Matérias Mais Lidas

imagemRegis Tadeu explica porque Sandy não deve cantar músicas do Metallica

imagemOs Raimundos traíram os Titãs? Sérgio Britto comenta e conta a versão dele

imagemA banda de rock que impressionou Paulo Ricardo e o fez ver grandeza do estilo em São Paulo

imagemAndreas Kisser opina sobre a reunião do Pantera, que começou nesse sábado

imagemLars Ulrich poderia tocar músicas do Rush com Geddy Lee e Alex Lifeson?

imagemNoel Gallagher revela o rockstar que ficou mais impressionado de conhecer pessoalmente

imagemA estratégia do Barão Vermelho para evitar críticas de copiar Titãs nos anos 1990

imagemO surpreendente disco que Tom Morello considera um dos melhores de todos os tempos

imagemNoel Gallagher relembra o dia em que foi ao show de uma banda cover de Oasis

imagemMetallica: o que Regis Tadeu achou de "Lux Aeterna", nova música da banda?

imagemGene Simmons admite que "Ace estava certo" sobre o Kiss no começo dos anos 80

imagemApós incidente, Axl Rose anuncia mudança nos shows do Guns N' Roses

imagemBeatles: Ringo Starr conta como foi o seu último encontro com John Lennon

imagemVeja Sandy cantando Metallica na TV Globo em programa de Marcos Mion

imagemCinco discos de heavy metal para ouvir sem pular nenhuma faixa


Summer Breeze
Samael Hypocrisy

Metallica: energia e uma aura de empatia sobrenatural

Resenha - Metallica (Parque Condor, Porto Alegre, 28/01/2010)

Por Amir R. De Toni Jr.
Fonte: Collector's Room
Postado em 01 de fevereiro de 2010

Eram 21:46 da noite de quinta-feira, 28 de janeiro de 2010, quando o rock 'n' roll mudou a minha vida novamente. Ao ver Clint Eastwood levantando o rosto nos três telões à minha frente, todo o cansaço e dores resultantes de quase dez horas em pé simplesmente desapareceram, como que aliviadas pelo grito de mais de 26 mil pessoas. Meu primeiro show de verdade começava.

E durou uma eternidade aquela corrida frenética em busca do ouro, os olhos correndo entre o telão central, com uma resolução absurda, e o palco, em busca de algum dos integrantes da banda. Num dos extremos do palco um vulto foi equipado com seu instrumento, um baixo. E antes que pudesse gritar alguma coisa, as luzes se acenderam sobre a bateria e Lars acenava para o público. Eu estava tão aturdido que não consegui me concentrar na música que abria o show, apenas me perguntando se aquilo era mesmo real. Eu via centenas de braços na minha frente e ao meu lado, sentia que uma multidão pulava mas eu não estava sendo esmagado contra a grade. Então entendi que estava no local certo, num dos cantos da grade da pista comum, onde não seria sufocado pela massa, onde conseguia pular e tocar todos os air instruments sem agredir ninguém. E enquanto "Creeping Death" terminava, já haviam pessoas sendo atendidas nos corredores entre as áreas do show. Desmaios, entorses, crises de asma derrubavam metaleiros antes do fim da primeira música.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Quando o primeiro sino soou percebi que estava mesmo ali e que uma das músicas que eu tanto desejava ouvir despejava vigorosamente do som, alto e claro. Berrei e pulei como nunca poderia ter feito em outra ocasião, sentindo uma liberdade e uma comunhão difícil de explicar. E quando "For Whom.." terminou foi como se um sino tivesse caído nos meus ombros, pareceu-me que eu desmaiaria sobre a grade. Por sorte havia um vendedor passando ali e gesticulei por uma garrafa da água (R$7).

A garrafa da água e a exaustão que eu sentia me tiraram a atenção durante algum tempo, que depois eu descobri ter sido suficiente para perder duas músicas. Mas quando soaram os primeiros acordes de "Fade to Black" eu já não sentia nenhum mal-estar. Evitei cantar ou mandar qualquer solo tão cedo. As duas músicas do "Death Magnetic" que se seguiram me deram tempo para respirar mais fundo e pensar no que viria logo adiante. E o Metallica foi extremamente feliz (e eu muito mais) na escolha do que veio depois. "The Day That Never Comes" foi um enorme presente. Eu poderia jurar que James Hetfield ouviu aquela letra que eu urrei descontroladamente, e quando ele puxou uma conversa com galera sobre "heavy music" a imensa maioria dos presentes soube que vinha "Sad But True", seguida por "Cyanide", outra bela pedida do último álbum.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Então as luzes se apagaram e as metralhadoras rugiram. Em um intro irretocável, com lança-chamas e dezenas de explosões o Metallica executou a majestosa "One". E sem querer perder o pique recebendo uma merecidíssima ovação a banda disparou a sua jóia da coroa "Master of Puppets". Eu realmente desejei que houvessem cordas para me mover naquele instante, o esforço de gritar e 'tocar' aquelas duas músicas tinha me transformado num farrapo humano. E eu balbulciei um 'Não pode..' quando "Battery" se anunciava para me atingir em cheio, com mais lança-chamas.

