Resenha - Avantasia (Credicard Hall, São Paulo, 22/06/2008)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Thiago El Cid Cardim
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

“Do caralho, São Paulo”, disse um Tobias Sammet – mais conhecido como o irreverente frontman do grupo alemão Edguy - um tanto apreensivo com a frase em português ensinada em cima da hora pelo amigo André Matos (Angra/Shaman), em pleno palco do Credicard Hall, em São Paulo. O impacto que ela causou, no entanto, foi explosivo. A platéia da única apresentação do projeto paralelo Avantasia realizada no Brasil repetiu a expressão inúmeras vezes durante o show, em saudação ao verdadeiro dream team do metal melódico/power metal que desfilou pela casa de shows paulistana em quase duas horas de música. E quer saber? Não poderiam estar mais certos. Foi do caralho. Mr.Sammet.

5000 acessosO futuro do Rock nacional: bandas autorais devem "se tocar"5000 acessosMetal: As bandas mais expressivas surgidas nos últimos 15 anos

Quem tinha qualquer dúvida a respeito do resultado desta empreitada, a cristalização ao vivo das bem-sucedidas canções conceituais de Tobias em três álbuns repletos de convidados especiais, teve que engolir em seco o impacto e a vida própria que as faixas adquiriram ali, cara a cara com um bando de cabeludos com aquela energia típica dos brasileiros. Foi uma paulada, para cantar – e berrar, sejamos sinceros - junto até ficar sem voz.

Ok, qualquer fã (incluindo este que vos escreve) adoraria ver o time completo das bolachas originais se revezando aos microfones, de David DeFeis a Alice Cooper, passando por Roy Khan, Kai Hansen, Timo Tolkki e pelo não menos lendário Michael Kiske. Mas todos nós sabemos que conciliar tantas agendas assim seria impossível (e eu gostaria muito de ver alguém conseguir convencer Kiske a tocar ao vivo com uma banda de heavy metal...). Todavia, Sammet se saiu muito bem com os poucos gogós privilegiados que o acompanharam.

Na abertura, logo após a climática “Twisted Mind”, o excelente Jorn Lande (ex-Masterplan) juntou-se a ele numa dobradinha em “The Scarecrow” e “Another Angel Down”, ambas do terceiro disco. A dupla ainda duelaria para saber quem faz mais agudos por minuto em “Promised Land” (do EP “Lost in Space 2”) e também na porradeira “Serpents in Paradise”, do primeiro “Metal Opera”.

Ao lado do sempre presente Matos, o edguy cantou “Reach Out for the Light”, “No Return” e “Shelter From the Rain” (na qual o brasileiro fez as vezes do ídolo Kiske, de maneira bem competente e sem exageros) – isso sem esquecer a tantas vezes solicitada “Inside”, com André e Tobias entoando praticamente à capela, apenas com um coral de milhares de vozes e o teclado delicado de Miro Rodenberg. E o carismático Oliver Hartmann (At Vance), que além de cantar também tocou guitarra durante todo o show, deu o ar da graça na maior parte das canções, com destaque para a deliciosa dor de cotovelo hard rock de “I Don't Believe in Your Love” (que eu continuaria entoando por toda a segunda-feira, devo admitir).

No entanto, mesmo com tantos astros brilhando no Credicard Hall, não dá para negar que o próprio Tobias Sammet foi a presença mais marcante, gostem seus detratores ou não. Se nas apresentações do Edguy ele já domina o palco com talento ímpar, nesta turnê do Avantasia temos um Tobias que não poderia estar mais à vontade. Ainda mais saltitante e provocativo (“Não sei, mas acho que os argentinos fizeram mais barulho do que vocês...”), o vocalista encontrou nas músicas épicas e com as mais diferentes possibilidades de interpretação o espaço para ser ainda mais performático. Sim, isso é possível. Careteiro e brincalhão, teatral e quase bonachão, ele não parava um minuto, agitando os braços, girando a haste do microfone ou provocando os colegas de banda. Agitando a bandeira do Brasil num mastro, honrou o mestre Bruce Dickinson e teve o seu momento “The Trooper” particular.

Antes de “The Story Ain't Over”, desculpou-se pela ausência de Bob Catley, dizendo que preferiu manter a canção que vem sendo executada durante toda a turnê do que retirá-la do setlist. “Não vou cantar tão bem quanto ele, mas prometo fazer o meu melhor”, confessou, em um momento de canastrice extrema e pura falsa modéstia. Mais tarde, antes de “Lost in Space”, revelou que teve uma intoxicação alimentar no Chile e, depois de vomitar um pouco, tinha a impressão de que sua voz não estava 100%. “Perdoem-me, mas vamos continuar mesmo assim”. E aproveitou para desabafar e cutucar os “críticos” pentelhos que tanto disseram que a música, primeiro single de “The Scarecrow”, seria uma peça meramente comercial. “Eu gosto muito desta canção, e a acho muito boa. Aliás, é claro que é boa, porque é uma música do Avantasia”, disparou, com um largo sorriso. “E tenho certeza que todos vocês vão cantar comigo a plenos pulmões”. Pois é. Acertou na mosca. Onde estavam os freqüentadores de fóruns que começaram a chamá-lo de “Bom Jovi germânico” naquele exato momento...?

