RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemOs 10 maiores álbuns da história do grunge, em lista do Brave Words

imagemOmelete diz que heavy metal pertence agora à nova geração e não ao tiozão headbanger

imagemPaul McCartney quase foi atropelado ao tentar recriar famosa cena de capa de disco

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemO que faltou para o Overkill entrar no "Big Four" do thrash, segundo D. D. Verni

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagemA atitude punk da Legião Urbana que causou irritação e deu trabalho na gravação

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok

imagemO hit dos Beatles que talvez seja sobre drogas e que "Jesus" acompanhou gravação

imagemComo Tommy Lee e o Mötley Crüe ajudaram Axl Rose a escrever "November Rain"

imagemO conselho realista de John Petrucci para bandas que estão começando agora

imagemQuatro músicas de artistas brasileiros que citam Os Paralamas do Sucesso

imagem"Quem não gosta de Beatles bom sujeito não é", diz João Gordo


Stamp

Gothic & Thrash: Scars, Atrocity, Leaves' Eyes e Destruction

Resenha - Atrocity, Leaves' Eyes e Destruction (Via Funchal, São Paulo, 21/04/2006)

Por Alexandre Cardoso (www.allfotos.fot.br)
Postado em 03 de maio de 2006

Há quem repudie a idéia de misturar bandas de estilos distintos para tocarem no mesmo dia, excetuando-se os grandes festivais. Talvez pelo fato de que os fãs dessas bandas possam se estranhar e sairem no tapa, ou ainda, tais fãs podem desrespeitar aquelas bandas que não queiram prestigiar. No entanto, esse tipo de evento tem se tornado mais constante, já que torna possível a presença de bandas que poderiam não vir em outro momento e financeiramente, são shows mais viáveis para os produtores locais. No fim, quem ganha com isso são os fãs, pois assistem uma boa quantidade de shows a um bom preço (R$70,00).

O público presente na Via Funchal era diversificado: os fãs de gothic metal, com aquele visual mais produzido (chamavam a atenção um cara de "dreadlocks" vermelhos e uma garota no melhor estilo "Mulher-Gato"), estavam lá pelo Atrocity e pelo Leaves’ Eyes, enquanto que os fãs de thrash metal, a grande maioria presente (trajando calças jeans apertadas, coletes e tênis All-star de cano longo, num figurino totalmente oitentista), estavam lá para ver o Scars e o Destruction.

Às 20 horas, o Scars abriu a noite em grande estilo, com seu thrash metal vigoroso. Com um vocalista alucinado, o excelente quinteto paulista tocou por apenas 40 minutos, mas soube aproveitar muito bem esse tempo. Com um repertório focado no EP "The Nether Hell", que é sucesso de crítica e público e já está na sua terceira prensagem, o Scars maltratou o pescoço dos presentes com porradas como "Creatures That Come Alive At Night" , "Legions (Forgotten By The Gods)" e "The Nether Hell". A ótima receptividade do público não surpreendeu, já que o Scars faz um som pesado, agressivo e veloz, que agradou em cheio aqueles que estavam ávidos pelo Destruction.

A produção de palco dos caras, que conta com um belo pano de fundo e um jogo de luzes de muito bom gosto, mostra que estamos diante de uma banda realmente profissional. O destaque é, sem dúvida, o vocalista Régis F., que tem uma baita voz e uma grande presença de palco - o cara corria de um lado pro outro sem parar! E ele não cansou de elogiar o público e agradecer a presença de todos, transparecendo toda a emoção de estar ali. E com certeza o Scars conquistou novos fãs depois desse show e mostrou que tem tudo para bater de frente com as bandas internacionais.

Em turnê de divulgação do novo álbum "Atlantis", o Atrocity subiu ao palco pouco depois das 21 horas demonstrando muita empolgação, principalmente por parte de seu vocalista, o gigante cabeludo Alexander Krull. O gothic metal feito pelos alemães serviu como contraponto ao show mais agressivo do Scars, mas não significa que foi um show menos empolgante. Músicas como "The Reich of Phenomena", "Enigma" e "Cold Black Days" agradaram os presentes, que cantavam e pulavam bastante. Com exceção daqueles que gritavam "Destruction, Destruction" sempre que podiam, o público recebeu o Atrocity muito bem, e ia à loucura com as participações de Liv Kristine (vocalista do Leaves’ Eyes) nos backing vocals de algumas músicas.