Se em algum momento um show do Metallica pode ser ruim, digo que é quando não se tem quem abraçar bem forte pra murmurar "Nothing Else Matters". James teve a audácia de deixar todos os pobres mortais da pista comum babando pela palheta estilizada da "World Magnetic Tour" antes de liquidar a fatura, com fogos de artifício e mais lança-chamas, executando "Enter Sandman".

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Não houve muito tempo para respirar antes do bis. O riff de "The Frayed Ends of Sanity" me surpreendeu e confundiu, já que todas as minhas expectativas apontavam para algo mais curto e vibrante. E não foi "Fuel" que eu ouvi em seguida, mas algo que veio para finalmente liquidar minhas articulações, "Die, Die My Darling". Não bastando esse petardo, "Phantom Lord" deixou muita gente (eu inclusive) sem saber o que pensar. Depois de mais de uma hora e quarenta minutos de show o Metallica resgata um dos grandes trunfos daquele thrash metal vigoroso de quase três décadas atrás. "Seek & Destroy" foi o aguardado e merecido tiro de misericórdia. Já não havia mais pescoço, joelho ou espírito que não pedisse por descanso. Depois vieram os presentinhos pros VIPs, palhetas, baquetas e afins. Os agradecimentos, a gafe de James (que ele já havia cometido no início do show, se eu ouvi bem), enfim.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

E no final reuni os pensamentos para olhar para aqueles caras, que haviam me proporcionado a noite mais recompensadora que eu consigo imaginar. Percebendo como James soa mais 'caipira' e humano ao vivo do que nos DVDs. Como ele tenta transmitir um espírito de comunhão para o público, instigando uma festividade intensa e pacífica. Como Kirk Hammet sorria ao final de cada música, com uma sinceridade tão emocionante quanto sua virtuose nos (nem tão) pequenos solos que costurou entre as canções. Como Lars Ulrich parece um criança, feliz por mostrar a língua e golpear sem dó peles e pratos e falando palavrões no agradecimento. Como Robert Trujillo cumpre seu papel e faz o possível para empolgar o público com suas posturas exóticas e a girada insandecida com o baixo ao final do show. Como aquelas quatro seres humanos parecem dotados de uma energia e uma aura de empatia sobrenatural.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

P.S: Ponto positivo para a fraternidade dos metaleiros. Um espectador da VIP prestou atenção aos meus gritos antes do início do show e veio conversar com um amigo meu sobre a camiseta com o brasão de Porto Alegre que era vendida na loja do evento. E ele pegou o dinheiro (R$70) e foi em direção à loja. Os 'Staff' do show riram da 'inocência' do meu amigo, que entregara tamanha quantia a um estranho. E em dois minutos ele retornou com a camiseta em mãos. Se você, caro espectador VIP, é leitor do Whiplash, eu te saúdo!


Outras resenhas de Metallica (Parque Condor, Porto Alegre, 28/01/2010)

Resenha - Metallica (Parque Condor, Porto Alegre, 28/01/2010)

Resenha - Metallica (Parque Condor, Porto Alegre, 28/01/2010)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Siga Whiplash.Net: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube

Receba as novidades do Whiplash.Net por WhatsApp


Stamp


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Lars Ulrich poderia tocar músicas do Rush com Geddy Lee e Alex Lifeson?

Metallica: o que Regis Tadeu achou de "Lux Aeterna", nova música da banda?

Regis Tadeu explica porque Sandy não deve cantar músicas do Metallica

Veja Sandy cantando Metallica na TV Globo em programa de Marcos Mion

James Hetfield sobre "Load" e "Reload": "Pareceu forçado"

James Hetfield sobre o "St. Anger": "Pelo menos é honesto"

Lars Ulrich diz que membros do Metallica são irmãos que ele nunca teve

James Hetfield comenta como a fama afeta as pessoas como um vício

"A masculinidade tóxica alimentou esta banda", diz Kirk Hammett sobre o Metallica

Novo clipe do Metallica ultrapassa 5 milhões de views em dois dias

Metallica: se você achou caro o pacote do Titãs, fuja dos preços da turnê de Hetfield & Cia

Charlie Benante não sabia de tour do Metallica com o Pantera

Cinco discos de heavy metal para ouvir sem pular nenhuma faixa

A importância da ex-esposa de James Hetfield em sua luta contra o alcoolismo

Metallica: e se "Lux Aeterna" estivesse no "... And Justice For All"?

Quem vendeu mais discos no Brasil, Metallica ou Iron Maiden?

Queen: e se Dio, Serj, Dickinson e outros cantassem "Bohemian Rhapsody"?

Metallica: Coisas que talvez você não saiba sobre o novo álbum

Aerosmith: curiosidades sobre a voz de Steven Tyler

Os dez maiores picaretas da música internacional


Sobre Amir R. De Toni Jr.

20 e poucos anos, engenheiro. Começou muito tarde no rock, aos 17 anos, com "The Dark Side of The Moon" e não conseguiu mais parar. Pink Floyd, Rush, Metallica, Dream Theater e Rammstein em bom volume são o sinal de que está em casa. A vontade de ser músico é suprida com resenhas e invencionices no www.figment.cc.

Mais matérias de Amir R. De Toni Jr..