No bis, o casacão e a cartola serviram para evocar o espírito de Alice Cooper na sombria “The Toy Master”, que o acompanha na música original. E não é que Sammet deu conta de tudo sozinho, fazendo uma voz específica para as partes de Cooper e outra para as suas próprias, criando um evento deveras interessante? A seguir, outro momento vindo diretamente do primeiro álbum, e também muito solicitado pelos admiradores. Saindo do cantinho de backing vocal que dividiu o tempo todo com Claudy Young, a loiríssima Amanda Sommerville (que de gordinha não tem nada, vá!) veio para os holofotes e, muitíssimo aplaudida, fez com Tobias o tocante dueto de “Farewell” – que, no final, ainda deu espaço para a dupla cantar sozinha, sem qualquer instrumento acompanhando, para delírio da galera.

Quando começou “Sign of the Cross”, o público explodiu em alegria, e o líder do Avantasia viu, com nítida satisfação estampada no rosto, aquelas milhares de pessoas cantando sozinhas as primeiras estrofes. Ele então interrompeu a cantoria, apresentando longamente – e com muito bom humor - cada um dos presentes ao seu lado, incluindo o baixista Robert Hunecke-Rizzo, o guitarrista (e produtor) Sascha Paeth e o baterista grandalhão Felix Bohnke, seu parceiro de Edguy e com quem fez a piada habitual sobre o tamanho reduzido de suas partes baixas...E prometeu: “Esta é a primeira e única vez que fazemos isso, e não poderíamos deixar de passar por aqui. Vocês foram nosso melhor público. Saibam que, se um dia voltarmos a fazer uma turnê do Avantasia, com certeza estaremos aqui”. Então, com Lande, Matos, Sommerville e Hartmann, mesclou “Sign of The Cross” com o poderoso e irresistível refrão de “The Seven Angels”, a faixa que abre o segundo “Metal Opera”. Um final apoteótico e merecido. Sim. Um show que ficará mesmo na memória.

É, seu Tobias. Foi mesmo do caralho. Para ser “do grande caralho”, faltava apenas você bater aquele papo com o Kiske. Tenta lá. Vai que cola? :-)

Line-up:
Tobias Sammet, André Matos, Jorn Lande, Amanda Sommerville e Claudy Young (vocalistas)
Oliver Hartmann (vocalista e guitarrista)
Sascha Paeth (guitarrista)
Robert Hunecke-Rizzo (baixista)
Felix Bohnke (baterista)
Michael "Miro" Rodenberg (tecladista)
Setlist:
Twisted Mind
The Scarecrow
Another Angel Down
Reach Out for the Light
Inside
The Story Ain't Over
Shelter From the Rain
Lost in Space
I Don't Believe in Your Love
Avantasia
No Return
Serpents in Paradise
Promised Land

Bis:
The Toy Master
Farewell
Medley: Sign of the Cross/The Seven Angels

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Avantasia"

Michael KiskeMichael Kiske
A importância de Sammet no seu retorno ao Metal

AvantasiaAvantasia
Gafes durante show na Alemanha; confira em vídeo

Unisonic & EdguyUnisonic & Edguy
Michael Kiske trollando Tobias Sammet

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Avantasia"

O futuro do Rock nacionalO futuro do Rock nacional
Bandas autorais devem "se tocar"

MetalMetal
As bandas mais expressivas surgidas nos últimos 15 anos

SemelhançaSemelhança
Alguns vocalistas de rock com vozes quase iguais

5000 acessosQuais são os rockstars mais chatos do mundo?5000 acessosSlash: guitarrista enumera seus 10 riffs favoritos5000 acessosEsquire: Integrantes do Metallica fingem ser do Led Zeppelin5000 acessosMetallica: Hetfield elege as suas dez músicas favoritas5000 acessosTitãs: "Nheengatu" e as incríveis coincidências nas capas2308 acessosMetallica: os maiores riffs da banda pelo Ultimate-Guitar

Sobre Thiago El Cid Cardim

Thiago Cardim é publicitário e jornalista. Nerd convicto, louco por cinema, séries de TV e histórias em quadrinhos. Vegetariano por opção, banger de coração, marvete de carteirinha. É apaixonado por Queen e Blind Guardian. Mas também adora Iron Maiden, Judas Priest, Aerosmith, Kiss, Anthrax, Stratovarius, Edguy, Kamelot, Manowar, Rhapsody, Mötley Crüe, Europe, Scorpions, Sebastian Bach, Michael Kiske, Jeff Scott Soto, System of a Down, The Darkness e mais uma porrada de coisas. Dentre os nacionais, curte Velhas Virgens, Ultraje a Rigor, Camisa de Vênus, Matanza, Sepultura, Tuatha de Danaan, Tubaína, Ira! e Premê. Escreve seus desatinos sobre música, cinema e quadrinhos no www.observatorionerd.com.br e no www.twitter.com/thiagocardim.

Mais informações sobre Thiago El Cid Cardim

Mais matérias de Thiago El Cid Cardim no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online