Resenha - MaYaN (Carioca Club, São Paulo, 26/11/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Durr Campos
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Apesar do pouquíssimo tempo de atividades, o grupo holandês de metal sinfônico MaYaN (grafado assim mesmo) já goza de uma turnê mundial nas costas, excursão essa que acaba de passar pelo Brasil em promoção ao seu debut, lançado em maio deste ano. Olhando mais de perto sabemos o porquê. Ou ter em suas fileiras Mark Jansen (EPICA, ex-AFTER FOREVER) e Simone Simmons (EPICA); Henning Basse (METALLIUN); Sander Gommans e Floor Jansen (ex-AFTER FOREVER), dentre outros músicos de renome, não conta a favor?

Epica: banda lança single digital de "Kingdom Of Heaven"Rock e Metal: todo artista tem uma fase vergonhosa

Texto: Durr Campos/ Fotos: Pierre Cortes

No último sábado, dia 26, o Carioca Clube, em São Paulo, recebeu o que vinha sendo anunciado como o "verdadeiro dream team do metal holandês", projeto capitaneado pelo guitarrista/vocalista do Epica, Mark Jansen, além dos renomados Isaac Delahaye (guitarra Epica, ex-God Dethroned), Frank Schiphorst (guitarra Symmetry), Rob van der Loo (baixo ex-Delain, ex-Sun Caged), Jack Driessen (teclado ex-After Forever), Ariën van Weesenbeek (bateria Epica, ex-God Dethroned), além dos vocalistas citados na introdução deste texto. Para quem não sabe, o álbum de estréia do MaYaN, Quarterpast, já está disponível em solo brasileiro via Hellion Records.

Infelizmente não cheguei a tempo de conferir o MELLINNE, responsável pela abertura. Segundo a assessoria de imprensa da produtora do evento, o horário fora alterado, no caso adiantado em uma hora, por solicitação da atração internacional. Não conversei com muitas pessoas após os concertos, mas os que tive contato me informaram que foram prejudicados. Um deles, vindo de Joinville, alegou ter perdido quase 90 minutos de música, enquanto outra fã, paulistana, dizia-se lesada por, nas palavras dela, "não ter visto o set duplo, contando com músicas novas e clássicos do Epica". Não quero aqui promover um julgamento ou tomar quaisquer partidos, por isso caso a Dark Dimensions deseje se pronunciar, fique a vontade para fazê-lo no espaço de comentários deste review.

Cheguei ao local às 19h30, quando o MaYan iniciava "Course of Life", quarta canção do seu repertório. A partir dali o que se viu foram execuções irretocáveis, especialmente por parte do excepcional vocalista alemão Henning Basse, irreconhecível com cabelos escuros. O que esse baixinho canta é qualquer coisa de perfeito! Destaque absoluto para sua performance nas ótimas "Bite the Bullet", "Celibate Aphrodite" e "Sinner's Last Retreat", todas do Quarterpast, além do medley do Iron Maiden contendo "The Number of the Beast", "The Trooper", "Fear of the Dark" e "Run to the Hills", nesta exata ordem. Nem preciso dizer que o Carioca Club veio abaixo cantando os clássicos da donzela, mas pessoalmente achei extremamente desnecessária a escolha de quatro covers - mesmo que tocados resumidamente - ao invés de canções próprias do Epica e/ou do After Forever, como era de se esperar tendo Simone e Floor no palco.

Falando nela, era só Floor Jansen vir mais à frente do palco para a reação do público alcançar níveis incríveis de euforia. O anúncio de sua participação dias antes do espetáculo talvez tenha sido um dos pontos-chave para o sucesso do mesmo. Na prática, a versão de "Follow in the Cry (The Embrace that Smothers, Pt. II)", do clássico Prison of Desire (2000), registro de estreia do After Forever foi, em minha opinião, a parte mais gloriosa do show. Outro momento digno de nota trouxe Simone Simmons e Coen Janssen, vocalista e tecladista do Epica, respectivamente, executando "Cry for the Moon", uma das mais queridas de sua banda original.

Em tempo, impossível encerrar esta resenha sem falar da graciosa intérprete italiana Laura Macri e de seu conhecimento de causa ao cantar ¨Quando me'n vo¨, uma das mais belas obras de Giacomo Puccini, parte de sua ópera Tosca.

Vídeo do MaYan para a música "War On Terror":

Set-list

1. Symphony Of Aggression
2. The Savage Massacre
3. Quarterpast
4. Course Of Life
5. Essenza Di Te
6. Incentive (Epica cover)
7. Celibate Aphrodite
8. Iron Maiden Medley (Iron Maiden cover) (The Number of the Beast, The ... more)
9. Bite The Bullet

Encore:
10. Quando Men' Vo
11. Drown The Demon
12. War On Terror
13. Sinner's Last Retreat
14. Cry for the Moon (Epica cover)
15. Follow in the Cry (After Forever cover)


Outras resenhas de MaYaN (Carioca Club, São Paulo, 26/11/2011)

MaYan: resenha e galeria de fotos em SP pelo Rock Express




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Mayan"Todas as matérias sobre "Epica"


Epica: banda lança single digital de "Kingdom Of Heaven"Epica: Simone Simons em bate papo exclusivo para o BrasilEpica: os 10 anos de Design Your UniverseEpica: lançamento de versão gold para Design Your Universe

2007: 15 discos de rock/metal que completam 10 anos de lançamento2007
15 discos de rock/metal que completam 10 anos de lançamento

Simone Simmons: Tenho cérebro, não sou apenas peitos e bundaSimone Simmons
"Tenho cérebro, não sou apenas peitos e bunda"

Musos do Heavy Metal: Agora é a vez das garotas!Musos do Heavy Metal
Agora é a vez das garotas!


Rock e Metal: todo artista tem uma fase vergonhosaRock e Metal
Todo artista tem uma fase vergonhosa

Rock Progressivo: as 25 melhores músicas de todos os temposRock Progressivo
As 25 melhores músicas de todos os tempos

Homossexualidade: 5 nomes da cena rock/metal que assumiramHomossexualidade
5 nomes da cena rock/metal que assumiram

Rock Progressivo: as 25 melhores músicas de todos os temposSeparados no nascimento: Ozzy Osbourne e Jim CarreyHeavy Metal: o gênero com mais peso e impacto social no planetaMetallica: Discografia comentada - Parte 1

Sobre Durr Campos

Graduado em Jornalismo, o autor já atuou em diversos segmentos de sua área, mas a paixão pela música que tanto ama sempre falou mais alto e lá foi ele se aventurar pela Europa, onde reside atualmente e possui família. Lendo seus diversos artigos, reviews e traduções publicados aqui no site, pode-se ter uma ideia do leque de estilos que fazem sua cabeça. Como costuma dizer, não vê problema algum em colocar para tocar Napalm Death, seguido de algo do New Order ou Depeche Mode, daí viajar com Deep Purple, bailar com Journey, dar um tapa na Bay Area e finalizar o dia com alguma coisa do ABBA ou Impetigo.

Mais matérias de Durr Campos no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336