Klatu: música repleta de influências, mas sem soar como um cover

Resenha - Klatu (Kabul, São Paulo, 02/08/2013)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Pedro Zambarda de Araújo
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Banda Klatu está no seu segundo disco e fez um show no começo deste mês para divulgar seu trabalho. Na apresentação realizada no dia 2 de agosto, às 23h, o grupo tocou acompanhado por uma exposição de fotos da artista Camila Fontenele, que chegou a exibir seus quadros em outros países na América do Sul.

Black Sabbath: um Tony Iommi que você não conheciaMascotes do Metal: os dez maiores segundo The Gauntlet

Camila e a banda Klatu defenderam a arte autoral naquele noite, o conteúdo e a cultura difundidos de acordo com os gostos dos autores e não seguindo padrões do mercado artístico. "Nós, do Klatu, fazemos um rock repleto de referências. O rock infinito. Não nos enquadramos na forma de arte de muitos", disse Carol Arantes, a cantora da banda, durante o concerto.

A casa Kabul estava relativamente cheia, com um repertório de Nirvana, Led Zeppelin e outras bandas clássicas antes do começo do som do Klatu. Camila Fontenele exibiu imagens de pessoas e cenários inspirados em artistas como Frida Kahlo e paisagens naturais abertas.

Formado por Carol Arantes (vocal), Leco Peres (baixo), André Barará (guitarra) e Felipe Silva (bateria), Klatu começou com improvisações de guitarra e baixo puxando referências de blues e jazz para tocar, com muita liberdade, as músicas de seu segundo disco, "Um Pouco Mais Desse Infinito". Carol Arantes ficou bem próxima do público, praticamente fora do palco, batendo um papo descontraído com o pessoal no Kabul.

Tocaram "Não Cante Essa Música", "Mais blablabla" entre as novas e até a tradicional "Rock Infinito" do disco de 2008. A banda já conseguiu que a música "Nunca é Tarde" entrasse no filme de Lays Bodanzy, "As Melhores Coisas do Mundo", de 2010. Por esse motivo, o Klatu está conseguindo ganhar relevância no rock independente com um som próprio, que defende uma música repleta de influências, mas sem soar como um cover.

Foi dessa forma que o show no Kabul pareceu, embora Carol tenha seu momento como frontwoman a la Rita Lee com os Mutantes, Leco Peres use roupas com referências à Aliança Rebelde de Star Wars e André Barará execute solos inspirados em Stevie Ray Vaughan. Que tal dar uma chance ao rock nacional com tantas influências interessantes?




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Klatu"


Black Sabbath: um Tony Iommi que você não conheciaBlack Sabbath
Um Tony Iommi que você não conhecia

Mascotes do Metal: os dez maiores segundo The GauntletMascotes do Metal
Os dez maiores segundo The Gauntlet

Hetfield: egos, Mustaine, Load e homossexualidade no MetallicaHetfield
Egos, Mustaine, Load e homossexualidade no Metallica

Galeria - Tatuagens em homenagem a artistas e bandas - Parte 1Bob Daisley: baixista dá detalhes de sua briga com OsbourneMetallica: James Hetfield imitando Dave Mustaine na TVFaith No More: Mike Patton recusou INXS e Velvet Revolver

Sobre Pedro Zambarda de Araújo

Nascido em 1989. Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo, Pedro foi apresentado ao heavy metal através da banda Blind Guardian, em meados de 2004. Ouve e aprecia outros estilos do rock, como o punk, o indie e vertentes mais variadas. Gosta de assistir e cobrir shows.Toca muito mal guitarra, mas aprecia vários tipos de instrumentos musicais.

Mais matérias de Pedro Zambarda de Araújo no Whiplash.Net.