Viper: relembrando a época de ouro do Metal brasileiro

Resenha - Viper (Clube Álvares Cabral, Vitória, 13/10/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Léo Pinto
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Foi um show histórico e muito esperado na capital capixaba, na sede social do Clube Álvares Cabral. Depois de muito tempo sem vir à Vitória, o VIPER aportou por aqui com sua "To Live Again Tour", nos agraciando com as canções do "Soldiers Of Sunrise" e "Theatre Of Fate" na íntegra, relembrando essa época de ouro do metal brasileiro.

Andre Matos: Theocracy faz homenagem ao vocalista no ProgPower USA; assistaRunaways: Jackie Fox conta como foi estuprada por Kim Fowley

Particularmente, eu achei que as camisas promocionais da turnê que foram colocadas à venda, poderiam ser mais elaboradas. Só tinham um modelo com a estampa do álbum "Soldiers Of Sunrise" na frente e o nome da turnê atrás. A estampa da frente poderia ser uma arte que mesclasse as capas dos dois álbuns, e atrás poderia ter a relação das cidades em que a turnê passou ou passará. Seria um registro mais interessante desses shows épicos pelo Brasil.

Durante o show houve uma reclamação geral por parte de quem comprou o ingresso para a área open bar, com bebida (cerveja, água e refrigerante) liberada. Era o dobro do preço do ingresso normal e acabou sendo uma propaganda enganosa em parte. Tinha bebida liberada realmente, mas a área open bar ficava na lateral da área de show e sem ligação física com o palco, ou seja, quem quisesse beber, tinha que entrar no open bar, que era fechado com portas e janelas de vidro, e beber lá dentro sem poder sair com a bebida. Ver e ouvir o show ficou distante para quem pagou mais. Ou você bebia, ou você assistia o show de perto. Nunca tinha visto uma logística de área vip tão sem noção como essa! Total falta de respeito com quem pagou mais caro para ter um serviço diferenciado!

1ª banda: Broken & Burnt

Passado essa ingrisia, agora sim, vamos aos shows das bandas de abertura. A primeira banda da noite foi a excelente BROKEN & BURNT, daqui de Vitória. Com pouco tempo de estrada, já que começou no início de 2011, a banda faz um neo-thrash misturado com um groove metal que lembra muito o som dos norte-americanos do PANTERA, principalmente a guitarra nervosa de César Schroeder e o vocal potente do guitarrista/vocalista Hugo Ali, que começou o show vestindo uma máscara de gás e depois a colocou pendurada no pedestal do microfone. Completavam a banda, o baixista Dênis Coelho e o baterista Apache Moons.

Setlist:

Intro SSS
Hatred Song
Those Down (Shall Rise)
Break & Burn
Tell Me No Lies
Children
The Bait
The New Me
Bleed/Booze
Hate Will Grow

2ª banda: Yesterdaze

A próxima banda que subiu ao palco, foi a YESTERDAZE, também de Vitória, fazendo um hard rock interessantíssimo, com levada heavy e punk. Ela foi formada em meados de 2008 e de lá pra cá passou por algumas mudanças na formação, chegando à atual com Leonardo Machado (guitarra e voz), Raphael Magno (baixo), Neilson Bonfim (guitarra) e Romeu Neto (bateria). Essa rapaziada fez um show vibrante, que contou com ótimos covers de bandas como GUNS N' ROSES, MÖTLEY CRÜE e MOTÖRHEAD.

Setlist:

Anything But Me
Yesterdaze
It's So Easy - GUNS N' ROSES cover
Again (The Change)
Wild Side - MÖTLEY CRÜE cover
Maybe I'm a Hooker
First Time Dead
Even The Odds
Drawing Lines
Iron Fist - MOTÖRHEAD cover
Soul For Rent

Chega a vez do Viper

Se as bandas de abertura eram relativamente novas de formação, o mesmo não se podia dizer da tão aguardada e uma das mais importantes bandas de power metal nacional, que está voltando à Vitória, agora com boa parte da formação clássica: André Matos (vocalista), Pit Passarell (baixista), Felipe Machado (guitarrista), Hugo Mariutti (guitarrista que entrou no lugar de Yves Passarell que está no CAPITAL INICIAL) e Guilherme Martin (baterista que substituiu Cassio Audi, do álbum "Soldiers Of Sunrise", e Sérgio Facci, do álbum "Theatre Of Fate". Os paulistas do VIPER, que tem história desde 1985, trouxe à Vitória a turnê "To Live Again" que marca os 25 anos do álbum de estreia "Soldiers Of Sunrise" (1987), que foi tocado na íntegra, assim como o álbum "Theatre Of Fate" (1989).

Foi um show incrível, com muita energia e que teve duração de aproximadamente duas horas e meia. A primeira parte do show foi dedicada ao álbum "Soldiers Of Sunrise", onde clássicos como "Knights Of Destruction" e a música título do álbum, incendiaram os headbangers capixabas.

