Inocentes: aula de punk rock em Manaus

Resenha - Inocentes (Festival HeyYou, Manaus, 27/04/2013)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Cesar Matuza
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O que dizer sobre Inocentes? Uma, se não “A” banda que iniciou o movimento Punk Rock em São Paulo no início dos 80´s, liderada pelo ativo Clemente, produtor, apresentador, dono de um dos melhores programas de web tv da internet brasileira (estúdio livre), com 32 anos de carreira, que influenciou 99% das atuais bandas do estilo.

77 acessosAriel Uliana: documentário sobre um dos pioneiros do Punk nacional5000 acessosDrogas e Álcool: protagonistas nos piores shows de grandes astros

Sorte minha que logo na volta de minha temporada americana, chegar ao Brasil com a oportunidade de tocar em um grande festival independente com o rock de verdade no DNA e com uma porrada de bandas muito boas, incluindo nessas as ótimas bandas da cena Manauara (release em breve).

A banda Inocentes chega à Manaus para tocar pela primeira vez na cidade dentro do Festival Hey You, que reuniu ainda o Matanza, Blind Pigs, Mukeka de Rato, entre outras.

O festival com tendência da maioria das bandas de hard core e punk rock merecia uma atração de porte como os Inocentes. Fiquei muito feliz em poder estar no mesmo festival que esses caras, os quais fizeram parte da minha musicalidade na adolescência, ainda nas bolachas de vinil no meu toca discos Gradiente.

A banda entra no palco e com toda a moral que faz por merecer, Clemente dá o boa noite: “Boa noite Manaus, com 32 anos de carreira, esqueçam tudo que ouviram até agora, porque foi a gente que inventou essa porra!!”. Coberto de razão.

O show foi muito intenso, a galera não fechou a roda em nenhuma das músicas. Sucessos de todas as fases da banda foram cantados pela galera e o calor infernal de Manaus faziam do pit um caldeirão humano em ebulição.

Mandaram na orelha da galera só pedrada: Cala a boca, Ele disse não, Medo de morrer, Rotina, Não acordem a cidade, A cidade não para, entre outras.

Ainda de quebra a galera levou de brinde a ótima “Restos de nada” (da banda anterior de Clemente antes de montar Os Inocentes), o qual confessou que escreveu a música quando tinha seus 16 anos.

Chegando ao final, a introdução de “Pátria Amada” faz a galera delirar, mas só pra provocar, tocam a introdução e param e se despedem da galera e saem do palco. O break toma proporções de quase um coito interrompido. Gritos desesperados de ‘volta volta’ tomou a galera. É claro que eles voltaram, afinal ainda faltavam algumas músicas impossíveis de ficar de fora de um show dos Inocentes, bem como a própria “Pátria Amada”, música que pra mim, é um verdadeiro Anti Hino Nacional, cantada com a revolta da contrariedade das próprias frases heroicas do nosso Hino Nacional Brasileiro. Uma das melhores letras do rock nacional.

Ainda faltava uma, e a galera pediu em coro, “Pânico em SP”, e a banda mandou mais essa com total participação do coro da galera no refrão.

Pra finalizar, Clemente anuncia a homenagem ao lendário e querido Rédson (Cólera) e Joe Strummer (The Clash) e tocam “Quanto vale a liberdade” do Cólera.

E pra fechar Clemente: “- Agora uma da banda favorita do Rédson, The Clash”

“I fought the law” encerra o show dos Inocentes na calorosa e calorenta Manaus. Um show um tanto curto, devido também ao formato do festival, mas suficiente para satisfazer a sede da galera punk rocker de Manaus, na medida certa. Um show compacto, mas muito intenso e que botou a galera pra se quebrar do inicio ao fim.

Isso sim é Punk Rock de verdade, com personalidade e atitude, diferente de alguns shows “punks” que eu vi por aí ultimamente.

Abraços a todos.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

77 acessosAriel Uliana: documentário sobre um dos pioneiros do Punk nacional117 acessosInocentes: veja a banda no AudioArena Originals0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Inocentes"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Inocentes"

Drogas e ÁlcoolDrogas e Álcool
Protagonistas nos piores shows de grandes astros

CoversCovers
Quando bandas de Heavy e Power Metal prestam tributo

RammsteinRammstein
"Se alguém rir das gordinhas, eu quebro a cara dele!"

5000 acessosAxl Rose: sugerindo prática oral sexual a Paul Stanley5000 acessosMetal Progressivo: os dez melhores álbuns do estilo5000 acessosLista: as dez melhores músicas para se ouvir na estrada5000 acessosOzzy Osbourne: volta de Zakk Wylde une útil ao agradável5000 acessosAngra: uma sincera homenagem aos mestres Chimbinha e Joelma5000 acessosSlayer: É difícil ser um pai responsável enquanto canta sobre morte?

Sobre Cesar Matuza

Engenheiro, baterista da Veludo Branco e da banda Ditambah, colunista do Blog Roraima Rock´n Roll, produtor.

Mais matérias de Cesar Matuza no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online