e escute "Silk Degrees", mais famoso disco dele. Vai te surpreender.

"Se queres abrir o buraco, baixa a cabeça e aí está. Afasta bem tua cor de circunstância, afasta hasta [sic] teu sabor de evidência...". Sim, 'Evidence', como mencionada mais acima, veio naquela deliciosa versão em nossa língua e, assim como ocorreu no festival SWU em 2001, teve ajuda dos fãs e ficou ainda mais bela. 'Chinese Arithmetic', do "Introduce Yourself" [1987, último com Chuck Mosley nos vocais] teve um trechinho da premiada 'All About That Bass' [Meghan Trainor], que combinou, até! Dali adiante, tivemos mais algumas, dentre elas 'Easy', famosa versão do clássico dos Commodores de Lionel Ritchie, e uma das minhas favoritas de todos os tempos, 'Ashes to Ashes', infelizmente única do incrível "Album of the Year" [1997]. Eu esperava ouvir 'Stripsearch' e 'Last Cup of Sorrow', esta tocada para os argentinos 4 noites antes, mas entendo a dificuldade em montar um set-list com tanta coisa boa no catálogo.

O 'encore', além de 'The Crab Song', trouxe a sobrenatural 'From Out of Nowhere', nem achei que tocariam, e a dispensável 'I Started a Joke' (Bee Gees), a qual poderia ter sido trocada por uma daquelas de "AotY", mas enfim. Olha, sempre haverá espaço em meu coração para o Faith No More. Agradecimentos especiais à produção e à assessoria de imprensa do evento, Midiorama, pelo credenciamento.

Set-list
Intro: Maggot Brain (Funkadelic)
Motherfucker
Land of Sunshine
Caffeine
Everything's Ruined
Evidence (versão em português)
Epic
Sunny Side Up
Midlife Crisis (com interlúdio de 'Lowdown', do Boz Scaggs)
Chinese Arithmetic (trecho de 'All About the Bass', da Meghan Trainor)
The Gentle Art of Making Enemies
Easy (cover do Commodores)
Separation Anxiety
Matador
Ashes to Ashes
Superhero

Encore:
The Crab Song
From Out of Nowhere
I Started a Joke (cover dos Bee Gees)
Outro: Raindrops Keep Fallin' on My Head (Burt Bacharach)

P.S.: A banda tocou no Rock in Rio na noite posterior. Veja o show completo no link abaixo.

Faith no More: apresentação completa da banda no Rock in Rio



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Faith No More"


Faith No MoreFaith No More
Em 1997, um ponto final quase melancólico

Faith No More: existe (muita) vida sem Jim MartinCollectors Room: as duas obras-primas do Faith No More (vídeo)Canal Barbônico: Mike Patton e Faith No More, os pais do New Metal?Faith No More: no Arrepiômetro por Gastão MoreiraFaith No More: Roddy Bottum indica alguns artistasRegis Tadeu: Faith No More no Aposto Que Você Não Sabe

RoadrunnerRoadrunner
Os melhores frontmen de todos os tempos

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
Vídeo antigo de "War Pigs" com Faith No More e Hetfield

Guns N' RosesGuns N' Roses
Autor afirma que Mike Patton cagou no suco de Axl


Steve VaiSteve Vai
As 10 melhores faixas na opinião do guitarrista

Bandas IniciantesBandas Iniciantes
12 cagadas que vocês NAO podem cometer

Guns N RosesGuns N Roses
Bon Jovi fez com Steven Tyler o que ele fez com Axl

Ortografia: como deveriam realmente se chamar as bandas?Slash: guitarrista enumera seus 10 riffs favoritosClassic Rock: revista elege 100 melhores músicas de rockPink Floyd: a banda não faz Rock Progressivo (vídeo)

Sobre Durr Campos

Graduado em Jornalismo, o autor já atuou em diversos segmentos de sua área, mas a paixão pela música que tanto ama sempre falou mais alto e lá foi ele se aventurar pela Europa, onde reside atualmente e possui família. Lendo seus diversos artigos, reviews e traduções publicados aqui no site, pode-se ter uma ideia do leque de estilos que fazem sua cabeça. Como costuma dizer, não vê problema algum em colocar para tocar Napalm Death, seguido de algo do New Order ou Depeche Mode, daí viajar com Deep Purple, bailar com Journey, dar um tapa na Bay Area e finalizar o dia com alguma coisa do ABBA ou Impetigo.

Mais matérias de Durr Campos no Whiplash.Net.