Crashdïet: saudados como heróis pelo público carioca

Resenha - Crashdïet (Teatro Odisséia, Rio de Janeiro, 10/03/2013)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcos Garcia
Enviar correções  |  Ver Acessos

A Lapa cada vez mais está se tornando um point referencial para o Metal no RJ, especialmente porque o Teatro Odisséia tem aberto com frequência as portas para eventos de bandas nacionais e internacionais, e a Blog n Roll Produções, uma produtora que recentemente entrou no circuito de shows, e um de seus primeiros eventos foi a segunda vinda do CRASHDÏET, quarteto de Hard Rock sueco, à terras cariocas.

Joe Satriani: por que ele não entrou no Deep Purple?Raimundos: O verdadeiro motivo para a saída de Rodolfo da banda

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Um bom público já se encontrava presente na entrada do local desde muito cedo, ansiosos pela hora da entrada (19:00 local), que foi respeitada religiosamente, e nenhum incidente ocorreu, mostrando que o público das vertentes de Metal sabe se comportar muito bem.


Após alguma espera ansiosa, os músicos do CRASHDÏET, em sua caminhada para o palco pelo corredor superior da casa, foram saudados como heróis pelo público, e quando apareceram no palco, a loucura tomou conta da casa.


Divulgando seu novo CD, 'The Savage Playground', o quarteto tomou o palco de assalto, fazendo um set híbrido de músicas do novo CD, além de hits de seus álbuns anteriores, e já entraram quante no palco com 'Change The World ', que o público cantou em uníssono, seguida de 'Circus', pelo hit pesado 'Anarchy', onde o contracanto no refrão pela platéia foi algo de enlouquecedor.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Dois pontos a serem destacados são que as músicas de 'The Savage Playground' ao vivo ficam ainda mais energéticas, contagiantes e pesadas, e que o quarteto, em cima do palco, é ótimo: Simon canta bem, com energia, ótima comunicação e boa desenvoltura, ao mesmo tempo em que tem o público nas mãos (o que ficou evidente quando o amplificador da guitarra de Martin deu um problema, e ele começou um 'ping-pong' com o público do refrão de uma das músicas); Martin Sweet é um guitarrista ótimo nas bases e solos, bem como mantém uma ótima movimentação e incendeia o público com caras, bocas e simpatia; Peter London é uma usina de força ao vivo, agitando durante todo o show e com uma pegada ao vivo bem intensa; e Eric Young segura bem o ritmo nas baquetas e bumbos, ao mesmo tempo em que mostra uma pegada bem pesada.


A banda ainda desfilou outras ótimas músicas como 'Cocaine Cowboys' (onde Simon ainda usou de sua harmônica durante o início improvisado), a pesada 'Breaking the Chains', a bem sleazy 'Rebel', a ótima 'Garden of Babylon' e outros clássicos da banda, cantados pelo público, em especial os refrões, pois estamos falando de uma banda de Hard Rock.

No final, o quarteto foi saudado, merecidamente ovacionado, e usou de uma prática que, há um bom tempo, caiu em desuso: os quatro foram à frente do palco, saudaram o público e cumprimentaram os presentes.

A Blog N Roll Produções e a Audio Blast (que fez toda a parte de imprensa do evento) estão de parabéns, e que o CRASHDÏET venha mais e mais vezes às terras cariocas!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Crashdïet"


Joe Satriani: por que ele não entrou no Deep Purple?Joe Satriani
Por que ele não entrou no Deep Purple?

Raimundos: O verdadeiro motivo para a saída de Rodolfo da bandaRaimundos
O verdadeiro motivo para a saída de Rodolfo da banda


Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline