Avantasia: Em São Paulo, show para cantar junto até ficar sem voz

Resenha - Avantasia (Credicard Hall, São Paulo, 22/06/2008)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago El Cid Cardim
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

"Do caralho, São Paulo", disse um Tobias Sammet - mais conhecido como o irreverente frontman do grupo alemão Edguy - um tanto apreensivo com a frase em português ensinada em cima da hora pelo amigo André Matos (Angra/Shaman), em pleno palco do Credicard Hall, em São Paulo. O impacto que ela causou, no entanto, foi explosivo. A platéia da única apresentação do projeto paralelo Avantasia realizada no Brasil repetiu a expressão inúmeras vezes durante o show, em saudação ao verdadeiro dream team do metal melódico/power metal que desfilou pela casa de shows paulistana em quase duas horas de música. E quer saber? Não poderiam estar mais certos. Foi do caralho. Mr.Sammet.

Motorhead: Segundo Lemmy Kilmister, "Rap não é música"Metal contra o câncer: festival aceita "cabelo" como ingresso

Quem tinha qualquer dúvida a respeito do resultado desta empreitada, a cristalização ao vivo das bem-sucedidas canções conceituais de Tobias em três álbuns repletos de convidados especiais, teve que engolir em seco o impacto e a vida própria que as faixas adquiriram ali, cara a cara com um bando de cabeludos com aquela energia típica dos brasileiros. Foi uma paulada, para cantar - e berrar, sejamos sinceros - junto até ficar sem voz.

Ok, qualquer fã (incluindo este que vos escreve) adoraria ver o time completo das bolachas originais se revezando aos microfones, de David DeFeis a Alice Cooper, passando por Roy Khan, Kai Hansen, Timo Tolkki e pelo não menos lendário Michael Kiske. Mas todos nós sabemos que conciliar tantas agendas assim seria impossível (e eu gostaria muito de ver alguém conseguir convencer Kiske a tocar ao vivo com uma banda de heavy metal...). Todavia, Sammet se saiu muito bem com os poucos gogós privilegiados que o acompanharam.

Na abertura, logo após a climática "Twisted Mind", o excelente Jorn Lande (ex-Masterplan) juntou-se a ele numa dobradinha em "The Scarecrow" e "Another Angel Down", ambas do terceiro disco. A dupla ainda duelaria para saber quem faz mais agudos por minuto em "Promised Land" (do EP "Lost in Space 2") e também na porradeira "Serpents in Paradise", do primeiro "Metal Opera".

Ao lado do sempre presente Matos, o edguy cantou "Reach Out for the Light", "No Return" e "Shelter From the Rain" (na qual o brasileiro fez as vezes do ídolo Kiske, de maneira bem competente e sem exageros) - isso sem esquecer a tantas vezes solicitada "Inside", com André e Tobias entoando praticamente à capela, apenas com um coral de milhares de vozes e o teclado delicado de Miro Rodenberg. E o carismático Oliver Hartmann (At Vance), que além de cantar também tocou guitarra durante todo o show, deu o ar da graça na maior parte das canções, com destaque para a deliciosa dor de cotovelo hard rock de "I Don't Believe in Your Love" (que eu continuaria entoando por toda a segunda-feira, devo admitir).

No entanto, mesmo com tantos astros brilhando no Credicard Hall, não dá para negar que o próprio Tobias Sammet foi a presença mais marcante, gostem seus detratores ou não. Se nas apresentações do Edguy ele já domina o palco com talento ímpar, nesta turnê do Avantasia temos um Tobias que não poderia estar mais à vontade. Ainda mais saltitante e provocativo ("Não sei, mas acho que os argentinos fizeram mais barulho do que vocês..."), o vocalista encontrou nas músicas épicas e com as mais diferentes possibilidades de interpretação o espaço para ser ainda mais performático. Sim, isso é possível. Careteiro e brincalhão, teatral e quase bonachão, ele não parava um minuto, agitando os braços, girando a haste do microfone ou provocando os colegas de banda. Agitando a bandeira do Brasil num mastro, honrou o mestre Bruce Dickinson e teve o seu momento "The Trooper" particular.

Antes de "The Story Ain't Over", desculpou-se pela ausência de Bob Catley, dizendo que preferiu manter a canção que vem sendo executada durante toda a turnê do que retirá-la do setlist. "Não vou cantar tão bem quanto ele, mas prometo fazer o meu melhor", confessou, em um momento de canastrice extrema e pura falsa modéstia. Mais tarde, antes de "Lost in Space", revelou que teve uma intoxicação alimentar no Chile e, depois de vomitar um pouco, tinha a impressão de que sua voz não estava 100%. "Perdoem-me, mas vamos continuar mesmo assim". E aproveitou para desabafar e cutucar os "críticos" pentelhos que tanto disseram que a música, primeiro single de "The Scarecrow", seria uma peça meramente comercial. "Eu gosto muito desta canção, e a acho muito boa. Aliás, é claro que é boa, porque é uma música do Avantasia", disparou, com um largo sorriso. "E tenho certeza que todos vocês vão cantar comigo a plenos pulmões". Pois é. Acertou na mosca. Onde estavam os freqüentadores de fóruns que começaram a chamá-lo de "Bom Jovi germânico" naquele exato momento...?

