Megadeth: Quem compareceu saiu com um sorriso largo no rosto

Resenha - Megadeth (Espaço das Américas, São Paulo, 04/05/2014)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fabio Reis
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Antes de falar sobre o show é indispensável citar o episódio que foi o anúncio de que seria um concerto em celebração dos 20 anos do álbum "Youthanasia". A banda não prometeu isso a nenhum promotor de shows como foi explicado através de uma nota oficial de Dave Mustaine que se mostrou de certa forma surpreso com tal situação e em meio à turnê começou a incluir músicas do álbum a cada show pra minimizar os danos aos fãs que por ventura poderiam se sentir enganados. Uma atitude diga-se de passagem louvável.

Em 13/09/1961: nascia Dave Mustaine, líder do MegadethIron Maiden: a reação de Bruce Dickinson ao ver músicas da era Blaze no set

Com relação ao local onde o concerto foi realizado, o Espaço das Américas, é grande, com uma ótima estrutura, acústica excelente e além de tudo é de fácil acesso (ao lado do Metro Barra Funda e com via fácil para quase todas as partes de São Paulo).

Os portões foram abertos as 18:30 (Meia hora de atraso) e o show que estava marcado para as 20:00 sofreu o atraso destes mesmos 30 minutos. O clima era excelente para o Megadeth que registrava nesta data a sua décima terceira vinda ao Brasil sendo a banda de Metal que mais vezes pisou em terras tupiniquins.

Sem banda de abertura, as 20:30 o palco se iluminou e a introdução de "Prince of Darkness" foi executada enquanto o nome da banda se formava no telão assim como na introdução do último DVD: "Countdown to Extinction Live", todos sabiam que essa era a senha para Dave Mustaine, David Ellefson, Chris Broderick e Shawn Drover invadir o palco ao som de "Hangar 18". A multidão presente foi a loucura cantando cada verso dessa que é uma das mais emblemáticas canções da banda. A sequência veio com "Reckoning Day" e "Wake Up Dead" que garantiram um início de show avassalador, "In My Darkest Hour" foi emendada ao final de "Wake Up dead" mostrando que seria um show repleto de clássicos em que não se teria tempo nem pra piscar.

A próxima música do repertório pegou alguns mais desavisados de surpresa, já que quem não estava acompanhando os Set Lists da turnê jamais esperaria se deparar com "Set The World Afire". Particularmente acho que esta foi uma das escolhas mais acertadas para esta noite. Dando sequência veio nada mais nada menos que "Sweating Bullets" (executada de forma irretocável) e após um breve discurso de Dave foi a vez de "She Wolf".

"Dawn Patrol" veio para dar uma acalmada no público que até este momento não havia parado nem por um segundo, mas também serviu de introdução para "Poison Was The Cure" incendiar tudo novamente. A faixa título do álbum "Youthanasia" veio em seguida e foi tocada e principalmente cantada com muita garra por Dave, que nitidamente se esforçou ao máximo para chegar aos tons mais altos e apresentá-la da forma mais fiel possível aos presentes.

Passando da metade do show era hora dos grandes hits dos anos 90 começarem a aparecer e a primeira a "dar as caras" foi "Trust", seguida da bem-vinda "surpresa" "Tornado Of Souls". "A Tout Le Monde" foi a próxima fazendo todos cantarem junto com a banda num momento sempre marcante em qualquer apresentação do Megadeth.

A única música do novo álbum a ser executada foi a excepcional "Kingmaker" seguida pela ótima "The Killing Road" que com toda certeza deveria ser mais usada em posteriores turnês. O momento derradeiro se aproximava e com ele uma explosão de hinos/hits/clássicos viriam e a primeira música dessa sequência final não poderia ser outra: "Peace Sells". Após seu término todos estavam extasiados mas ainda faltava um pouco mais e "Symphony Of Destruction" fez novamente o Espaço das Américas explodir e cantar cada verso junto com a banda.

Dave Mustaine se despediu e se retirou do palco para logo em seguida retornar aos gritos de "Holy Wars, Holy Wars, Holy Wars" e com toda certeza este hino não apenas do Megadeth mas de todo o Metal não seria esquecido e fecharia a noite com chave de ouro.

