RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemQuando Roberto Carlos foi alfinetado por Raul Seixas, mas o Rei gostou do que ouviu

imagemQuando o Lynyrd Skynyrd irritou Mick Jagger ao abrir o show dos Rolling Stones

imagemApós dez anos, Jason Newsted procura guitarristas para montar um projeto de metal

imagemMax Cavalera escolhe seus álbuns "não metal" preferidos

imagemA única música tocada no Festival de Woodstock que atingiu o primeiro lugar nas paradas

imagemAs queixas que colegas do Paralamas mais fazem sobre Herbert Vianna, segundo o próprio

imagemSlash acha que os rockstars dos 60s e 70s eram mais inteligentes e educados que os dos 80s

imagemO hit da Legião Urbana antiviolência cantado sob perspectiva de jovem da periferia

imagemO grande amor de Renato Russo que durou pouco mas marcou sua vida para sempre

imagem"A vida é curta", afirma Floor Jansen, vocalista do Nightwish

imagemJohn Lennon queria regravar todas as músicas dos Beatles, segundo produtor George Martin

imagemA bizarra lembrança que Kerry King tem do último show do Slayer

imagemA icônica reportagem de Glória Maria em que Raul Seixas disse que foi atropelado por onda

imagemA reação de Jairo Guedz quando houve o racha do Sepultura no auge do sucesso

imagemA vingança de Joana Prado (ex-Feiticeira) contra filhos briguentos que envolve RPM


Stamp

Flagelador: Como foi a apresentação no G.R.A.B. de Fortaleza

Resenha - Flagelador (GRAB, Fortaleza, 09/02/2014)

Por Leonardo M. Brauna
Postado em 23 de fevereiro de 2014

O FLAGELADOR está em turnê nacional e, em Fortaleza (CE), levou a "Sob o Machado do Algoz Tour 2014" para o G.R.A.B., celebrando na tarde do dia 09 de fevereiro, uma festa que contou com Headbangers daquela capital e cidades vizinhas. Os niteroienses fecharam a data que foi aberta por três dos principais nomes cearenses: TOXIC TRASH, FLAGELO e CARCARÁ. Às 15:00h o local já estava aglomerado de fãs e entusiastas do Metal. os cem primeiros que adentraram ao espaço ganharam um presente da Gino Production, que foi um CD das bandas, FIST BANGER, GOREWAR e SCREAM OF DEATH (à escolha do contemplado). Quem marcou presença, também pôde conferir e adquirir materiais dispostos nos estandes de vendas, e para aqueles que gostam de "encharcar o fígado", o bar (como é tradição nos eventos da Gino Production) estava oferecendo preços consoladores para o bolso.

Fotos: Arquivo Underground

Por volta das 16:00h a sessão ‘Open Act’ começa com os inflamáveis do TOXIC TRASH. A banda que tem à frente o vocalista GALO BLACKFIRE sobe com moral executando a nova composição que leva o nome da banda. A entrada de Anderson Nunes (GOREWAR) e FRAN MUSTAINE (FLAGELO) deixou o som do grupo ao vivo mais pesado e agressivo com as bases e solos da dupla. Tal arremesso não foi segurado pelo baixista Leandro Oliveira que, motivado pela adrenalina, quebrou uma de suas cordas logo na segunda canção. Mas o show continuou com Galo aproveitando bem aquela ocasião para divertir o público com suas piadas e "arengas". Perfeita espécie de ‘frontman’ existente apenas no Ceará, o que diverte com Metal Pesado e números cômicos (improvisados, diga-se). Problema da corda resolvido, o quinteto novamente parte para o ataque mantendo o seu Speed/Thrash com receitas do Hardcore e Grindcore para apimentar. "Vingança de Satã", Mundo Doente e "Marcas da Guerra" fizeram parte do repertório que finalizou com "Evil Dead", Clássico da tropa de CHUCK SCHULDINER.

FLAGELO, que integra o time das bandas mais respeitadas do Metal cearense, surge no palco para mais uma apresentação que os fãs de TANKARD, DESTRUCTION e vários nomes nacionais, já puderam testemunhar. Com repertório completo, o grupo tocou todas as músicas que compõe seus dois trabalhos, "Pesadelo" (1999) e "Necrofilia" (2012). A galera participativa (mesmo com o som, por vezes pecando pela equalização) empolgava embrenhando-se no ‘mosh’ de maneira selvagem. A banda é notável por conseguir colocar na cabeça do público maioria de suas canções – provam as pessoas que cantam junto com o vocalista ELINEUDO MORAIS temas como, "Pesadelo, "Tortura", "Necrofilia", "Guerreiros da Morte" e outras. Fran, que não precisou descer do palco, comandou os riffs que justificava a tempestividade do público. Destaque para execução de "Velha Maria" com participação de fãs cantando em baixo e em cima do palco.

