Resenha - Overkill (Opinião, Porto Alegre, 22/08/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Paulo Finatto Jr.
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Os norte-americanos do OVERKILL podem até não integrar o big four do thrash metal, mas possuem praticamente a mesma importância do METALLICA, SLAYER, ANTHRAX ou o do MEGADETH para a música. Com três décadas dedicadas ao estilo e dezessete discos de estúdio, a banda retornou a Porto Alegre para iniciar a curtíssima turnê de duas datas do seu mais recente álbum, intitulado “The Electric Age” (2012), no Brasil. O Opinião recebeu um surpreendente número de fãs – para assistir uma boa performance de pouco mais de 1h30 – e mostrou que a capital gaúcha ainda respira o ar do thrash metal old school.

Foto da chamada: Pierre Cortes

Fotos do show por Liny Rocks (http://www.flickr.com/linyrocks)

Mais fotos podem ser vistas no link abaixo:
833 acessosOverkill: galeria de imagens do show em Porto Alegre

A abertura da noite ficou por conta da banda gaúcha – também de thrash metal – ONE OF THEM. O grupo formada por G.G. Mussi (vocal), Jeff Witt (guitarra), Leo Jamess (guitarra), Alexandre Guterres (baixo) e Z. Ace (bateria) subiu ao palco do Opinião às 21h45 para iniciar o seu trabalho. Os caras executaram boa parte das músicas da sua primeira demo, intitulada “I Am One of Them” (2009), e um pouco das faixas que devem aparecer no seu próximo registro, ainda sem data de lançamento. Embora tenha dividido opiniões, a ONE OF THEM mostrou muita competência em uma performance vibrante de pouco mais de trinta minutos. O resultado foi positivo e reposicionou o quinteto entre os principais representantes do gênero na capital gaúcha.

Com o palco montado e pronto, o OVERKILL entrou em cena pontualmente às 23h para o seu segundo show em terras gaúchas. Na primeira apresentação, em 2001, cerca de apenas trezentas pessoas compareceram ao mesmo Opinião para conferir o grupo em ação. Os anos se passaram e finalmente parece que Bobby “Blitz” Ellsworth (vocal), Dave Linsk (guitarra), Derek Tailer (guitarra), D.D. Verni (baixo) e Ron Lipnicki (bateria) conquistaram o devido reconhecimento por aqui. O público praticamente encheu a casa – em uma semana que ainda teria apresentação do DREAM THEATER dois dias depois – e comprovou que o OVERKILL vive realmente um bom momento em sua carreira. A prova pode ser dimensionada através das faixas de “The Electric Age” (2012), que foram muito bem recebidas pela plateia. A música “Come and Get It” funcionou perfeitamente como abertura e impulsionou “Brig Me the Night”, do elogiado “Ironbound” (2010), como um dos melhores momentos da noite inteira.

O espetáculo proporcionado pelo OVERKILL é intenso e de pouco descanso para os fãs entre as músicas. Com uma performance extremamente enérgica, Bobby “Blitz” Ellsworth cantou praticamente no limite da sua voz durante todo o show. O quinteto realmente se doa aos fãs em cima do palco e o resultado atingido é acima da média, sobretudo quando despontam músicas do quilate de “Elimination”, do álbum “The Years of Decay” (1989). A faixa fez muito sucesso na época – inclusive no Brasil – e era integrante assídua do finado programa televisivo Fúria MTV. Em seguida, a pesadíssima “It Lives”, de “From the Underground and Below” (1997), recheou com ainda mais brilho o show dos norte-americanos.

O único pecado cometido pelo OVERKILL sobre o palco foi realizar um show de poucas surpresas e novidades. A banda é competente – mas mostra um repertório retinho demais e contornado pelas mesmas influências do início ao fim. O que falta é um pouco mais de ousadia para Bobby “Blitz” & Cia. De qualquer modo, o quinteto tirou da cartola uma boa sequência de faixas após a performance de “It Lives”. O primeiro single de “The Electric Age” (2012) – “Electric Rattlesnake” – é uma das poucas músicas do OVERKILL que possui uma pegada diferente. A música funcionou muitíssimo bem ao quebrar o clima repetitivo do espetáculo, assim como a clássica “Hello from the Gutter”, que até de um episódio do desenho Beavis and Butt-head fez parte na década de noventa. O público gaúcho estava na mão do frontman Bobby “Blitz” Ellsworth em momentos como esses.