Quem compareceu a esta apresentação saiu com sorriso largo no rosto e com a certa impressão de que o Megadeth não decepciona nunca. Que venha a décima quarta, décima quinta ou quantas forem as vezes que Dave Mustaine e cia. quiserem desembarcar por terras brasileiras.

Set List:

1. Prince Of Darkness Intro/Hangar 18
2. Reckoning Day
3. Wake Up Dead
4. In My Darkest Hour
5. Set the World Afire
6. Sweating Bullets
7. She-Wolf
8. Dawn Patrol
9. Poison Was the Cure
10. Youthanasia
11. Trust
12. Tornado of Souls
13. A Tout Le Monde
14. Kingmaker
15. The Killing Road
16. Peace Sells
17. Symphony of Destruction
Bis:
18. Holy Wars... The Punishment Due


Outras resenhas de Megadeth (Espaço das Américas, São Paulo, 04/05/2014)

nullnull




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Megadeth"


Em 13/09/1961: nascia Dave Mustaine, líder do MegadethMegadeth: David Ellefson sobe ao palco com Chris Poland e John Bush; vejaMegadeth: "Dave Mustaine é valente", diz Kiko Loureiro sobre diagnóstico de câncerKiko em Kaza: Gastão Moreira bate um longo papo com Kiko Loureiro

Megadeth: David Ellefson revela como consegue seguir na banda até hojeMegadeth
David Ellefson revela como consegue seguir na banda até hoje

Megadeth: Sei onde é o meu lugar, diz David EllefsonMegadeth
"Sei onde é o meu lugar", diz David Ellefson

Em 31/08/1999: Megadeth lançava o polêmico Risk

Resenha - Memórias do Heavy Metal - Dave MustaineResenha - Memórias do Heavy Metal - Dave Mustaine
Resenha - Memórias do Heavy Metal - Dave Mustaine

Resenha - Rude Awakening - MegadethMegadeth
Um disco ao vivo de verdade, sem remendos

Ídolos imortais: Nick Menza, técnico e carismáticoÍdolos imortais
Nick Menza, técnico e carismático

Megadeth: banda volta aos palcos em 2020 com o Five Finger Death Punch - abrindo?Megadeth
Banda volta aos palcos em 2020 com o Five Finger Death Punch - abrindo?

Megadeth: mais uma cerveja com a marca da banda é lançada; Saison 13Megadeth: David Ellefson e Chuck Behler tocam juntos após 30 anos

Kiko Loureiro: trabalhando em novo disco soloKiko Loureiro
Trabalhando em novo disco solo

Drowned: versão de "Tornado of Souls", do Megadeth

Megadeth: Dimebag e Vinnie Paul quase entraram no grupoMegadeth
Dimebag e Vinnie Paul quase entraram no grupo

Megadeth: Dave Mustaine raramente pára e nunca dorme!Megadeth
"Dave Mustaine raramente pára e nunca dorme!"

Exodus: Não há Big 4, há o Big 1 e os outros três, diz ZetroExodus
"Não há Big 4, há o Big 1 e os outros três", diz Zetro


Iron Maiden: a reação de Bruce Dickinson ao ver músicas da era Blaze no setIron Maiden
A reação de Bruce Dickinson ao ver músicas da era Blaze no set

Iron Maiden: como soa a voz de Bruce Dickinson isolada?Iron Maiden
Como soa a voz de Bruce Dickinson isolada?

Separados no nascimento: Eddie e Seu MadrugaSeparados no nascimento
Eddie e Seu Madruga

Guns N' Roses: Algumas curiosidades sobre o vocalista Axl RoseDio: as músicas de Heavy Metal/Rock favoritas do vocalistaMax e Iggor Cavalera: conheça o ônibus de turnê dos irmãosDoc Martens: Rockstars mortos em propaganda de sapatos

Sobre Fabio Reis

Paulista, 32 anos, Editor do Blog Mundo Metal, fã de Rock Clássico e Diversos subgêneros do Metal. Banda favorita: Megadeth. Conheceu o Rock ainda quando criança por intermédio dos pais (amantes de Beatles) e com 11 anos já ia na galeria do Rock comprar seus primeiros LP's, desde sempre fez do Metal seu estilo de vida e até os dias de hoje essa paixão pela música só aumenta.

Mais matérias de Fabio Reis no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336