Quando o CARCARÁ "baixou vôo" no palco, a coisa começou a se intensificar novamente. A banda hoje é uma das mais atuantes na cena local e consegue atrair um público numeroso por onde toca. A ligação de riffs velozes passando por bases mortas – feita com extrema técnica – revela frente aos olhos dos fãs tudo aquilo que eles fizeram sem seus lançamentos, "Ressurreição dos Seres Ocultos" (2003), "Executores do Grande Massacre" (2007) e "Nova Ordem dos Séculos" (2010). Um ponto a adicionar é que, ao vivo, a violência se torna mais "apreciativa". Com muitas rodas e ‘stage divings’ rolando, a "ave predadora" enchia os ouvidos da bangarada com os temas: "Tribunal da Morte", "Enforcado com Arame Farpado", "Novo Conclave" e outras que "ensangüentava" os ouvidos da maioria. Influenciados por diversas "feras" do Metal mundial, fizeram um cover para "Sodomy and Lust" de SODOM. A parte polêmica ficava nos discursos do vocalista/guitarrista, RAFAEL DILACERADOR, que fazia questão de mencionar a postura "anti" da banda, ao se tratar de religião, falsos Headbangers (referido pelo próprio como, cordeiros) e até eventos beneficentes – tópicos "seculares" do Metal, mas que ainda causa algum efeito e reação em algumas pessoas – principalmente da nova geração.

ARMANDO EXEKÜTOR (guitarra, vocal), TURKO BASURA (baixo) e ÉRICK MADDÖG (bateria) subiram ao palco, como diz a velha máxima: "com faca nos dentes". A introdução "Ultimatum" do seu primeiro álbum, "A Noite do Ceifador" (2006) deu continuidade à saga do machado. A canção que dá nome à banda ecoou pelos PAs e botou todo mundo para correr em círculos. Mais uma aula do Metal nacional acontecia no G.R.A.B. com "educadores" formados na escola de DORSAL ATLÂNTICA, TAURUS e METALMORPHOSE. No palco, as influências de FLAGELADOR são ainda mais numerosas, Turko, por exemplo, torce as cordas de seu baixo como LEMMY KILMISTER faz em seu Rickenbacker 4001, o estilo MOTÖRHEAD é seguido também por Armando em alguns solos e na posição de seu microfone acima da cabeça. O efeito de eco usado pelo vocalista deixa as canções mais "ríspidas", porém, melhor seria se o mesmo recurso fosse desligado em seus pronunciamentos. A riferama dos fluminenses leva velocidade às alturas, e os bangers da platéia não perdem tempo em fazer o seu próprio show, seja em vôos de cima do palco, seja em "cirle pit". As bases de Armando puxadas para cima entregam a brutalidade de temas como, "Possessão Diabólica", "Render-se Jamais" e "Obcecado por Sangue". Na hora dos solos fica difícil dividir a atenção entre o frontman e o baixista, pois esse é o momento em que Turco arrasta consigo todo o peso da banda. Para completar a noite – que já vencera a tarde – o trio executa o clássico "Evil Has no Boundaries" do SLAYER com devidas homenagens a um de seus compositores, JEFF HANNEMAN. O Set foi longo (com quatorze canções), mas não o bastante para satisfazer os presentes que tiveram que se contentar com o final, e dessa vez os homenageados foram os próprios fãs com a música, "Unidos Pelo Metal". Este foi o primeiro show histórico do ano que promete manter hasteada a bandeira do Metal, e que Fortaleza possa receber mais visitantes do cenário nacional, e que a união esteja sempre fortalecida!

[an error occurred while processing this directive]

[an error occurred while processing this directive]

Repertórios (não necessariamente na mesma ordem)

TOXIC TRASH

Toxic Trash (instrumental);
Vingança de Satã;
Mundo Doente;
Reino da Corrupção;
Thrashers do Inferno;
Marcas da Guerra;
Evil Dead (cover do Death).

FLAGELO

Pesadelo;
Tortura;
Flagelo;
Ódio;
Aniquilar;
Conflitos;
Necrofilia;
Supremo Poder;
Guerreiros da Morte;
Vale de Horrores;
Velha Maria.

CARCARÁ

Tribunal da Morte;
Novo Conclave;
Invasão do Metal Destrutivo;
Batizado com Sangue;
Comandante do Caos;
Enforcado com Arame Farpado;
Sodomy and Lust (cover do Sodom);
Ressurreição dos Seres Ocultos;
Armamento Biológico;
Cachaça Terror;
Rasga Mortalha.

FLAGELADOR

Ultimatum (intro);
Flagelador Ao Vivo no Inferno;
Possessão Diabólica;
Anjo Exterminador;
Evil Has no Boundaries (cover do Slayer);
Cruzada ao Lado de Satã;
Render-se jamais;
Expresso para o Inferno;
Total Danação;
Obcecado por Sangue;
Perseguir e Exterminar;
Massacre Bestial;
Unidos pelo Metal.

[an error occurred while processing this directive]

[an error occurred while processing this directive]

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Def Leppard Motley Crue 2

Speed Metal Br: A linha de frente do metal veloz brasileiro


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Leonardo M. Brauna

Leonardo M. Brauna é cearense de Maracanaú e desde adolescente vive a cultura do Rock/Metal. Além do Whiplash, o redator escreve para a revista Roadie Crew e é assessor de imprensa da Roadie Metal. A sua dedicação se define na busca constante por boas novidades e tesouros ainda obscuros.
Mais matérias de Leonardo M. Brauna.