Resenha - Children Of Bodom (Scala, Rio de Janeiro, 10/08/2004)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Rafael Carnovale
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

A segunda passagem dos finlandeses do Children of Bodom pelo Brasil veio em boa hora. Num ano que está sendo bem abastecido por shows, a turnê da banda, divulgando seu mais recente cd “Hate Crew Deathroll”, é um fato a ser comemorado, pois desta feita a mesma foi bem mais abrangente que a anterior, que teve menor número de shows e menor divulgação. Esta não. Os shows foram anunciados com boa antecedência e bem divulgados, o que não justifica a pouca quantidade de fãs presentes na quarta-feira do dia 10 de agosto no Scala. Nem o preço podia ser considerado salgado, visto que o ingresso vinha sendo vendido em valor promocional até no dia do evento. Mas infelizmente, nem tal fato colaborou e menos de 900 pessoas compareceram ao Scala (que depois de um hiato de mais de 4 anos voltava a abrigar um show de metal) para conferir o poder de fogo de Alex Laiho e cia.

3201 acessosChildren Of Bodom: como eles conseguiram derrubar Kerry King?5000 acessosDimebag: relato e fotos inéditas do - bizarro - último Natal dele

Perto das 22:30 (com cerca de 45 minutos de atraso), as luzes se apagam e uma introdução no estilo “Três Patetas” (me corrijam se eu estiver errado, mas foi o que me pareceu) começa a soar na casa, com a banda entrando e emendando de cara “Hate Me!”, “Chockenhold (Chocked’n’Loaded)” e “Hatebreeder”. A galera agitava alucinadamente e Alex e seus comparsas mostravam um entrosamento magnífico. Os únicos problemas ficavam por conta do som (emboladíssimo e confuso) e pela performance da banda, que parecia apenas estar “suando a camisa” em mais um dia de trabalho.

Uma pausa para Alex se comunicar com a platéia (nada além do tradicional “How the F* are you doing?”) e emendar “Silent Night, Bodom Night” e “Bodom After Midnight”. Uma curiosidade é que um dia antes Alex havia ficado famoso pelas suas cusparadas no show de São Paulo, e neste ele parecia mais contido, cuspindo para o alto e não em direção a platéia, que alternava momentos de total agitação e momentos de pura observação.

“Sixpinder”, “Angels Don’t Kill” e a excelente “Needled 24/7” ajudaram a esquentar o clima no Scala, cuja acústica provou-se totalmente inadequada para um show de metal extremo. Mais algumas intervenções de Alex, inclusive uma animada “luta” entre ele e o tecladista Janne Wirman (aonde ambos realmente pareciam estar se divertindo, com Janne brincando com “Eagleheart” do Stratovarius) e “Deadnight Warrior” é tocada, seguida por “Towards Dead End” e um desnecessário solo de bateria, fraco e inútil.

Novamente cito a falta de entusiasmo por parte da banda. Toda a agitação soava “sem sal” e isso era perceptível a todos. Embora o peso do Bodom seja assustador, vide “Bodom Beach Terror”, “Kissing the Shadows” e “Everytime I Die”, não havia aquela energia entre público e banda. O show, que teve exatos 75 minutos, foi encerrado com “Downfall”. De nada adiantou trazer o novo guit\arrista, Roope Latvala, já que a maioria dos solos são feitos por Alex, que realmente é um excelente guitarrista. Roope fica em segundo plano, enquanto Alex coloca-se no centro do palco, sempre com uma cara de mal-encarado, tentando desfazer sua pose de barbie do metal.

Podem pensar que o show foi ruim... mas não foi. Ficou apenas a sensação de que o Bodom estava ali apenas para cumprir uma data... se fosse por isso seria melhor ter ficado em casa. Mas valeu... afinal é mais um show de metal pesado e muito bem tocado, e isso já vale muito.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Children Of BodomChildren Of Bodom
Como eles conseguiram derrubar Kerry King?

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Children Of Bodom"

Mascotes do MetalMascotes do Metal
Os dez maiores segundo The Gauntlet

Lado femininoLado feminino
Astros do rock que se vestiram de mulher

OpiniãoOpinião
Headbangers não praticantes: radicalismo no Metal

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Children Of Bodom"

DimebagDimebag
Relato e fotos inéditas do último Natal dele

SepulturaSepultura
Drum cam de Igor Cavalera tocando "Territory"

Heavy MetalHeavy Metal
Loudwire elege 11 melhores álbuns dos 90s

5000 acessosMomentos bizarros: histórias de Ozzy, Stones, Who e outros5000 acessosBlues Pills: conheça o novo Led Zeppelin5000 acessosSlipknot: Corey explica as nojentas desvantagens das máscaras5000 acessosRicardo Boechat e Boris Casoy: dois velhos metaleiros?5000 acessosLed Zeppelin: candidato destrói em Whole Lotta Love no The Voice5000 acessosGuitarras Lendárias: Confira os brinquedinhos mais famosos de Jimmy Page

Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online