Matérias Mais Lidas

imagemA bizarra exigência de Ace Frehley para participar da última turnê do Kiss

imagemMax Cavalera revela como "selou a paz" com Tom Araya, vocalista do Slayer

imagem"Stranger Things" traz cena com "Master of Puppets", do Metallica

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemLobão explica porquê todo sertanejo gostaria, no fundo, de ser roqueiro

imagemPink Floyd: Gilmour nega alegação de Waters sobre "A Momentary Lapse of Reason"

imagemO grave problema do refrão de "Eagle Fly Free", segundo Fabio Lione

imagemEdu Falaschi descobriu que seu primo famoso tem mais seguidores que ele no Instagram

imagemGregório Duvivier: "Perto de Chico Buarque, Bob Dylan é uma espécie de Renato Russo!"

imagemMax Cavalera diz quais foram os dois discos mais difíceis que já gravou

imagemHalford relembra o dia que caiu em pegadinha armada por Tony Iommi e Geezer Butler

imagem"Éramos nós contra o mundo" relembra Bill Ward, sobre o início do Black Sabbath

imagemAC/DC: Angus Young conta como é para ele o antes, o durante e o depois de um show

imagemDave Mustaine cutuca Kiss e bandas "preguiçosas" que usam playbacks

imagemAndreas Kisser explica por que o Sepultura mistura Metal com música brasileira


Stamp

Megadeth: Não comemorou o Youthanasia, mas detonou com clássicos

Resenha - Megadeth (Espaço das Américas, São Paulo, 04/05/2014)

Por Diego Camara
Em 05/05/14

O que esperar de um show que acabou meio deslocado com o anúncio de que não haveria mais o cultuado álbum "Youthanasia" na íntegra? Aparentemente muito pouco, especialmente com uma setlist prometida que parecia um complemento ao show que o MEGADETH realizou no Campo de Marte (que somente os ricos da Pista Premium viram), havia uma certa dúvida do que ocorreria. Mas na porta, duas filas gigantescas fizeram a curva da rua onde se localiza o Espaço das Américas. O público pareceu pouco se afetar pelo repertório diferente. Bastava era ver como reagiriam banda e fãs com o espetáculo. Confira abaixo os principais detalhes do show, com as fotografias de Kennedy Silva.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

O show começou com 30 minutos de atraso. Era pouco mais de 20h30m quando a intro de "Prince of Darkness" tocou na casa de show anunciando a abertura do espetáculo. O show foi aberto com a lendária "Hangar 18". Há maneira mais pancada pra se abrir um show do MEGADETH? Ainda estou tentando pensar. Ganha o público instantaneamente e ainda vem com aquele solo fantástico, extremamente bem executado por Dave Mustaine e Chris Broderick. A plateia gritou com vontade o nome da banda.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Na sequência, as já conhecidas "Wake Up Dead" e "In My Darkest Hour", sequência comum da banda que também viram a luz no show do Campo de Marte, abriram espaço para "Reckoning Day", primeira música do "Youthanasia" da noite. Promessa de Dave Mustaine foi bem cumprida, a música realmente ainda se encaixa com perfeição no setlist do Megadeth e puxou bastante a plateia. O som do Espaço das Américas se mostrava ótimo como sempre, mostrando um super trabalho da técnica.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Mas foi com "Sweating Bullets" que a coisa começou a ficar séria. A plateia precisava daquela música, perfeita, cativante e muito bem sintonizada ao humor dos fãs. Foi nesta que eles se encontraram, onde o grito do público realmente acertou com a motivação do Megadeth e, sem dúvidas ali, ganhou de vez moral com Mustaine. "É muito bom tocar aqui novamente", disse ele, bastante contente. Para Mustaine, o público era como uma grande família que ele novamente tinha a oportunidade de ver. "Somos a banda que de metal que mais veio ao Brasil, e isso é porque nós amamos vocês", arrancando aplausos do publico.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Com uma sequência de músicas mais intimistas ele abriu a segunda parte do show. "She-Wolf", não tão animadora para os bate cabeças quanto suas antecessoras, fez o publico cantar com vontade o tempo inteiro, até mesmo o solo de guitarra. Com "Dawn Patrol" e "Poison Was the Cure", tocadas em sequência, o público viu o grande Dave Ellefson mostrar porque é um dos grandes baixistas do gênero. Muito bem ritmado, segurou nas unhas o público até a parte rápida, quando passou para Chris Broderick fechar com mais um perfeito solo.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Com "Youthanasia", recebida a palmas pelas palavras de Mustaine, o público se mostrou afiado para comemorar os 20 anos deste ilustre álbum, que fez a juventude de muitos dos trintões presentes na plateia. "Trust" veio em seguida, fechando muito bem a parte média do show, muito bem aproveitada para mostrar toda a melodia presente em alguns dos sucessos do Megadeth.