Diferente de muitas bandas de gothic metal, a banda mostrou-se, além de técnica, muito simpática: o vocalista Alexander tem grande carisma e presença de palco, balançando constantemente sua longa cabeleira; o guitarrista Thorsten Bauer e o baixista Christian Lukhaup distribuíam muitos sorrisos à platéia, e fizeram muito sucesso com o público feminino depois do show...

Mesmo com um set curto, a banda soube escolher bem as músicas e encerrou sua apresentação com um inusitado – e ótimo - cover de "Shout", do "Tears For Fears". Muito aplaudidos, o Atrocity saiu do palco satisfeito e Alex Krull não se cansava de agradecer, beijando a bandeira brasileira que foi jogada no palco.

Depois de um longo intervalo, subiu ao palco o Leaves’ Eyes e os desavisados estranharam, pois os músicos da banda quem tem Liv Kristine nos vocais são os mesmo do Atrocity. E, para quem também não sabe, ela é esposa do vocalista Alexander Krull.

Deixando as coincidências de lado, a ex-vocalista do Theatre of Tragedy já entrou no palco com jogo ganho: sua presença arrancou os gritos mais histéricos das menininhas da grade. Mas ainda bem que ela fez muito mais do que isso: o gothic metal feito pelo Leaves’ Eyes é forte e empolgante ao vivo. "Norwegian Lovesong" e "Solemn Sea" são grandes músicas e foram cantadas em uníssono, mostrando a ótima aceitação que essa banda relativamente nova tem com o público.

Apoiada por grandes músicos (e com a participação de Alexander em algumas músicas), Liv Kristine mostrou que vai fazer falta à sua ex-banda, pois além de seu incrível carisma, a voz da mulher é linda: ela passa das partes mais suaves para as líricas com muita facilidade, mostrando muita técnica. É bom de se ver – e ouvir – que, mesmo com uma bela vocalista, a banda não deixa a música em segundo plano. Em pouco mais de uma hora, o Leaves’ Eyes fez um belo show e saiu do palco ovacionado pela platéia.

Logo após o fim do show do Leaves’ Eyes, o público, que estava espalhado pela Via Funchal, começou a se aproximar do palco, mostrando que realmente o Destruction era a banda que a maioria queria assistir.

[an error occurred while processing this directive]

A banda tocou no Brasil em Outubro do ano passado, no festival Live’n’Louder, substituindo o Testament na última hora. Naquele momento o Destruction fez um show curto, que acabou deixando os fãs ansiosos por um show dos alemães como "headliners".

Divulgando o último álbum "Inventor of Evil", o Destruction fez um show pra nenhum fã de thrash metal botar defeito. Schmier (baixo/voz), Mike (guitarra) e Marc (bateria) preenchem todas as lacunas sonoras de suas músicas, e não deixaram ninguém na pista parado ou com o pescoço intacto. Em quase duas horas de show, o power trio comandou o massacre na pista da Via Funchal, que se acabou nas rodinhas ao som de "Metal Discharge", "Thrash Till Death", "Nailed To The Cross", "Bestial Invasion" e "Curse The Gods", isso só pra citar algumas. Foi uma grande performance desses veteranos que são ícones do Thrash Metal e ainda influenciam muita gente por aí.

[an error occurred while processing this directive]

Com alguns hematomas, dores cervicais e surdez temporária, os fãs voltam mais do que satisfeitos para suas casas. Infelizmente, o público não foi dos maiores devido ao feriado de Tiradentes, mas quem foi, presenciou uma grande noite da música pesada.

[an error occurred while processing this directive]

[an error occurred while processing this directive]

[an error occurred while processing this directive]

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps




publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal