Resenha - Megadeth (Credicard Hall, São Paulo, 06/06/2008)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Lucas Dantas, Fonte: iG Musica
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Cada vez mais o Megadeth se mostra como o grupo de um homem só. Seria injusto dizer que os músicos não correspondem, mas Dave Mustaine é a alma e a essência da banda que completa 23 anos de carreira em 2008 e registra mais de 25 milhões de discos vendidos ao redor do mundo. E foi a nova e competente tropa de Mustaine que desembarcou em São Paulo na noite de 06 de junho, para mais um show memorável no Credicard Hall. Por várias razões...

316 acessosMarty Friedman: ouça "Miracle", single do novo álbum solo5000 acessosSeparados no nascimento: Sarah Jessica Parker e o mascote Eddie

Foto da chamada: Alexandre Cardoso

Sem banda de abertura, o Megadeth subiu no palco às 22h20min tocando “Sleepwalker”, a música que inicia seu novo CD, “United Abominations”, lançado no ano passado. O som estava um pouco embolado e a guitarra de Mustaine não se fazia ouvir bem. Enquanto cantava, ele sinalizava para os roadies e apontava para o instrumento indicando algum problema. O público, por sua vez, só queria saber de pular e cantar junto.

Com músicos bem à vontade, a seqüência inicial sacudiu a casa emendando quase sem nenhuma pausa "Wake Up Dead", "Take no Prisioners" e "Skin O' My Teeth". Esta última cantada em alto e bom som pelo público.

O Credicard Hall não estava lotado, mas a pista não parou um minuto sequer no início e empolgava os músicos, ainda que estivessem cansados após virem de Curitiba para São Paulo de ônibus.

Quando ia começar a sexta música, Mustaine se irritou de vez e ficou tocando a guitarra sozinho para mostrar que o som não estava bom, mostrando que o problema era com seu transmissor sem fio. Assim que os primeiros acordes de "Kick The Chair" foram tocados ele se retirou do palco e deixou a banda terminar a introdução para sair em seguida. Cerca de 10 minutos se passaram até que alguém da produção avisasse ao público que os músicos retornariam em breve. Quase 20 minutos depois Mustaine retoma a música de onde parou e segue o show até o final. O público talvez não saiba, mas esse problema custou o corte de "Gears of War" do set original, além de eliminar os discursos de Mustaine nos intervalos das músicas. A banda acelerou para poder tocar tudo.

Os integrantes novos se mostraram extremamente eficientes, com destaque para o guitarrista Chris Broderick, que fez todos os solos idênticos aos álbuns, respeitando cada nota de seus antecessores. Em "Tornado Of Souls", o grande teste para cada guitarrista que entra no Megadeth, a sensação era de estarmos ouvindo o próprio criador do solo, Marty Friedman. O baixista James Lomenzo era o mais empolgado dos músicos, correndo de um lado para o outro, e o baterista Shawn Drover, o mais "antigo" dos novos, improvisou em algumas partes, mas nunca perdeu o ritmo e ainda fez seu solo em "Ashes In Your Mouth".

O show foi baseado nos discos "United Abominations", "Countdown to Extinction" e no clássico "Rust In Peace". O primeiro CD, "Killing Is My Business", e o grande fracasso comercial da banda, "Risk", não tiveram faixas incluídas no set de 17 músicas.

"Ashes in Your Mouth" foi a grande surpresa da noite, mas foi em "A Tout Le Monde" que o público soltou a voz. No segundo refrão, Mustaine saiu do microfone e deixou o Credicard Hall mostrar que sabe pelo menos umas quatro frases em francês. As novas "Washington is Next" e "Burnt Ice" foram bem recebidas pelo público, embora a primeira ainda sofresse do problema com a guitarra de Mustaine, além de um estranho sobe e desce da voz.

Com clássicos como "In My Darkest Hour", "Hangar 18" e "Sweating Bullets", o Megadeth fez muito bem o seu papel e seguiu o protocolo. O set foi certeiro para agradar os fãs e, tirando o problema técnico, a banda não cometeu erros.

O show se encerrou com o já clássico encore com "Shymphony of Destruction", "Peace Sells" e a arrebatadora "Holy Wars", tocada de forma mais rápida e que abriu várias rodas na pista.

Mustaine agradeceu a presença e a paciência do público e a banda se retirou sem nenhum bis. Um show bem mais curto do que o de 2005, mas que dificilmente deixou algum fã insatisfeito. Parafraseando o refrão de "Peace Sells", todos saíram pensando "if there's a new show, I'll be the first in line".

Set list

Sleepwalker
Wake Up Dead
Take No Prisioners
Skin O' My Teeth
Washington is Next
Kick The Chair
In My Darkest Hour
Hangar 18
She-Wolf
A Tout Le Monde
Tornado Of Souls
Ashes In Your Mouth
Burnt Ice
Sweating Bullets
Shymphony of Destruction
Peace Sells... But Who's Buying?
Holy Wars

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Megadeth (Credicard Hall, São Paulo, 06/06/2008)

4146 acessosResenha - Megadeth (Credicard Hall, São Paulo, 06/06/2008)1605 acessosResenha - Megadeth (Credicard Hall, São Paulo, 06/06/2008)

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

MegadethMegadeth
Dave Mustaine classifica os guitarristas da banda

316 acessosMarty Friedman: ouça "Miracle", single do novo álbum solo3311 acessosMetallica: e se James Hetfield cantasse no Megadeth?0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Megadeth"

Dave MustaineDave Mustaine
O que acontece quando você o encontra pela primeira vez?

EllefsonEllefson
Demo do Metallica teve mesmo impacto que álbum do Judas

MegadethMegadeth
Com quantas baquetas se faz um álbum de estúdio?

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Megadeth"

SeparadosSeparados
Sarah Jessica Parker e o mascote Eddie

Rock ProgressivoRock Progressivo
As 25 melhores músicas de todos os tempos

Iron MaidenIron Maiden
Bruce Dickinson diz não haver muito diálogo na banda

5000 acessosSeparados no nascimento: Sarah Jessica Parker e o mascote Eddie5000 acessosRock Progressivo: as 25 melhores músicas de todos os tempos5000 acessosIron Maiden: Bruce diz não haver muito diálogo na banda5000 acessosHeavy Metal: os vinte melhores álbuns da década de 805000 acessosRandy Rhoads: como era ter aulas de guitarra com ele2801 acessosQ Magazine: as canções que mudaram o mundo

Sobre Lucas Dantas

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online