Mustaine então recebe uma bandeira do Brasil e em uma atitude sempre repetida em quase todo grande show, o vocalista a amarra no pedestal de seu microfone. Porém, para não ficar apenas no clichê, ele anuncia que tem um presente especial para os fãs brasileiros. Não precisou de muitas notas para que o público sacasse que era a grande "Tornado of Souls", uma das músicas do Megadeth mais apreciadas pelo público brasileiro. Tão bem recepcionada quanto cheia de velocidade e pegada do baterista Shawn Drover, foi um dos momentos mais loucos da plateia, que bateu cabeça com vontade. Também foi das músicas com maior número de celulares levantados por metro quadrado.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

A seguinte foi "A Tout Le Monde", que muita gente sentiu falta nos shows de abertura para o BLACK SABBATH em 2013, mas se a comemoração era o "Youthanasia" não poderia, realmente, faltar. A plateia se emocionou bastante e emprestou mais uma vez os pulmões para esta super música. "The Killing Road", outra do "Youthanasia", apesar de ser das mais esperadas pelos fãs que queriam comemorar o álbum, pareceu meio deslocada pelos fãs que esperavam o velho mais do mesmo. Mesmo assim, foi das melhores músicas tocadas, e é difícil não guardar uma vontade de ver ao vivo outras músicas do mesmo álbum que não veem shows há muito tempo, como "Family Tree" por exemplo.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Com o show já no adiantado da hora, a banda parecia já perto de finalizar o espetáculo. E isso ficou claro quando Mustaine e cia lançaram mão da clássica "Peace Sells". Com a aparição do já clássico mascote da banda Vic Rattlehead, o público foi mais uma vez a loucura, mostrando que clássicos como esta música nunca saem de moda no Brasil. A seguinte, não menos moda, foi a já manjada dos fãs "Symphony of Destruction", que igualmente não deixou de pegar firme com toda a plateia, especialmente no ritmo controlado da música e na voz reconhecível de Mustaine.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Quando a banda saiu do palco, os gritos por "Holy Wars" tomaram todo o Espaço das Américas. Pouquíssimo tempo depois Mustaine voltou, carregando um outro presente: uma bandeira do Brasil com um símbolo do Megadeth em seu centro. Agradeceu aos fãs pelo presente, e então com um pequeno solo abriu a última música do show: "Holy Wars... The Punishment Due", que seguiu o ritmo da banda em seus clássicos: extremamente técnica, puxada por uma base extremamente consistente e por dois guitarristas extremamente talentosos em seus solos.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Se o show não foi o comemorativo do "Youthanasia", conforme pipocou na época de sua divulgação, não podemos dizer que o público não tenha ficado extremamente animado. Foi uma das melhores apresentações do Megadeth dentre as últimas por aqui pelo Brasil. Porém, para alguém como eu que viu boa parte destas músicas nos shows de abertura para o Black Sabbath, achei que poderiam ter inovado um pouquinho mais no setlist, não só com músicas do "Youthanasia" mas de outros álbuns. O show, no final, não foi nada especial, mas isso não significa que tenha sido ruim: ao contrário, foi extremamente bom e foi acima da média do que a banda costuma entregar.

Fotos: Kennedy Silva. Galeria completa no link abaixo.

Galeria - Megadeth (Espaço das Américas, São Paulo, 04/05/2014)

Megadeth é:
Dave Mustaine – Vocal e Guitarra
Dave Ellefson – Baixo e Segunda Voz
Chris Broderick – Guitarra e Segunda Voz
Shawn Drover – Bateria e Percussão

Setlist:
Intro: Prince of Darkness
1. Hangar 18
2. Reckoning Day
3. Wake Up Dead
4. In My Darkest Hour
5. Set the World Afire
6. Sweating Bullets
7. She-Wolf
8. Dawn Patrol
9. Poison Was the Cure
10. Youthanasia
11. Trust
12. Tornado of Souls
13. A Tout Le Monde
14. Kingmaker
15. The Killing Road
16. Peace Sells
17. Symphony of Destruction
Bis:
18. Holy Wars... The Punishment Due
Outro: Silent Scorn / My Way (música de Sid Vicious) / Shadow of Deth


Outras resenhas de Megadeth (Espaço das Américas, São Paulo, 04/05/2014)

Resenha - Megadeth (Espaço das Américas, São Paulo, 04/05/2014)

Resenha - Megadeth (Espaço das Américas, São Paulo, 04/05/2014)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Airbourne 2022
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp



Câncer na língua: entenda a doença de Bruce Dickinson


Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre

Mais matérias de Diego Camara.