Nightwish: show no RJ mostra um imbróglio com final feliz

Resenha - Nightwish (Circo Voador, Rio de Janeiro, 10/12/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Marcelo Prudente, Fonte: Rock On Stage
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O provérbio popular: há males que vem para o bem, recai fácil, fácil na vida do cidadão comum, onde uma suposta dificuldade e ou problema, a curto prazo, pode desdobrar-se numa grande oportunidade futura. E não pense, caro leitor, que o mundo da música fica imune a tal máxima, afinal, não faltam exemplos onde a afirmação acima ganhou vida e, lógico, um final mais que feliz.

1459 acessosMulheres que cantam Metal: estúdio/ao vivo, expectativa e realidade5000 acessosDrogas e Álcool: protagonistas nos piores shows de grandes astros

O mais recente, e talvez mais comentado, caso no mundo do rock fora a abrupta saída – ou demissão – da vocalista, Anette Olzon, da banda Nightwish, deixando pipocar inúmeras interrogações na cabeça dos fãs. E o que tinha todos os trejeitos e sintomas de uma tragédia grega acabou saindo melhor que encomenda, porque a atitude de trazer a cantora, Floor Jansen (ex- After Forever, Revamp), para cumprir as datas restantes da turnê, revelou-se como a mais sensata e razoável diante de todo o imbróglio.

O show na capital fluminense, na última segunda-feira (10), rechaçou as previsões mais pessimistas e provou que o público carioca ainda nutre apreço especial pela música dos finlandeses. Com casa cheia e um calor que beirava o fim dos tempos, a banda debutou com “Storytime”, que de cara revelou a pujança do vocal e interpretação da nova vocalista. Sem meias palavras o baixista/vocalista, Marco Hietala, reforçou o quase óbvio: Floor Jansen é a nova frontwoman da banda, o que gerou grande contentamento por parte do público.

“Dark Chest of Wonders” e “Wish I Had an Angel” rememoraram o apogeu da carreira dos finlandeses, onde gozavam de grande popularidade alicerçada pelo interessante álbum, Once. “Amaranth” manteve o clima de festa instaurado pelos cariocas, o que garantiu largos sorrisos por parte dos músicos. Como o título denuncia, a canção “Scaretale” trouxe contornos soturnos digno ao circo dos freaks e relembra os melhores contos de terror.

“I Want My Tears Back”, “The Crow, The Owl and The Dove” e “Lost of the Wilds” trouxeram o convidado especial, Troy Donockley, tocando gaita irlandesa. E por mais que o instrumento seja bacana e Troy seja um bom instrumentista fora uma participação que pouco agregou ao saldo do show. “Nemo” traz à mesa, mais uma vez, o disco Once, provando que se no futuro quiserem dormir sobre os louros terão que suar, e muito, a camisa.

“Wishmaster” e “Ever Dream” sempre serão sinônimos de euforia pelos entusiastas à banda. “Over The Hills and Far Away” tem boas intenções, mas pouco anima. O ponto alto do show veio com a canção “Ghost Love Score”, onde o poder de interpretação da nova vocalista foi aprovado com louvor. “Song of Myself” é longa e complexa e poderia ceder lugar a duas canções com maior apelo diante do público. “Last Ride Of The Day” não é uma canção execrável, mas passa longe de ter os predicados necessários para encerrar o show em grande estilo.

Como fora dito: há males que vem para o bem. E, com certeza, todo esse imbróglio que envolveu o nome Nightwish nos últimos meses teve um – suposto – final feliz, o que fora mais do que comprovado na apresentação da última segunda-feira. Se as intempéries passadas terão cenas dos próximos capítulos só o líder Tuomas Holopainen pode dizer, mas se ele mexer nesse time é porque tem probleminhas na cabeça.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Nightwish (Circo Voador, Rio de Janeiro, 10/12/2012)

1130 acessosNightwish: um show maravilhoso no Rio de Janeiro5000 acessosNightwish: peso e vocal poderoso incendiaram a segunda carioca5000 acessosResenha - Nightwish (Circo Voador, Rio de Janeiro, 10/12/2012)

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 16 de dezembro de 2012
Post de 16 de dezembro de 2012

FinlândiaFinlândia
As dez melhores bandas de Heavy Metal do país

1459 acessosMulheres que cantam Metal: estúdio/ao vivo, expectativa e realidade26 acessosEm 26/09/2007: Nightwish lança o álbum Dark Passion Play0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Nightwish"

NightwishNightwish
Anette: "Fiz um trabalho dos infernos nessa banda!"

NightwishNightwish
A história da estátua de anjo na capa do álbum "Once"

Floor JansenFloor Jansen
Cantora diz que "crítica" ao Slayer foi retirada do contexto

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Nightwish"

Drogas e ÁlcoolDrogas e Álcool
Protagonistas nos piores shows de grandes astros

AC/DCAC/DC
A origem do nome da banda

NirvanaNirvana
Divulgadas novas fotos da cena da morte Cobain

5000 acessosRegis Tadeu: explicando por que o Slipknot é tão odiado5000 acessosHall Of Shame: as melhores músicas ruins da história do Metal5000 acessosRachel Sheherazade: cantando Iron Maiden com o Ultraje A Rigor no The Noite5000 acessosCorey Taylor: o problema do HOF não foi o rap e sim o Deep Purple5000 acessosSilverchair: a história por trás da capa de Freak Show5000 acessosLinkin Park: a mudança na voz de Chester entre 2003 e 2016

Sobre Marcelo Prudente

Marcelo Prudente, 28 anos, nascido em Volta Redonda/Rio de Janeiro. É profissional da área de Comunicação, trabalha com Publicidade e Jornalismo. Começou a tomar gosto pela música quando criança por influência dos pais e tio. Louco pela carreira do velho madman, Ozzy Osbourne. Curte também Iron Maiden, Kiss, Rammstein, Rob Zombie, Alice Cooper, etc. E já perdeu a conta dos bons shows que já assistiu e dos ótimos discos que tem. Para mais informação: http://rockonstage.blogspot.com/. Long live to Rock n' Roll.

Mais matérias de Marcelo Prudente no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online