Eclipse Doom Metal V: como foi o evento no Manifesto em SP

Resenha - Eclipse Doom Metal V (Manifesto, São Paulo, 19/07/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por José Antonio Alves, Fonte: Funeral Wedding
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O Manifesto Rock Bar, em São Paulo, recebeu na fria noite de 19 de julho um dos grandes eventos do gênero Doom Metal em nosso país, o Eclipse Doom Festival V, que contou com as bandas O MITO DA CAVERNA, MORTARIUM e HELL LIGHT. O evento também serviu para o lançamento da coletânea "Doomed Serenades", trabalho pioneiro que reuniu somente bandas brasileiras do estilo como as participantes do festival MORTARIUM e HELL LIGHT, além de IMAGO MORTIS, LACRYMA SANGUINE, entre outras.

Alice In Chains: seria essa a última foto de Staley com vida?De AC/DC a ZZ Top: Origens dos nomes de bandas e artistas de rock

Texto - José Antonio Alves
Fotos - Pierre Cortes

O festival também contaria com a presença da banda de São José Dos Campos LES MÉMORIES FALL, que está presente na coletânea e que acabou cancelando sua apresentação por motivos de saúde, desta forma, por volta das 19 horas, os paulistanos da banda O MITO DA CAVERNA subiram ao palco para a abertura do evento.
A banda teve a ajuda da iluminação para criar um clima sufocante e aflitivo, usando de passagens cadenciadas e de um vocal mais que extremo de Augusto Miranda. Adotando um discurso politizado, notado antes da execução da faixa "Anti-Capital", a banda usa certa influência do Crust mesclada com o Doom Metal que ainda não ganhou nenhum registro no que se refere a álbuns. Com conceitos como "Todo burguês é um parasita", a banda trouxe uma experiência atormentadora que é fruto dos diversos sons distorcidos usados, também considerando-se a postura de palco mais contida (com membros tocando de costas) em total contraste com a performance do vocalista.

Pouco tempo depois foi a vez da banda carioca MORTARIUM executar um pouco de seu Doom Metal. Formado por Vivi Alves (vocal/baixo), Tainá Domingues (vocais guturais/guitarra) e Julie Sousa (bateria), a banda que recentemente liberou um single chamado "The Awakening Of The Spirit" se prepara para a gravação de um EP em breve. Com linhas de baixo bem notáveis que encontram a mistura de vocais limpos e guturais, o som apresentado nos leva a uma viagem composta por cadências e passagens intensas na bateria, como na faixa "The Awakening Of The Spirit". Fechando com a faixa "Celebrity Eternity", o grupo demonstra uma fusão Death/Doom que ganha alguns tons de agressividade em certos momentos.

Para o fechamento do evento, uma das maiores bandas de Funeral Doom Metal atualmente no Brasil, o HELL LIGHT, banda liderada pelos poderosos vocais de Fábio de Paula que com sua guitarra possui a companhia de Alexandre Vida no baixo, e neste show, contou com a estréia do baterista Evandro Camellini. Desde 1996 na estrada, o grupo já abriu dois shows da banda sueca THERION, esta inclusive requisitando a abertura dos paulistas em sua última turnê por terras brasileiras, o que mostra o talento e prestígio da banda. Por mais que não seja simples executar faixas longas com mais de 10 minutos de duração e conseguir prender bem o público, o HELL LIGHT consegue fazer com que apreciemos toda a performance de forma atenciosa, tendo em vista toda a atmosfera criada que é bem intensa, alternando partes vigorosas com outras extremamente melancólicas, unindo bem a ferocidade dos guturais com vocais limpos. Destaque para a incrível e sombria "Funeral Doom" e para a bela faixa "Deep Siderial Silence", estas últimas presentes no álbum "Funeral Doom", de 2008 e que fecharam a apresentação. Quanto aos músicos, uma apresentação louvável, que comtemplou desde os ótimos riffs de guitarra de Fábio, a boa presença de palco do baixista Alexandre Vida e a cozinha "recém-assumida" por Evandro Camellini.

O Doom Metal é um estilo que tem adeptos fiéis, infelizmente não contando com grande divulgação nas mídias do Heavy Metal. Iniciativas como este festival e também a coletânea só surgem para engrandecer ainda mais o trabalho das bandas que seguem este gênero e que trabalham com competência. O público que compareceu pode até não ter lotado o Manifesto, mas sem dúvidas pode desfrutar de uma noite ao melhor estilo "Doom Metal", onde a baixa temperatura ditou os ritmos lentos usados nas canções das bandas que se apresentaram.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "O Mito da Caverna"Todas as matérias sobre "Mortarium"Todas as matérias sobre "HellLight"


Alice In Chains: seria essa a última foto de Staley com vida?Alice In Chains
Seria essa a última foto de Staley com vida?

De AC/DC a ZZ Top: Origens dos nomes de bandas e artistas de rockDe AC/DC a ZZ Top
Origens dos nomes de bandas e artistas de rock

Metal: Mapa revela os países com mais bandas do estiloMetal
Mapa revela os países com mais bandas do estilo

Slash: Saul Hudson explica qual a origem de seu apelidoHelter Skelter: a música que Charles Manson "roubou" dos BeatlesKiss: Paul Stanley explica sua definição para despedidaAlice Cooper: acharam que ele havia feito macumba no Brasil em 1974

Sobre José Antonio Alves

Aventureiro, mochileiro, amante da cultura latina e claro, fã de um dos estilos mais fascinantes deste universo musical: o Heavy Metal!

Mais matérias de José Antonio Alves no Whiplash.Net.