No bis, o casacão e a cartola serviram para evocar o espírito de Alice Cooper na sombria "The Toy Master", que o acompanha na música original. E não é que Sammet deu conta de tudo sozinho, fazendo uma voz específica para as partes de Cooper e outra para as suas próprias, criando um evento deveras interessante? A seguir, outro momento vindo diretamente do primeiro álbum, e também muito solicitado pelos admiradores. Saindo do cantinho de backing vocal que dividiu o tempo todo com Claudy Young, a loiríssima Amanda Sommerville (que de gordinha não tem nada, vá!) veio para os holofotes e, muitíssimo aplaudida, fez com Tobias o tocante dueto de "Farewell" - que, no final, ainda deu espaço para a dupla cantar sozinha, sem qualquer instrumento acompanhando, para delírio da galera.

Quando começou "Sign of the Cross", o público explodiu em alegria, e o líder do Avantasia viu, com nítida satisfação estampada no rosto, aquelas milhares de pessoas cantando sozinhas as primeiras estrofes. Ele então interrompeu a cantoria, apresentando longamente - e com muito bom humor - cada um dos presentes ao seu lado, incluindo o baixista Robert Hunecke-Rizzo, o guitarrista (e produtor) Sascha Paeth e o baterista grandalhão Felix Bohnke, seu parceiro de Edguy e com quem fez a piada habitual sobre o tamanho reduzido de suas partes baixas...E prometeu: "Esta é a primeira e única vez que fazemos isso, e não poderíamos deixar de passar por aqui. Vocês foram nosso melhor público. Saibam que, se um dia voltarmos a fazer uma turnê do Avantasia, com certeza estaremos aqui". Então, com Lande, Matos, Sommerville e Hartmann, mesclou "Sign of The Cross" com o poderoso e irresistível refrão de "The Seven Angels", a faixa que abre o segundo "Metal Opera". Um final apoteótico e merecido. Sim. Um show que ficará mesmo na memória.

É, seu Tobias. Foi mesmo do caralho. Para ser "do grande caralho", faltava apenas você bater aquele papo com o Kiske. Tenta lá. Vai que cola? :-)

Line-up:
Tobias Sammet, André Matos, Jorn Lande, Amanda Sommerville e Claudy Young (vocalistas)
Oliver Hartmann (vocalista e guitarrista)
Sascha Paeth (guitarrista)
Robert Hunecke-Rizzo (baixista)
Felix Bohnke (baterista)
Michael "Miro" Rodenberg (tecladista)
Setlist:
Twisted Mind
The Scarecrow
Another Angel Down
Reach Out for the Light
Inside
The Story Ain't Over
Shelter From the Rain
Lost in Space
I Don't Believe in Your Love
Avantasia
No Return
Serpents in Paradise
Promised Land

Bis:
The Toy Master
Farewell
Medley: Sign of the Cross/The Seven Angels




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Avantasia"


Top 10: Álbuns conceituaisTop 10
Álbuns conceituais

Edguy, Avantasia: Tobias Sammet e os álbuns que mudaram a sua vidaEdguy, Avantasia
Tobias Sammet e os álbuns que mudaram a sua vida

2016: os 5 discos mais decepcionantes de rock/metal do ano2016
Os 5 discos mais decepcionantes de rock/metal do ano


Motorhead: Segundo Lemmy Kilmister, Rap não é músicaMotorhead
Segundo Lemmy Kilmister, "Rap não é música"

Metal contra o câncer: festival aceita cabelo como ingressoMetal contra o câncer
Festival aceita "cabelo" como ingresso

Megadeth: os 10 bens mais preciosos de Dave MustaineMegadeth
Os 10 bens mais preciosos de Dave Mustaine

Felipe Andreoli: "Se você quiser se arriscar a ligar para o ex-cantor do Angra..."AC/DC: prostitutas revelam as esquisitices de Phil RuddNightwish: Floor e a dificuldade em lidar com lado suave da bandaVan Halen: Análise vocal de Sammy Hagar

Sobre Thiago El Cid Cardim

Thiago Cardim é publicitário e jornalista. Nerd convicto, louco por cinema, séries de TV e histórias em quadrinhos. Vegetariano por opção, banger de coração, marvete de carteirinha. É apaixonado por Queen e Blind Guardian. Mas também adora Iron Maiden, Judas Priest, Aerosmith, Kiss, Anthrax, Stratovarius, Edguy, Kamelot, Manowar, Rhapsody, Mötley Crüe, Europe, Scorpions, Sebastian Bach, Michael Kiske, Jeff Scott Soto, System of a Down, The Darkness e mais uma porrada de coisas. Dentre os nacionais, curte Velhas Virgens, Ultraje a Rigor, Camisa de Vênus, Matanza, Sepultura, Tuatha de Danaan, Tubaína, Ira! e Premê. Escreve seus desatinos sobre música, cinema e quadrinhos no www.observatorionerd.com.br e no www.twitter.com/thiagocardim.

Mais informações sobre Thiago El Cid Cardim

Mais matérias de Thiago El Cid Cardim no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336