Uriah Heep: A nostalgia marcou um irrepreensível show

Resenha - Rock in Concert Brazil (Via Funchal, São Paulo, 28/09/2006)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Alexandre Cardoso
Enviar correções  |  Ver Acessos

Salário Mínimo
Salário Mínimo
Salário Mínimo
Salário Mínimo
Pedra
Pedra
Pedra
Pedra
Uriah Heep
Uriah Heep
Uriah Heep
Uriah Heep
Uriah Heep
Uriah Heep
Uriah Heep
Uriah Heep

A terceira edição do Rock in Concert Brazil, um festival que sempre primou pela igual participação de bandas nacionais ao lado de bandas gringas, não teve o público que o evento merece. Talvez por acontecer numa quinta-feira e começar num horário em que muita gente ainda está saindo do trabalho ou enfrentando o trânsito de São Paulo, o número de expectadores era pouco expressivo durante a apresentação da primeira banda, o Tropa de Shock, veteranos da cena metal nacional. Justamente pelos problemas acima citados, não pude assistir o show do Tropa e peço desculpas à banda e aos fãs por não poder comentar sua participação no evento.

Fotos: Lidiane dos Santos e Alexandre Cardoso

Pouco depois das 21:30 hs foi a vez do Salário Mínimo subir ao palco. A banda, que surgiu no final da década de 70 e voltou à ativa em 2004, após ter encerrado as atividades em 1990, é de grande importância no cenário nacional. Com seu hard rock de muita qualidade e cantado em português, a banda aproveitou muito bem seus 30 minutos de show, tocando de forma empolgante e superando com garra os problemas no som; os destaques foram os clássicos "Beijo Fatal" e "Cabeça Metal".

O Pedra foi a próxima atração da noite. Mesmo sendo uma banda nova, o som dos caras é muito maduro, de muita pegada, forte influência de bandas setentistas e também cantado em português. Contando com membros do Patrulha do Espaço na formação (o vocalista/guitarrista/tecladista Rodrigo Hid baixista Luiz Domingues), a banda é completada pelos ótimos Xando Zupo (guitarra) e Ivan Scartezini (bateria). A música feita pelo Pedra é agradável e acessível - e isso não significa que seja daquele tipo descartável que as rádios fazem questão de tocar. Se tiver a divulgação que merece, com certeza o Pedra terá o reconhecimento que merece.

Os gritos pelo Uriah Heep já começaram durante o show do Pedra; afinal, a ansiedade do público em ver os caras era enorme, já que a última passagem da banda por aqui foi em 1995, quando tocou junto com o Nazareth.

Com 20 álbuns de estúdio nas costas e há 36 anos na estrada, esses britânicos são conhecidos por fazer um show energético, cheio de alegria e interatividade com o público. A essa altura da noite, a Via Funchal recebia pouco mais de 1500 presentes em suas dependências. Pouca gente para uma banda como o Uriah Heep, mas acreditem: tanto o público como a banda se comportaram como se o lugar estivesse abarrotado de gente!

A empolgação dos quarentões e cinquentões presentes era imensa. Os mais jovens também vibravam muito: com certeza, muitos foram "doutrinados" ao som do Heep por seus pais. Em cima do palco, Bernie Shaw (vocal), Phil Lanzon (teclado), Trevor Bolder (baixo), Lee Kerslake (bateria) e Mick Box (guitarra) estampavam nos rostos sorrisos sinceros, e essa alegria era refletida em sua música.

Mesmo com alguns problemas na guitarra de Mick Box durante as primeiras músicas, a qualidade de som que vinha dos PA's foi muito superior à das bandas de abertura (fato que não é nenhuma novidade nesse tipo de evento). Durante mais de uma hora e meia, o Uriah Heep presenteou o público com um set list cheio de clássicos, como "The Wizard", "Gypsy", "Look At Yourself", "Easy Livin'", entre tantos outros.

As duas décadas com a mesma formação dão um entrosamento impressionante à banda: praticamente não há falhas nas músicas do Uriah Heep! Isso mostra que a idade em nada atrapalha os caras na hora de tocar ao vivo. As harmonias vocais que fazem ao vivo deixam qualquer um de queixo caído: os cinco músicos cantam de forma afinadíssima!

Os destaques ficam, com certeza, por conta do vocalista Bernie Shaw (super carismático e com a voz em excelente forma) e do guitarrista Mick Box, único membro original que faz parte da banda, considerado por muitos o mestre do "wah-wah", além de ser uma grande figura em cima do palco.

A cada música, os aplausos aumentavam e esse reconhecimento da platéia mostrou que, quem esperou um longo tempo por esse show, não se decepcionou. E a bandeira do Brasil jogada no palco deve ter sido guardada com carinho pela banda.

Apesar da presença do público ter ficado aquém do esperado, o Rock in Concert Brazil de 2006 deixa um saldo positivo, pelas grandes apresentações do Salário Mínimo, do Pedra, representantes dignos do rock brasileiro, e do irrepreensível show do Uriah Heep, marcado por um sentimento de nostalgia e que já começa a dar saudade.



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Uriah Heep"Todas as matérias sobre "Pedra"Todas as matérias sobre "Salário Mínimo"


2008: 60 discos de rock e metal lançados há 10 anos2008
60 discos de rock e metal lançados há 10 anos

Uriah Heep: banda acusa o Iron Maiden de plágioUriah Heep
Banda acusa o Iron Maiden de plágio


Haja pente: os músicos mais cabeludos e barbudos do RockHaja pente
Os músicos mais cabeludos e barbudos do Rock

Linkin Park: Mike Shinoda fala como Chester se sentiaLinkin Park
Mike Shinoda fala como Chester se sentia


Sobre Alexandre Cardoso

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Mais matérias de Alexandre Cardoso no Whiplash.Net.