Nashville Pussy: Show imperdível para os amantes do hard rock

Resenha - Nashville Pussy (Carioca Club, São Paulo, 17/11/2013)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Diego Camara
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.





















Simplesmente imperdível! Esse seria o resumo para qualquer amante do hard rock que tinha tempo vago no fim de semana de feriado prolongado de 15 de novembro. É difícil tecer comentários que não venham com uma dúzia de elogios quando se pode ter contato com um show do nível do NASHVILLE PUSSY, banda da nova geração do hard rock que anda colecionando fãs por onde passa com performances esplendidas e cheias de técnica.

O tempo estava bastante calmo na entrada do Carioca Club na hora marcada para o início do show. Nenhuma fila e poucas pessoas na porta já direcionavam que seria mais um show com pouquíssimo público na cidade. E realmente foi. Já dentro do Carioca, algumas mesas foram posicionadas na pista e o camarote estava fechado (ingressos para o setor não foram sequer vendidos no Clube do Ingresso). Foi assim que a banda SKIN CULTURE, que foi responsável pela abertura, começou seu show as 19h15m para um total de 46 pessoas.

Com um som bastante firme e na pegada das guitarras, a banda animou o pequeniníssimo público que estava presente no show. Com sonoridade mais pesada e bem diferente do Nashville Pussy, sem dúvidas não era o som que muitos curtiam ali, mas valeu a pena pela ótima qualidade da banda. Já pareciam saber que o resultado do show em termos de vendas não foi nada satisfatório, e agradeceram ao público pela vontade de vir ao show apesar do feriado prolongado. Grande destaque da apresentação foi a música “Flames and Ashes”, que teve em sua gravação a participação de Pompeu do KORZUS.

O show principal foi começar em torno das 20h40m. Muita gente chegou mais tarde para o show e veio para ver apenas o Nashville. No total, quando abriram as cortinas do Carioca Club, eram em torno de 250 pessoas no show, ainda um público bastante pequeno para um show deste porte – o pior público de um show no Carioca de metal neste ano, ouso dizer.

Puxados pelas ótimas guitarras e o carisma de Blaine Cartwright, a banda arrasou já na entrada com “Keep on Fuckin’”. Se o público era pequeno e o barulho que faziam, claro, era proporcional a quantidade, não podemos dizer o mesmo sobre o show. Um som impecável, como poucas vezes se viu no Carioca marcaram todo o show dos norte-americanos. O resultado foi uma salva de palmas extremamente calorosa aos músicos da Atlanta.

Outros dois destaques da abertura do show foram a música “Strutting Cock” e a impressionante “Wrong Side of a Gun”. A primeira viu o primeiro dos inúmeros grandes solos que a guitarrista Ruyter Suys daria durante o show. Como uma grande pancada na porta, levantou todos os fãs que gritaram com vontade a cada nota que saia de seu instrumento. A segunda, do álbum “High as Hell”, era uma das queridinhas do público e foi recebida com gritos já nos primeiros riffs, além de um grande apoio da plateia no seu refrão.

O público também mostrou a mesma vontade quando Ruyter anunciou “Drunk Daddy”, onde novamente ela chamou a responsabilidade para si. Com um feeling impressionante, e sendo acompanhada de perto pela baixista Bonnie Bruitrago, foi difícil não ser dominado pelas acrobacias que ela produzia com sua guitarra, especialmente ao ajoelhar na ponta do palco, para delírio dos fãs.

Para não dizer que o show foi de toda a maravilha, o destaque estranho foi o momento quando Blaine resolveu apresentar sua garrafa de Jack Daniels ao público brasileiro. Soou um pouco estranho pois pareceu dar a entender que o público não conhecia a bebida, que anda tão famosa que até gente que nunca soube o que é gosto de whisky anda carregando no peito a famosa arte da camiseta da bebida.

O espetáculo, porém, continuou ainda melhor em sua parte final. E o cover de “Milk Cow Blues”, no melhor som do Southern rock, alegrou o público. Cada integrante fez sua parte e alavancou com um pequeno solo, para os gritos dos fãs. Sem se aventurar além dos seus limites – o solo de bateria, por exemplo, foi bastante simples – a banda mostra sua principal qualidade que é o calor que traz em suas apresentações.

Pra fechar o show, a banda tocou “Go Motherfucker Go”, uma das melhores de sua carreira. O público ergueu os braços a saudou a banda, que em pouco mais de uma hora de espetáculo satisfez a todos os que gastaram seu domingo de feriado prolongado para curtir um bom e velho hard rock. Melhor ainda foram os que ganharam pedaços das cordas da guitarra de Ruyter, que foram quebradas no solo final da música, causando alvoroço nas pessoas grudadas no palco.

Após o fim da última música, o público ainda gritou o nome da banda e aguardava um bis, que não aconteceu. As luzes se acenderam e os fãs continuaram lá aguardando a descida da banda para autógrafos e fotos. A tristeza sem dúvidas ficou pelo pequeno público, em um show que merecia sem dúvidas mais participação, o público acabou se perdendo pelo grande número de shows na cidade e pelo feriado que espantou muitos fãs.

É de esperar que, caso a banda retorne, venha em um dia mais acessível e que conte com mais apoio da cena, pois com a qualidade que mostram no palco valem sempre o preço do ingresso.

Nashville Pussy é:
Blaine Cartwright – Vocal e Guitarra
Ruyter Suys – Guitarra
Bonnie Buitrago – Baixo
Jeremy Thompson – Bateria

Setlist:
1. Keep on Fuckin'
2. High As Hell
3. Strutting Cock
4. Wrong Side of a Gun
5. Rub It to Death
6. She's Got the Drugs
7. I'm So High
8. Everybody's Fault But Mine
9. Gonna Hitchhike Down to Cincinnati and Kick the Shit Outta Your Drunk Daddy
10. Up The Dosage
11. Go to Hell
12. Milk Cow Blues (cover de Kokomo Arnold)
13. Snake Eyes
14. I'm The Man
15. Why Why Why
16. Go Motherfucker Go
17. You're Goin' Down

Fotos: Fernando Yokota. Mais imagens nos links abaixo:

Link 1

Link 2

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Nashville Pussy"

Sem imaginação?Sem imaginação?
Os nomes de bandas mais estúpidos da história

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Nashville Pussy"

Avenged SevenfoldAvenged Sevenfold
"Mike Portnoy não queria sair da banda"

MetallicaMetallica
O prefácio de Lars Ulrich para o livro de Shawn Clown

Duff McKaganDuff McKagan
"Entre 1989 e 1993 eu cheirei meu peso em cocaína"

5000 acessosHistória do Rock: dos primórdios aos anos 705000 acessosBon Jovi: o que aconteceu com a fã que ganhou um beijo de Jon?5000 acessosTop 10: as músicas mais acessadas do YouTube5000 acessosDave Mustaine: James Hetfield, eu, Malcolm Young e Rudolf Schenker somos os melhores5000 acessosMetallica: as extravagâncias da banda para tocar no Rock in Rio5000 acessosStephanie Seymour: ex de Axl Rose mostra ótima forma aos 44

Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre Diego Camara

Mais matérias de Diego Camara no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online