Orquídea Negra: ex-integrantes e show histórico em Lages

Resenha - Orquídea Negra (Teatro Marajoara, Lages, 14/09/2008)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Carolina Brand
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Uma vez entrei na Roots Records em Florianópolis e fiquei impressionada com a relíquia que encontrei: o vinil "Who´s Dead?" do Orquídea Negra (1992). A banda lageana é uma das pioneiras do metal catarinense e no último dia 14 de setembro deu um verdadeiro presente para os antigos e novos fãs: um show histórico com o reencontro dos integrantes da formação original, extinguida em 1993 com a saída de Fernando Ferpa e em 1995 de André Boca. Era justamente a época em que as músicas do citado LP estavam na boca do povo.

5000 acessosPresença de Palco: dicas para iniciantes5000 acessosMusic Radar: Os melhores álbuns de Heavy Metal de todos os tempos

André Boca, Fernando Ferpa Tavares, Marcelo Mena Menegotto, Robson Anadon e Vinicius Porto subiram ao palco do Teatro Marajoara em Lages por volta das 19h40, após a aplaudida apresentação da banda convidada Brasil Papaya, de Florianópolis. Por mais de uma hora, cerca de 400 fãs, amigos, convidados que viajaram quilômetros e conterrâneos que foram prestigiar, se emocionaram numa apresentação nostálgica que relembrou as duas décadas do Orquídea e reviveu clássicos da banda.

A presença de alguns ex-integrantes na platéia foi lembrada, assim como os primeiros shows da banda e o antigo clipe, mostrados no telão durante a apresentação. O inusitado foi ver o Robinho tocando guitarra e teclado, como antigamente, e o Boca carregando o extinto cabelo no bolso. Detalhes a parte, o show não só deixou o público boquiaberto como levantou todo mundo das cadeiras, dominando a frente do palco para assistir de perto e colocar a cabeleira para chacoalhar. Não tinha a mesma graça assistir sentado.

No repertório estavam as músicas "Wonderful and Lost", "Christmas Night", "I’m Calling For You Soul", "Hunting Devil", "It’s Easy to Remember", "Mr. Powerful", "Run to the Hell", "Miss You", "Surrender" em versão acústica (com acompanhamento de violinos) e versão clássica, "The Darkness", "The Unknow", "Touch Your Dream" e "Children of the Damned".

Para quem tem lá seus 20 e tantos anos foi uma emoção poder relembrar clássicos como “Surrender” e “Miss You”, que não só fazem parte da história do metal catarinense como também marcam o início de carreira dessa grande banda que serviu de exemplo e incentivou outras a lutarem pelos seus objetivos e mostrarem a sua música.

Para falar mais sobre este reencontro ninguém melhor do que Robson Anadon, nosso querido Robinho, que também lançou oficialmente o IV Orquídea Rock Festival que acontecerá nos dias 12, 13 e 14 de dezembro em Lages:

De onde surgiu a idéia desse reencontro dos integrantes originais? Esse é um projeto provisório ou pretende-se seguir a lendária Orquídea Negra por longo tempo?

Bom, isso já vinha com o tempo sendo cogitado, não pela banda, mas por muitos fãs que pediam para ver o Boca de volta conosco. Fomos amadurecendo esta idéia e conversando, e resolvemos convidar também o Ferpa para fazer um show ainda mais especial, homenageando o primeiro trabalho da banda. Nossa idéia é manter a banda assim daqui pra frente, o que é a preferência da maioria dos fãs.

Como está sendo o contato entre os músicos, como é o relacionamento de vocês após tantos anos? Continuavam amigos mesmo não tocando mais juntos ou a reaproximação foi somente profissional?

Nosso relacionamento é super tranqüilo, sempre tocamos juntos por todos esses anos (Marcelo, Vinicius e Robson), já tivemos outra banda com o Ferpa e outra com o Boca também. Sempre continuamos amigos, então foi uma coisa super simples de se fazer, não foi meramente profissional.

O retorno do Orquídea Negra foi como o esperado? Qual a sensação da banda em relação ao seu público?

Sobre o retorno com esta formação, eu diria e acho que a banda diria o mesmo, foi mais do que o esperado. A reação do público foi espetacular como você mesma pôde constatar, em cada rosto que olhávamos de cima do palco víamos um grande sorriso estampado, quase maior que os nossos.

A banda com anos de estrada participou ativamente de diversas fases de seu público e como conseqüência vi pessoas com variações bruscas de idade na platéia. Qual é a cara do Orquídea Negra hoje, após o seu retorno? Consegue atingir grupos diferentes e agradar o público fiel ou conquistou uma nova legião de fãs?

Sem dúvida alguma, no último domingo pudemos ver pais que já eram fãs da Orquídea a anos com seus filhos lá curtindo, isso não tem preço, e ambos curtindo de igual para igual. Já podemos dizer que isto está passando de pai para filho. Queremos estar quem sabe no futuro agitando três gerações. E a cara da Orquídea Negra é essa, uma cara muito feliz e satisfeita por conseguir atingir grupos diferentes, agradando os fãs antigos, os novos e cada vez conquistando mais.

Qual a sensação de sair da performática apresentação como baixista e assumir a guitarra e os teclados? Houve reação dos fãs quanto a essa alteração na banda?

A princípio pode parecer estranho, até mesmo para mim, pois, assumi o posto de baixista de 1993 até então. Os fãs mais novos que estranharam mais, estavam acostumados a me ver apenas no baixo, muitos nem sabiam que eu já havia tocado guitarra e teclado na banda. Mas é uma coisa natural, sempre rolam os comentários positivos ou negativos, mas nada que nos impeça de fazer um bom trabalho.

Robinho conclui bem o evento e a entrevista com um comentário que mostra o clima da nova fase do Orquídea Negra:

Pode ter certeza que o que fazemos, fazemos com nossos corações e pensando nas pessoas que nos têm seguido por todos estes anos. Continuaremos sempre tentando dar o melhor de nós para elas, levando uma música feita com qualidade e paixão.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Orquídea Negra"

Metal CatarinenseMetal Catarinense
10 bandas para se conhecer [Parte 1]

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Orquídea Negra"


Presença de PalcoPresença de Palco
Dicas para iniciantes

Music RadarMusic Radar
Os melhores álbuns de Heavy Metal de todos os tempos

Rock e MetalRock e Metal
E se as capas dos álbuns fossem honestas?

5000 acessosQueen: ouça a voz isolada de Freddie Mercury em clássicos5000 acessosGuns N' Roses: transtorno bipolar, a doença de Axl Rose5000 acessosMorbid Angel: "banda satânica, eu jamais voltaria", diz Sandoval5000 acessosElvis Presley: De que ele morreu?5000 acessosRob Halford: a opinião do cantor sobre o vocal gutural1502 acessosAerosmith: as dez piores músicas da banda

Sobre Carolina Brand

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online