Megadeth: Outros detalhes da passagem do tornado pelo Brasil

Resenha - Megadeth (Espaço das Américas, São Paulo, 04/05/2014)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Carla L Fillardi
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O dia 04 de maio de 2014 marcou a passagem do MEGADETH pelo Brasil. Antes do show em São Paulo, no Espaço das Américas, DAVID ELLEFSON e CHRIS BRODERICK receberam os fãs numa sessão gratuita de autógrafos, na Reference Music.

O vídeo pode ser conferido no link da matéria já publicada no Whiplash.net.
2701 acessosMegadeth: assista vídeo do meet & greet grátis em SP

Vale acrescentar que a equipe responsável foi bastante atenciosa com os fãs. A fila de fãs dobrou a quadra da Reference Music e ao invés das 200 senhas previamente combinadas, a Jackson distribuiu 250. Mas, haviam muito mais almas na fila e os representantes da Jackson passaram ao longo da fila informando, por três vezes, que não seria possível atender a todos. A maioria, entretanto, continuou por lá e quando parecia que realmente não seria possível entrar, os fãs se aglomeraram do lado de fora para ver DAVID ELLEFSON e CHRIS BRODERICK, através da vitrine da Reference Music. Pouco tempo depois, a segurança baixou a porta de aço, mas os fãs continuaram aguardando a saída deles. Algumas fotos da sessão de autógrafos está disponível na página de CHRIS BRODERICK no Facebook.

Quanto ao show, segue algumas considerações:

1) Espaço – o “Espaço das Américas” foi uma excelente escolha - não chega a ser algo como aquelas arenas de show da Califórnia, mas é muito bom. Com capacidade para até 8.000 pessoas (proporcionando ao público um contato mais próximo com a banda), fica do lado da Estação de Metrô Barra Funda, próximo a uma avenida com acesso a ônibus, é coberto, tem uma acústica legal, ar condicionado, telões e iluminação adequados, saídas de emergência bem sinalizadas e banheiros ótimos. O som estava bem equalizado e alto o bastante, talvez, o microfone de DAVE MUSTAINE pudesse estar um pouco mais destacado – mas, pode ser uma impressão devida a meu posicionamento.

2) Horário – considerando que o metrô em São Paulo só funciona no máximo até 01h00, colocar o show para começar às 20h00 foi outra decisão acertada – o atraso de 30 minutos não prejudicou ninguém.

3) A apresentação do MEGADETH – foi impecável e emocionante. Em suma, a sensação depois do show é a de ter sido agarrado por um pit bull (ou teria sido um tornado?), sacudido insistentemente e depois largado na calçada. Ano após ano, o MEGADETH tem demonstrado um alto nível de consideração pelos fãs e de profissionalismo. Certamente é uma banda que vale a pena assistir ao vivo. 100% garantido. O conjunto de imagens (com pequenos trechos intercalados de filmes) nos telões ao fundo do palco, juntamente com o jogo de luzes, conferiram ao show uma atmosfera surreal. No geral, foi um show de poucas palavras, mas muito metal – e afinal, o que se espera que o MEGADETH faça? O MEGADETH não deu descanso ao público em nenhum minuto, com um set-list de 18 petardos bem escolhidos e ordenados, tocados quase ininterruptamente.

http://wikimetal.uol.com.br/site/wp-content/gallery/megadeth...

4) Momentos de destaque da apresentação do MEGADETH – DAVE MUSTAINE recebeu com carinho a bandeira brasileira e pendurou no microfone, como tem feito ao longo da turnê pela América Latina. Ao receber uma outra bandeira personalizada, falou que a levaria para casa. Antes de tocar “Tornado of Souls” (link abaixo para matar a saudade), DAVE MUSTAINE disse que o MEGADETH tinha separado ela especialmente para o público brasileiro, pois a mesma não foi tocada nos shows anteriores. Antes dela, “Set The World Afire” já havia surpreendido (e incendiado) o público – posteriormente, diversos fãs de outros países deixaram comentários incrédulos na página do MegadethizeD no Facebook. Mais um presente para os brasileiros. DAVE MUSTAINE também comentou que esta era a 13ª vez que o MEGADETH vinha ao Brasil, reforçando que o quanto eles gostam de estar aqui. Merece destacar também a vibração de CHRIS BRODERICK e sua empatia com os fãs, bem como a de SHAWN DROVER. Além disso, é bom ver DAVID ELLEFSON no centro do palco, reafirmando que o posto de baixista do MEGADETH é seu, que o MEGADETH também é a sua banda. Foi bonito ver DAVID ELLEFSON e DAVE MUSTAINE se aproximarem no palco, tocando um de frente para o outro, depois de tudo que já ocorreu entre eles. E, antes de finalizarem com “Holy Wars... The Punishment Due”, DAVE MUSTAINE brincou com o público insinuando que todos pareciam cansados e que, assim, estava na hora de ir embora.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

