Resenha - Blaze Bayley (Ópera 1, Curitiba, 09/01/2009)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por André Molina
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.




Afirmar que Blaze Bayley é o pior vocalista que passou pelo Iron Maiden é o clichê mais comum no cenário do heavy metal mundial. É como dizer que o Black Sabbath só apresenta qualidade na fase Ozzy. Os fãs iniciantes da donzela dificilmente admitem que o terceiro vocalista da banda contribuiu para reforçar o estilo que foi originado no final da década de 70 pela formação que contava ainda com Paul Di’anno e se consolidou no decorrer da década de 80 com Bruce Dickinson. Infelizmente muitos desses admiradores não quiseram “abrir a cabeça” para conhecer o novo trabalho de Blaze e perderam a apresentação do cantor na segunda sexta-feira do ano (09 de janeiro) no Ópera 1, em Curitiba.

Fotos: André Molina

Quem presenciou o show de Blaze, foi embora satisfeito. O ex-vocalista do Iron Maiden incluiu, em seu repertório, clássicos da fase em que cantou na donzela e as principais canções de seus quatro discos solos de estúdio, que agradaram bastante a platéia de aproximadamente 400 pessoas.

A apresentação foi a segunda da turnê nacional para divulgar o álbum “The Man Who Would Not Die”. Antes de fazer o show em Curitiba, Blaze se apresentou em Maringá: município localizado no norte do Paraná. É incrível como as canções novas, mesmo sem ainda serem divulgadas em território nacional tenham conquistado os fãs. A maioria dos admiradores conhecia as canções por causa da internet.

Ao contrário das apresentações do primeiro cantor do Iron Maiden, Paul Di’anno, o vocalista Blaze Bayley demonstra que não vive na sombra da donzela. O público apresenta a mesma receptividade às canções do primeiro disco solo de Blaze ("Silicon Messiah") e aos clássicos dos álbuns “X Factor” e “Vitual XI” do Iron Maiden. O público não responde positivamente só às canções da donzela.

O show de Curitiba começou depois da meia noite. Apesar do atraso, o público não ligou muito. Estava marcado para o ex-vocalista do Iron Maiden subir ao palco às 23 horas. Como não poderia deixar de ser, Blaze começou a apresentação com canções do novo CD, apresentando “The Man Who Would Not Die” e em seguida “Blackmailer” e “Smile Back At Death”. É necessário mencionar que as primeiras canções do show serviram para o ajuste do som, que no início estava com uma má qualidade.

Após apresentar de maneira breve canções do último disco, o cantor presenteou os fãs curitibanos com o primeiro clássico do Iron Maiden. Sem muita cerimônia, a banda do ex-Iron Maiden executou fielmente o arranjo de “The Clansman”. Quem estava com saudades de ouvir ao vivo o Maiden com Blaze, pôde se satisfazer com o principal clássico desta fase.

Em seguida, a banda intercalou canções da carreira solo de Blaze e do Iron Maiden, apresentando um setlist bem equilibrado. Após “Clansman”, foi executado “The Launch”, do disco solo de estréia “Silicon Messiah”, “Lord Of The Flies” do álbum “The X-Factor” (primeiro disco do Maiden com Blaze nos vocais) e “Leap Of Faith” (primeira música do repertório do CD "Tenth Dimension").

Até o momento, o show que não estava nem na metade já tinha compensado o preço do ingresso (R$40,00). Blaze ainda cantou “The Edge Of Darkness” (uma das canções mais obscuras de "X Factor"), “Voices From The Past” e “Vírus”, que foi uma das grandes surpresas do repertório. Apesar de ser um pouco lenta, a canção agitou bastante a platéia.

Em seguida, ainda foram apresentadas “Alive” do álbum “Blood & Belief”, “Identity” e “Kill & Destroy”.

O resumo da carreira de Blaze continuou com “Stare At The Sun”, do disco “Silicon Messiah” e “Samurai” (faixa do disco novo).

No final do show, o ex-vocalista do Iron Maiden manteve a qualidade do repertório com uma canção para acalmar um pouco os ânimos dos fãs. A clássica “The Sign Of The Cross” foi executada perfeitamente pela nova banda de Blaze Bayley. Posteriormente ele aproveitou a ocasião para cantar uma das melhores canções de sua carreira solo: a pesada “Born As A Stranger”, do inspirado disco “Silicon Messiah”. Para fechar bem o show, Blaze demonstrou vigor ao interpretar “Man On The Edge” (música que consagrou Blaze na donzela) e “Ten Seconds”, de “Blood & Belief”.

Se fosse para dar uma nota, a apresentação mereceria 9,5 devido a ausência da música “The Brave”, do repertório. Se sua cidade está na rota da extensa turnê brasileira de Blaze, não perca. É um show para não ser esquecido.

Repertório:
The Man Who Would Not Die
Blackmailer
Smile Back At Death
The Clansman
The Launch
Lord Of The Flies
Leap Of Faith
The Edge Of Darkness
Voices From The Past
Virus
Alive
Identity
Kill e Destroy
Futureal
Stare At The Sun
The Sign Of The Cross
Born As Stranger
Man On The Edge
Ten Seconds

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Iron MaidenIron Maiden
Show do Ghost é melhor, diz reportagem

384 acessosIron Maiden: Iron Maiden Ex Libris aborda as letras da donzela401 acessosThunderstick: ex-batera do Samson e Iron Maiden lançará novo disco0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Iron Maiden"

Iron MaidenIron Maiden
Ouça a bateria de Clive Burr isolada

Iron MaidenIron Maiden
As guitarras de Adrian Smith

Iron MaidenIron Maiden
Fã recria show em Lego Stop-Motion

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Blaze Bayley"0 acessosTodas as matérias sobre "Iron Maiden"

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Steven Tyler, do Aerosmith, muito antes da fama

Marilyn MansonMarilyn Manson
"Sou o monstro do Lago Ness! Sou o Bicho Papão!"

SlayerSlayer
Fãs hardcore dão (literalmente) o sangue pela banda

5000 acessosCapas de álbuns: algumas curiosidades e histórias5000 acessosTop 10: dez roqueiros que se foram aos 27 anos de idade5000 acessosVocalistas: Os 10 melhores da história do rock5000 acessosGlenn Danzig: "apanhei de propósito", diz sobre vídeo5000 acessosAerosmith: tocante homenagem a Chris Cornell com "Dream On"5000 acessosGuns N' Roses: Axl Rose se aposentará após turnê de reunião?

Sobre André Molina

André Molina é jornalista, economista e começou a ouvir heavy metal ainda quando era criança. Tem 30 anos de idade e Rock 'n' Roll é sua religião.

Mais matérias de André Molina no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online