Katatonia: Grupo cheio de vigor e energia em show memorável

Resenha - Katatonia (Hangar 110, São Paulo, 27/02/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Maria Fernanda Cals
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.











Quando o show do KATATONIA foi anunciado no Brasil, confirmando boatos que já rolavam há meses, inicialmente houve uma pequena confusão de datas - o evento aparecia como marcado para o dia 28 de fevereiro, uma segunda-feira, o que causou estranheza inicial. Ainda assim, os fás repetiam: "vou de qualquer jeito". Logo depois, consertou-se o pequeno erro e a data correta foi revelada: 27 de fevereiro, um domingo. Perfeito para quem queria ver um show dos caras há mais de 20 anos e que acompanha a carreira do grupo sueco desde os primórdios. Os fãs não decepcionaram e lotaram o Hangar 110, tradicional casa de shows paulistana.

Fotos: Felipe A. de Araujo

Produzido pela agência Sob Controle, a mesma que trouxe ao Brasil bandas como Opeth e Paradise Lost, o evento contou com a abertura do grupo Of The Archaengel, de dark metal, que acaba de lançar seu debut, "The Extraphysicallia".

Após um ótimo DVD do Motörhead (mas que, na hora, parecia interminável), as cortinas enfim abriram-se, e a banda foi aclamada sob o som de gritos, aplausos e muita emoção. O set iniciou-se com "Day and Then the Shade", primeiro single do mais recente disco, "Night is the New Day". Deste mesmo álbum foram selecionadas também as faixas "Liberation", "Onward Into Battle", "Idle Blood" e "Forsaker".

O set incluiu, em sua maior parte, músicas da fase mais recente do grupo (a partir do álbum "Discouraged Ones"). Alguns destaques ficaram por conta de "My Twin", "July", "Omerta", "Teargas" e "Evidence". As surpresas foram apresentadas no segundo bis: "Without God" e "Murder", que fechou com chave de ouro a noite. Após o show, alguns dos integrantes ainda desceram para tirar fotos, dar autógrafos e conversar com os fãs.

Um show memorável, que trouxe aos palcos brasileiros um Katatonia cheio de vigor e energia, como pouco se viu mesmo em registros oficiais da banda, como o DVD "Live Consternation" (gravação do show de 2006 da banda no festival alemão Summerbreeze). O público também deu um show à parte, sempre presente e cantando todas as letras. O único ponto fraco fica para a escolha do local. Apesar do Hangar 110 ser um ponto conhecido e contar com uma qualidade sonora boa, a casa ficou cheia demais, o que gerou certo desconforto. O Katatonia e seu público mereciam uma casa maior. De toda forma, foi uma noite que entrou para sempre na memória da banda e de seus fãs.

Setlist:

1. Day and Then the Shade
2. Liberation
3. My Twin
4. Onward Into Battle
5. The Longest Year
6. Soil's Song
7. Omerta
8. Teargas
9. Saw You Drown
10. Idle Blood
11. Ghost of the Sun
12. Evidence
13. Criminals
14. July

Bis:
15. For My Demons
16. Forsaker
17. Leaders

Bis 2:
18. Without God
19. Murder


Outras resenhas de Katatonia (Hangar 110, São Paulo, 27/02/2011)

Katatonia: "a audiência mais barulhenta de toda a turnê!"



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Katatonia"Todas as matérias sobre "Of The Archaengel"


HailMetal.com: Os cinqüenta melhores álbuns de Death MetalHailMetal.com
Os cinqüenta melhores álbuns de Death Metal


Lemmy Kilmister: A opinião da lenda sobre Sharon Osbourne e Iron MaidenLemmy Kilmister
A opinião da lenda sobre Sharon Osbourne e Iron Maiden

Gilby Clarke: Axl me disse aproveite seu último showGilby Clarke
Axl me disse "aproveite seu último show"

Mulheres: 10 músicas que ajudarão a conquistá-lasMulheres
10 músicas que ajudarão a conquistá-las

Rockstars: 18 roqueiros que já apareceram em filmesMegadeth: Dave explica por que não tocar "The Conjuring"AC/DC: Malcolm Young e a juventude que mora em nósFoo Fighters: Dave explica por quê demitiu o 1º baterista da banda

Sobre Maria Fernanda Cals

Carioca, nascida em 1984 sob o signo de escorpião, é musicista. Além disso, trabalha também com jornalismo, publicidade, webwriting e webdesign/programação. É visitante assídua de portais dedicados ao rock e heavy metal e fã das bandas Opeth, Behemoth, Katatonia, Dark Funeral, Belphegor, dentre outras.

Mais matérias de Maria Fernanda Cals no Whiplash.Net.