Enquanto os integrantes do VIPER faziam uma pausa para recuperarem o fôlego, um documentário de 20 minutos mostrando a história e a trajetória da banda, foi passado num telão ao lado do palco.

Ao final do vídeo, ouviu-se os primeiros acordes de "Illusions" que anunciava o início da segunda parte do show, com músicas do que pra mim é o melhor álbum da banda: o "Theatre Of Fate". Vocês devem estar se perguntando por que o show teve uma duração tão longa. Além do vocalista André Matos conversar com o público entre uma música e outra durante quase todo o show, a apresentação dos integrantes da banda durante a execução de "Living For The Night", durou meia hora! Mas foi bem divertida e descontraída. O encerramento desta parte com a arrepiante "Moonlight" e a excelente "Prelude To Oblivion", mostrou que o VIPER continua destruidor como há 25 anos atrás.

O baixo de Pit Passarell deu o tom para o início do bis com músicas do álbum "Evolution" de 1992. Após a intro, começou a música que dá título ao álbum, seguida da ótima "Rebel Maniac". O encerramento foi com chave de ouro: um cover do QUEEN com "We Will Rock You", também do "Evolution", com todo mundo cantando junto. Em outros lugares por onde a turnê já passou, eles também tocaram no bis, as músicas "Crime" e "Spreading Soul", mas devido à longa duração do show, não foi possível executá-las, o que não diminuiu em nada a satisfação de ver e ouvir ao vivo, o clássico VIPER em ação novamente, como nos velhos tempos...

Setlist:

1ª parte: Soldiers Of Sunrise

Intro
Knights Of Destruction
Nightmares
The Whipper
Wings Of the Evil
Signs Of the Night
Killera (Princess Of Hell)
Soldiers Of Sunrise
The Law Of the Sword
H.R.

2ª parte: Theatre of Fate

Illusions
At Least a Chance
To Live Again
A Cry from the Edge
Living for the Night
Theatre Of Fate
Moonlight
Prelude To Oblivion

Bis:

Evolution
Rebel Maniac
We Will Rock You - QUEEN cover

Fotos do show:
https://picasaweb.google.com/104131905548754903611/Viper1310...

Contato: leo@vitoriafc.com.br




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Viper"Todas as matérias sobre "Yesterdaze"Todas as matérias sobre "Broken & Burnt"


Andre Matos: Theocracy faz homenagem ao vocalista no ProgPower USA; assistaRodz Online: 25 Anos de Philips Monsters of Rock 1994 (vídeo)Viper: mais informações sobre histórico show em São PauloViper: banda anuncia turnê de 10 shows com músicos do Shaman

Panelaço: Pit Passarell fala sobre Viper, Andre Matos e muito maisPanelaço
Pit Passarell fala sobre Viper, Andre Matos e muito mais

Viper: anunciada Celebration Tour com convidados e integrantes do Angra e ShamanViper
Anunciada Celebration Tour com convidados e integrantes do Angra e Shaman

Brasil: O crescimento do Dia do Rock e o nascimento do Dia do Metal

Angra & Friends: veja músicos do Angra, Shaman e Viper tocando Carry OnAngra & Friends
Veja músicos do Angra, Shaman e Viper tocando "Carry On"

Andre Matos: uma breve biografia no Memórias do Rock (vídeo)

Viper: 'tiramos' o Bruce Dickinson (Andre) e colocamos o Paul Di'Anno (Pit)Viper
"'tiramos' o Bruce Dickinson (Andre) e colocamos o Paul Di'Anno (Pit)"

Andre Matos: Blaze Bayley é uma lição de humildade que serve a todos nós!Andre Matos
"Blaze Bayley é uma lição de humildade que serve a todos nós!"

Viper: por que se perderam e lançaram até disco pop rock em português?Viper
Por que "se perderam" e lançaram até disco pop rock em português?


Runaways: Jackie Fox conta como foi estuprada por Kim FowleyRunaways
Jackie Fox conta como foi estuprada por Kim Fowley

Mulheres no Rock: resistência em um meio machistaMulheres no Rock
Resistência em um meio machista

Fotos de Infância: Skid RowFotos de Infância
Skid Row

Lemmy: "Eddie Van Halen nunca chegará aos pés de Hendrix!"Oito razões pra dormir com um bateristaRob Halford: "Sou uma relíquia no altar do metal"Axl Rose: qual a cerveja preferida do vocalista?

Sobre Léo Pinto

Capixaba de Vitória, historiador, guia de turismo, fanático por metal, hardcore, punk, rock e todas as suas vertentes, desde 1981 (sim, tenho cabelos e cavanhaque grisalhos, e daí? hehe). Sempre às ordens para resenhar sobre shows, acompanhar bandas em visita à minha cidade e prestar assessoria à imprensa.

Mais matérias de Léo Pinto no Whiplash.Net.