Matérias Mais Lidas

imagemPaul Di'Anno detona Regis Tadeu após vídeo em que critica seu encontro com Iron Maiden

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemStjepan Juras retruca comentário de Regis Tadeu sobre reencontro de Di'Anno e Harris

imagemA dura crítica de Angus Young a Led Zeppelin, Jeff Beck e Rolling Stones em 1977

imagemFãs protestam contra Claustrofobia após banda fazer versão de música do Pantera

imagemGeezer Butler, Heavy Metal e a clássica canção do Black Sabbath inspirada por Jesus

imagemA banda de forró que uniu Nenhum de Nós, Legião, Titãs e Paralamas na mesma música

imagemMorre Andy Fletcher, tecladista e membro fundador da banda Depeche Mode

imagemComo era a problemática relação do Angra no "Aurora Consurgens", segundo produtor

imagemZakk Wylde relembra ídolo: "tão relevante quanto Bach, Beethoven e Mozart"

imagemComo foram os últimos meses de Renato Russo e a causa da sua morte

imagemA apaixonada opinião de Elton John sobre "Nothing Else Matters", clássico do Metallica

imagemIron Maiden: Bruce fala sobre groupies; "parei de transar com elas quando me apaixonei"

imagemAC/DC: Angus Young recorda como fazia para ouvir rock em seus tempos de garoto

imagemJohn Bonham, Keith Moon ou Charlie Watts, quem era o melhor segundo Ginger Baker?


Glenn Hughes: "The Voice Of Rock" pela primeira vez em Curitiba

Resenha - Glenn Hughes (Ópera 1, Curitiba, 24/10/2007)

Por André Molina
Em 27/10/07

A capital paranaense teve a oportunidade de presenciar pela primeira vez um show do lendário ex-baixista do Deep Purple, Glenn Hughes. Apelidado de "The Voice of Rock", o músico, que também cantou na fase Hard Rock do Black Sabbath em 1986, apresentou um repertório com canções de toda a sua trajetória. O evento aconteceu em uma quarta-feira, 24 de outubro, e atraiu um limitado e ansioso público de 600 pessoas na casa noturna Ópera 1.

Com muito vigor, Hughes tocou e cantou ao lado dos músicos JJ Marsh (guitarra), Ed Roth (teclado) e Stephen Stevens (bateria). A apresentação fez parta da turnê para divulgar o disco "Music For The Divine" (2006). Como não poderia deixar de ser, as canções que mais envolveram os fãs, do tradicional Hard Rock, foram os clássicos dos discos "Burn", "Stormbringer" e "Come Taste The Band", do Deep Purple. O show só não foi perfeito devido à ausência de uma canção do disco "Seventh Star", do Black Sabbath. A obra deveria ter sido lembrada. O lendário músico executou 11 canções. Parece pouco, mas como de costume, os arranjos eram prolongados com improvisos.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

A apresentação começou pontualmente às 23h com uma vigorosa versão de "Stormbringer". Nos primeiros minutos, o público percebeu que Glenn está em forma, com sua voz em perfeito estado. A vantagem é a experiência. O ex-Deep Purple está cantando melhor do que no conhecido show "Califórnia Jamming", gravado em 1974.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Para o público não perder o embalo, a banda soltou mais um clássico do Purple. A segunda faixa de "Burn", "Might Just Take Your Life", foi executada com total fidelidade. Com uma formação simples, o grupo de Hughes demonstrou que não veio para inventar. Quem estava presente, percebeu que as canções apresentavam arranjos iguais aos originais, mas com mais peso.

Em seguida, a canção executada foi "Land Of The Living", que antecedeu a clássica "Mistreated". Na ocasião, Hughes aproveitou para falar com o público. "Essa é a primeira canção que fiz para o ´Burn´. É uma música de amor. Quero que vocês cantem". No decorrer da apresentação, o músico elogiou diversas vezes o Brasil. "Eu amo esse país. As pessoas brasileiras são lindas", repetiu algumas vezes. Hughes recorria ao tecladista para conversar com o público. Ele é filho de brasileira e sabe se "virar" com a língua portuguesa.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Do último trabalho de estúdio, a banda executou "You Got Soul" e "Steppin’ On". As novas composições também agradaram o público e expuseram o autêntico Hard Rock funkeado, que Hughes começou a desenvolver com mais nitidez no disco "Come Taste The Band". Foi fácil perceber que a maioria do público se envolveu com as canções novas, sem conhecer. Fora os títulos do Deep Purple, os trabalhos solos do baixista são raros no mercado fonográfico brasileiro.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Na segunda metade do show, o repertório priorizou canções do trabalho solo "Soul Mover" (2005) e "Come Taste The Band", do Purple. Em "Don’t Let Me Bleed", Glenn lamentou uma relação amorosa frustrada. "Essa canção é sobre uma namorada que fugiu com um amigo meu. Depois de 30 anos eu a encontrei e agradeci por ter fugido", desabafou. Em diversos momentos o "Voice of Rock" demonstrou que é sentimental. Depois da pesada balada, o público voltou a fazer coro para "You Keep On Movin’", e o show começou a transparecer que estava no fim.

Depois de 9 canções, A banda encerrou formalmente a apresentação e voltou para o esperado bis. Sem muita cerimônia, Glenn Hughes retornou ao palco para apresentar "Soul Mover". Em seguida, os fãs ficaram anestesiados com a esperada "Burn". É incrível como a canção envolveu os mais jovens, com aproximadamente 18 anos, os antigos fãs da década de 70 e até os técnicos de som e roadies, que se movimentavam sem parar em volta do palco. Os agudos de Mr. Hughes no refrão impressionaram pelo vigor. É de fazer inveja a David Coverdale e, principalmente, Ian Gillan.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Depois do grandioso encerramento, Hughes se despediu de maneira breve e deixou o público com gosto de quero mais. "Sweet Dreams", disse a lenda do rock.

Abertura e fechamento de gala

As bandas que se apresentaram antes e depois de Glenn Hughes no Ópera 1 fizeram bonito. Os catarinenses do Perpetual Dreams subiram ao palco, às 22h, para apresentar seu heavy metal melódico com influências do Hard Rock Oitentista. Com um trabalho autoral, o grupo demonstrou que a cidade de Blumenau tem heavy metal de qualidade. O Perpetual priorizou os discos anteriores "Eyes Of Insanity" e "Arena". Além das canções próprias, a banda ainda executou temas instrumentais de Yngwie Malmsteen, e a cover do Whitesnake, "For Your Loving", conquistando de vez a simpatia do público que esperava Hughes.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

A missão dos curitibanos do Motoroccker também não foi fácil. A banda subiu ao palco, após a apresentação do ex-baixista do Deep Purple, com um público bem menor, mas não se abateu. Não faltaram covers do AC/DC, Black Sabbath e canções do disco autoral "Igreja Universal do Reino do Rock". Na metade da apresentação, o vocalista Marcelus aproveitou para agradecer a oportunidade. "É uma honra tocar na mesma noite da apresentação de uma das maiores vozes do rock. O velho está cantando muito", disse.

Repertório de Glenn Hughes:

Stormbringer
Might just take your life
Land of the livin
Mistreated
You got soul
Don’t let me bleed
Gettin Tighter
Steppin’ on
You keep on movin’

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Soul mover
Burn

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Glenn Hughes: ele deseja o melhor ao "esquisitão" Blackmore



Sobre André Molina

André Molina é jornalista, economista e começou a ouvir heavy metal ainda quando era criança. Tem 30 anos de idade e Rock 'n' Roll é sua religião.

Mais matérias de André Molina.