5) O público – os fãs brasileiros de todas as idades mostraram bem o quanto amam o MEGADETH e não ficaram devendo nada aos famigerados argentinos – na minha opinião, vencemos (podem conferir no link abaixo o show no Teatro Vorterix, Buenos Aires, Argentina)! Desde “Hangar 18”, o público mostrou que era o quinto elemento naquela noite, cantando em coro. Houve, é claro, o momento do “olê, olê, olê, olêêê... Mustaine, Mustaine”. E o coro de fãs cantando “A Tout Le Monde” (link abaixo) ficará na memória do MEGADETH, com certeza! Não menos bonito foi o coro “Megadeth, Megadeth”, sem o “aguante”, em “Symphony of Destruction”. Pode-se dizer que o clima era de paixão recíproca. Parece também que o clima foi tranquilo e pacífico entre os presentes. Entretanto, na página do “Megadeth Brasil - Rust in Page”, foi publicada uma nota sobre uma possível animosidade que teria sido presenciada entre fãs do MEGADETH, envolvendo a disputa por um suposto trono de fã nº 1. Felizmente, parece que não passou disso.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube
youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Fiquei com a impressão que eles saíram do palco mais rápido do que de costume, reduzindo aquele momento final de interação com o público, aplausos e arremesso de palhetas.

Mas, eles disseram que voltarão no próximo ano... A contagem regressiva já começou!

Set-list (MEGADETH: Espaço das Américas, 04/05/2014)

(Intro: Prince of Darkness)
Hangar 18
Reckoning Day
Wake Up Dead
In My Darkest Hour
Set the World Afire
Sweating Bullets
She-Wolf
Dawn Patrol
Poison Was the Cure
Youthanasia
Trust
Tornado of Souls
A Tout Le Monde
Kingmaker
The Killing Road
Peace Sells
Symphony of Destruction
Holy Wars... The Punishment Due

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Megadeth (Espaço das Américas, São Paulo, 04/05/2014)

1448 acessosMegadeth: Quem compareceu saiu com um sorriso largo no rosto5000 acessosMegadeth: Não comemorou o Youthanasia, mas detonou com clássicos

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 13 de maio de 2014

MegadethMegadeth
Dave Mustaine classifica os guitarristas da banda

1155 acessosHeavy Metal: os 10 melhores riffs dos anos noventa482 acessosMarty Friedman: ouça "Miracle", single do novo álbum solo3421 acessosMetallica: e se James Hetfield cantasse no Megadeth?0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Megadeth"

Jack BruceJack Bruce
Músicos do Kiss, Sabbath, Megadeth e mais dão pêsames

Kiko LoureiroKiko Loureiro
Como ele vê ser chamado de melhor guitarrista por Dave Mustaine

MegadethMegadeth
Vídeo mostra "Dystopia" pela primeira vez ao vivo

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Megadeth"

Além do MaidenAlém do Maiden
A História da New Wave Of British Heavy Metal

Eduardo e MônicaEduardo e Mônica
Uma análise do maior sucesso da Legião Urbana

Novas caras do metalNovas caras do metal
40 bandas que você precisa conhecer

5000 acessosJames Hetfield: O equilíbrio entre Metallica e vida familiar5000 acessosHistória do rock: Sexo bizarro, drogas, mortes e outros boatos5000 acessosOzzy Osbourne: 25 coisas que você não sabe sobre ele5000 acessosMegadeth: Um mundo mais perigoso em "Holy Wars"5000 acessosCatarina Migliorini: virgem gosta de Led, Purple, Sabbath e Floyd5000 acessosBurzum: Varg é condenado por xenofobia e racismo na França

Sobre Carla L Fillardi

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online