Poisonblack: Demonstrando profissionalismo em São Paulo

Resenha - Poisonblack (Manifesto Bar, São Paulo, 27/08/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ana Clara Salles Xavier
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Humildade e profissionalismo. Essas duas palavras podem descrever muito bem como foram os shows do POISONBLACK na cidade de São Paulo no último fim-de-semana de Agosto.

5000 acessosQueen: ouça a voz isolada de Freddie Mercury em clássicos5000 acessosMusas inspiradoras: as esposas mais lindas dos rockstars

Na verdade, essas duas características já se fizeram presentes no show da banda de abertura, o FURIA INC. Com VICTOR CUTRALE (vocais), GUSTAVO ROMÃO (guitarra), BRUNO NICOLOZZI (baixo) e NETO ROMÃO (bateria), a banda foi bem recebida pelo público que já estava dentro do Manifesto. As lutas do UFC que estavam sendo transmitidas nos telões da casa deram um clima a mais na apresentação da banda, que mandou porrada atrás de porrada com direito a covers de Walk (PANTERA) e duas do SEPULTURA ("Slave New World" e "Roots Bloody Roots").

O FURIA INC tem muito potencial para seguir em frente e foi gratificante ver que ainda podemos ser bem representados aqui e dentro e, quem sabe, lá fora.

O intervalo entre o show de abertura e a apresentação principal foi marcado por uma discotecagem que deixou muita gente dançando na pista. MARILYN MANSON, DEPECHE MODE, MURDERDOLLS e TYPE O' NEGATIVE foram algumas das bandas que ajudaram a aumentar a ansiedade da galera. E essa ansiedade deve ter aumentado ainda mais quando os integrantes da banda apareceram rapidamente no palco para testar os instrumentos.

Por volta da 1:30 EDU ROX (do LOKAOS ROCK SHOW) subiu ao palco para anunciar a atração mais esperada da noite. E assim, sem firulas VILLE LAIHIALA, ANTII REMES, TARMO KANERVA, MARCO SNECK e ANTTI LEIVISKÄ desceram para o palco do Manifesto e mandaram ver na primeira música.

Com um set list focado mais nas músicas do novo CD, "Drive", músicas recentes como "Piston head", "Casket Case" e a empolgante "Sycophant" fizeram a alegria dos fãs. Mas foram mesmo nas canções antigas que os ânimos se elevaram. Como aconteceu em "Nothing Else Remains" e "Bear the Cross" por exemplo.

Falando pouco mas cantando muito, VILLE LAIHIALA tem uma presença onipotente no palco, talvez pela sua altura. Essa presença só pode ser ofuscada pelo tecladista MARCO SNECK. Com sua cabeleira loira e longa, ele não parou de bangear um minuto sequer durante o show. Fosse música agitada como "Raivotar", ou em alguma mais lenta como "Scars", lá estava ele agitando feito um louco.

Uma observação: na hora do show principal, o som do Manifesto acabou embolando um pouco. Pode ter sido impressão minha, mas perguntei para algumas pessoas que estavam do meu lado e quase todas disseram o mesmo. Mas isso não estragou nem um pouco o ânimo dos fãs. Afinal, era a primeira vez que o POISONBLACK se apresentava por aqui.

A única música do primeiro cd, Escapexstacy, foi "Love Infernal". VILLE aproveitou a introdução da música para apresentar o baixista ANTII REMES. A banda toda é bastante entrosada, mas percebe-se uma aproximação maior entre VILLE e ANTTI. A banda também entrosou muito com o público, que respondia com palmas e danças no melhor estilo "gótico".
VILLE agradeceu várias vezes - em português - e disse que estava gostando muito de estar ali.

Com "Mercury Falling" e "Rush", o POISONBLACK encerrou sua apresentação, que foi simples, porém deixou os fãs com um sorriso no rosto de satisfação garantida.

E quem ainda teve fôlego para encarar o show extra da banda marcado de repente (aposto que muitos fãs foram pegos de surpresa) e que rolou no dia seguinte, pode confirmar o que eu disse ali em cima no primeiro parágrafo: a banda, mesmo com a casa quase vazia fez outro show impecável, sem mudar nada, muito menos a empolgação. Isso sim é profissionalismo!

SET LIST - FURIA INC
"Intro 666 Devil"
"Walk Alone"
"Damage"
"Walk" (PANTERA cover)
"Sons of Anarchy"
"What it Takes"
"Slave New World" (SEPULTURA cover)
"Lights Are Falling"
"The One"
"Roots Bloody Roots" (SEPULTURA cover)
"Screamin' Inside"

SET LIST - POISONBLACK
"Piston Head"
"Casket Case"
"A Good Day for the Crows"
"Sycophant"
"The Living Dead"
"Left Behind"
"Love Infernal"
"Buried Alive"
"Raivotar
"Scars"
"Nothing Else Remains"
"Maggot Song"
"Invisible"
"Soul In Flames"
"Bear The Cross"

ENCORE
"Mercury Falling"
"Rush"

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Poisonblack (Manifesto Bar, São Paulo, 27/08/2011)

573 acessosPoisonblack: uma apresentação digna e impecável em SP

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Sentenced"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Poison Black"0 acessosTodas as matérias sobre "Furia Inc"0 acessosTodas as matérias sobre "Sentenced"

QueenQueen
Ouça a voz isolada de Freddie Mercury em clássicos

MusasMusas
As esposas mais lindas dos rockstars

Gosto duvidosoGosto duvidoso
As piores capas da história do Rock e Heavy Metal

5000 acessosSteve Vai: O dia em que ele foi humilhado por Chimbinha5000 acessosBrian May: "eu não sabia que Freddie era Gay"5000 acessosMarilyn Manson: vocalista revela suas estranhas fobias sexuais5000 acessosEdguy: "nunca disse que odeio os EUA", diz Tobias Sammet5000 acessosWhitesnake: se eu gozasse sorvete minha vida seria perfeita5000 acessosPaul Di'Anno: Bruce Dickinson é um grande homem e vocalista

Sobre Ana Clara Salles Xavier

Ana Clara Salles, 24 anos, paulistana. Fã do Guns n' Roses, Black Label Society, Judas Priest, Led Zeppelin e Beatles, no seu acervo musical tem espaço também para bandas dos anos 80 como Sisters of Mercy e Depeche Mode. Afinal, como já disse uma vez Friedrich Nietzsche: "sem música, a vida seria um erro".

Mais matérias de Ana Clara Salles Xavier no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online