Ian Anderson no RJ: sua flauta é mágica e encanta

Resenha - Ian Anderson (Citibank Hall, Rio de Janeiro, 15/05/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Erick Carvalho de Mello
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

“We’ll go walking out while others shout of war’s disaster.
Oh, be forgiving, let’s go living in the past.” - Living in the Past, Jethro Tull.

2837 acessosMetallica: fiasco com Lady Gaga tão positivo quanto com o Tull5000 acessosJerry Lee Lewis: o dia em que ele quase matou John Lennon

Quinze de maio de dois mil e onze. Certamente este dia ficará marcado por muitos e muitos anos em minha mente pelo deleite musical apresentado pelo Senhor Ian Anderson em terras cariocas. O show do eterno frontman do Jethro Tull no Citibank Hall apresentou um espetáculo dos mais memoráveis que presenciei em minha vida. Não apenas por ser um grande fã de Ian e de todas as músicas do Jethro Tull, mas pelo carisma de Ian, seus maneirismos e, sobretudo, sua intimidade com o palco e com a plateia. Sua flauta é mágica e encanta.

E falando em plateia, não podemos deixar de dizer como os fãs de Jethro Tull são heterogêneos. É igualmente prazeroso e estranho reparar que o público pagante ontem no Citibank Hall variava de adolescentes a coroas na casa dos 60 anos. Gerações de avós, pais e netos juntos em suas cadeiras esperando o incansável Ian Anderson encantá-los com sua flauta. E coloque incansável nisso! Ian Anderson não parava um segundo sequer! Desde o bombástico e nostálgico início do show com Living in the Past até o grandioso final, Ele não parou um minuto no palco, sempre com suas piadas, danças, saltos e as tradicionais jogadas de perna ao ar enquanto empunhava sua proverbial flauta.

Já sinto falta de Ian Anderson, essa é a verdade. Logo após "Living in the Past", "Up to me" veio para me empolgar de tal forma que o show já estava quase completo pra mim. Mas não! Ian ainda tinha vários coelhos na cartola, ou uma lebre, bem verdade, como na bela canção "Hare in the Wine Cup". No entanto, o que levantou mesmo a plateia arrancando aplausos de pé foram as incríveis versões de "Bourée" e "Thick as a Brick" que vieram logo em seguida. E quando tudo parecia estar fora do controle dos meros mortais, Ian Anderson atacou mais uma vez com "Songs from the wood" e "Budapest", uma das músicas mais hipnotizantes já criadas pelo Sr Anderson. Nada poderia ser melhor, exceto a incrível versão de "Aqualung" que esse ano completa 40 anos de seu lançamento, idade muito mais avançada que a maioria dos fãs ali presentes (eu incluso), fato notado por Ian com grande senso de humor, devo dizer.

O encerramento ficou por trás do bis com uma versão avassaladora de "Locomotive Breath" que não apenas empolgou os fãs como os motivou a deixarem as amarras das cadeiras e se dirigirem a borda do palco para sentirem as emanações de Ian Anderson bem de perto e por uma última vez.

Um verdadeiro flautista mágico.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Ian Anderson (Citibank Hall, Rio de Janeiro, 15/05/2011)

629 acessosIan Anderson: boa parte da história do rock no RJ

MetallicaMetallica
O fiasco com Lady Gaga foi tão positivo quanto com o Jethro Tull

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Jethro Tull"

News.com.auNews.com.au
Guns, Floyd, Lynyrd e Van Halen são os melhores solos?

Iron MaidenIron Maiden
Steve Harris fala da influência do Jethro Tull

Metal MedievalMetal Medieval
Confira 10 bandas de temáticas medievais

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Jethro Tull"

Jerry Lee LewisJerry Lee Lewis
O dia em que ele quase matou John Lennon

Eduardo e MônicaEduardo e Mônica
Uma análise do maior sucesso da Legião Urbana

Iron MaidenIron Maiden
Curiosidades sobre o álbum "Live After Death"

5000 acessosFotos de infância: rockstars em constrangedoras fotos de anuário5000 acessosAvenged Sevenfold: A mudança no visual com o passar dos anos5000 acessosRoger Moreira: Polêmica no Twitter após comentário infeliz sobre assédio5000 acessosKiko Loureiro no Megadeth: Meses depois, algo de bom saindo de uma noite desastrosa5000 acessosIron Maiden: curiosidades sobre o álbum "Live After Death"4107 acessosVenom: a desaforada carta de rejeição da EMI

Sobre Erick Carvalho de Mello

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online