Os bangers ocupavam boa parte da pista do Opinião e funcionaram como o termômetro perfeito para dimensionar o quanto o show do OVERKILL transcorria excepcionalmente bem. As faixas “Ironbound” e “Save Yourself” mostraram que a velha fórmula do thrash metal perdura e ainda constroi coisas boas nos dias de hoje. Entretanto, a resposta conquistad pelos anos dourados do OVERKILL precisa ser mencionada e melhor destacada. A música “Wrecking Crew” – do álbum “Taking Over” (1989) – foi um momento à parte da noite. A plateia gaúcha foi literalmente ao delírio no instante em que uma parcela dos clássicos do thrash metal oitentista era relembrada no palco do Opinião. A pesadíssima “Necroshine” e a sugestiva e quase punk “Old School” deram sequência ao show que já se encaminhava para a sua parte final. O desgaste de Bobby “Blitz” & Cia. era visível até mesmo de longe.

A clássica “In Union We Stand” encerrou a primeira parte do espetáculo. Para o bis, “Deny the Cross” e “Rotten to the Core” apenas reafirmaram o compromisso do OVERKILL em reproduzir ao vivo um apanhado de toda a sua carreira, sobretudo com músicas dos discos mais antigos, como “Taking Over” (1987) e o debut “Feel the Fire” (1985). Entretanto, foi com o cover do THE SUBHMANS “Fuck You” que Bobby “Blitz” & Cia. que se despediram de Porto Alegre. Os fãs deixaram o Opinião certamente satisfeitos com o que viram. Por outro lado, a banda embarcou para a capital paulista, onde se apresentaria na noite seguinte, com o espírito revigorado. A experiência de presenciar um show do OVERKILL é indispensável para todos aqueles que admiram e acompanham o cenário thrash metal, porque são pouquíssimos os grupos que se doam com tanto afinco para os seus fãs.

Set-list:

01. Come and Get It
02. Bring Me the Night
03. Elimination
04. It Lives
05. Electric Rattlesnake
06. Hello from the Gutter
07. Ironbound
08. Save Yourself
09. Wrecking Crew
10. Necroshine
11. Old School
12. In Union We Stand
13. Deny the Cross
14. Rotten to the Core
15. Fuck You

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 27 de agosto de 2012

Metal HammerMetal Hammer
Revista elege os melhores discos de metal do ano até agora

399 acessosTudo no Shuffle: Thrash Metal, 10 Grandes Riffs439 acessosOverkill: elétricos e agressivos em "The Electric Age"236 acessosOverkill e Crowbar: bandas se juntam para "Metal Alliance Tour"618 acessosOverkill: "I Hear Black", para Bobby Blitz, foi "um equívoco"509 acessosOverkill: Years of Decay soa como se tivesse sido lançado ontem0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Overkill"

Thrash MetalThrash Metal
Álbuns injustiçados nos anos noventa.

2000 a 20022000 a 2002
10 shows/turnês pouco comentados

OverkillOverkill
Mandando recado ao Avenged Sevenfold

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Overkill"0 acessosTodas as matérias sobre "One Of Them"

Bruce DickinsonBruce Dickinson
Punks não sabem tocar e tem inveja do Metal

Guitarras e BaixosGuitarras e Baixos
Perguntas e respostas sobre os instrumentos

Maquiagem, spikes e sorrisosMaquiagem, spikes e sorrisos
Conheça o Happy Black Metal

5000 acessosHetfield: egos, Mustaine, Load e homossexualidade no Metallica5000 acessosEddie: a foto que supostamente inspirou Derek Riggs5000 acessosMetallica: Hammett e Ulrich escolhem álbuns e músicas da década passada5000 acessosKiss: música da banda é responsável pela rebeldia de Bart Simpson2524 acessosSecret: O que os true headbangers from hell andam compartilhando no app?5000 acessosSepultura: novos vídeos da série "o Eloy não é humano"

Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre Paulo Finatto Jr.

Mais matérias de Paulo Finatto Jr. no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online