RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemMembro do Guns N' Roses vai na Galeria do Rock de SP e compra camiseta oficial

imagemAxl e o pequeno gesto com Slash comprovando que as tretas do passado ficaram pra trás

imagemA banda que mostrou no Rock in Rio como se faz um show num festival gigantesco

imagemTodos os rockstars que já recusaram ser condecorados pela rainha Elizabeth II

imagemRafael Bittencourt confessa ambições no início do Angra: "Queria derrubar o Metallica!"

imagemA curiosa origem da rivalidade Sepultura x Sarcófago, segundo Jairo Guedz

imagemO dia que Renato Russo colocou companheiro da Legião em saia justa após piti homérico

imagemO motivo que fazia Ozzy Osbourne não se sentir "tão importante" no Black Sabbath

imagemOs dois rockstars que influenciaram Casagrande a entrar no mundo das drogas

imagemGuns N' Roses pede sugestões de músicas para tocar nos shows

imagemA chave oculta no disco do Led Zeppelin que Raul usou para abrir as portas do conhecimento

imagemO hit de Cazuza feito durante internação e que seria indireta para affair Ney Matogrosso

imagem"Tá na hora de termos críticos de críticos", diz Maurício Meirelles sobre Regis Tadeu

imagemCinco perrengues que todo headbanger já passou em algum show de metal

imagemEx-guitarrista do Whitesnake relembra seu teste para substituir Ace Frehley no Kiss


Stamp

Jethro Tull: Algumas apresentações não têm como ser ruins

Resenha - Jethro Tull (Claro Hall, Rio de Janeiro, 19/03/2004)

Por Rafael Carnovale
Em 19/03/04

Alguns shows não têm como ser ruins. Algumas bandas jamais conseguem fazer más apresentações, devido à alta qualidade de suas músicas e o inegável talento ao vivo de seus componentes. Isto se encaixa como uma luva no caso do Jethro Tull, banda com mais de 30 anos de carreira e incontáveis "hits". Um grupo que já flertou com o progressivo, folk-rock, e até com o heavy metal. Hoje a banda possui apenas dois de seus integrantes originais, o guitarrista Martin Barre e o folclórico vocalista e flautista Ian Anderson, que vieram acompanhado de um time de feras: o tecladista Andrew Giddings (ex- Eric Burdon), o baixista Jonathan Noyoe e o excelente baterista Duane Perry, que contribuíram para que Ian e Martin pudessem despejar mais de 30 anos de carreira em duas horas de show.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ao chegar no Claro (com sua configuração de teatro, com mesas e pista reduzida), a primeira impressão que tivemos foi de que não teríamos casa cheia, o que foi se desfazendo aos poucos com filas enormes para comprar ingressos (muitos deixaram para comprar suas entradas em cima da hora) e uma fila gigantesca para entrar na casa. Ainda havia muitas pessoas na fila quando às 22h30, pontualmente a banda entra em ação, com uma "Intro" tirada de "Aqualung", incendiando os já presentes. De cara vemos que Ian está inspirado, fazendo sua tradicional pose de pernas cruzadas com a flauta e saltando de um lado para outro, enquanto Martin esquece os cabelos brancos e solta "riffs" inspirados de sua guitarra. "Living in the Past" e "Beggar's Farm" (do primeiro cd "This Was") incendeiam o público. E a fila na entrada continuava... muitos acabaram conseguindo chegar ao final desta música. O Jethro não trouxe nada de especial a nível de produção de palco, apenas um belo jogo de luzes, com bons efeitos. A música era a grande estrela.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Neste momento a banda emenda várias músicas antigas entrecortadas com algumas do novo cd, "Songs for Christmas", de 2003 e ainda inédito por aqui. "Nothing is Easy","With you There to Help Me" e "A Week of Moments" fazem bem seu trabalho, enquanto que músicas novas como "Holly Herald" e "God Rest Ye Merry Gentlemen" são recebidas um tanto quanto friamente pela platéia. Inteligentemente a banda inseriu um belo solo de Martin Barre e "Thick as a Brick" no meio junto com a bela "A New Day Yesterday", o que manteve a atenção dos presentes.

Neste momento cabe fazer um parêntese: muitos fãs pareciam literalmente desconhecer a banda, principalmente os localizados na pista, já que os mais fanáticos optaram por ir para as mesas, aonde poderiam curtir mais a performance de Ian e cia, impecável até o momento. Mas em alguns momentos a frieza por parte do público chegou a ser incômoda, pois afinal ali estavam mais de 30 anos de rock and roll.... mas tudo bem. A banda não liga para isso e continua seu show, com a excelente "Mother Goose" e um belo "medley", que incluiu "From The Wood", "Too Old to Rock and Roll" e "Heavy Horses". Apesar do vocal de Ian estar um tanto quanto fora de forma, o mesmo esbanja carisma e simpatia, e Martin Barre é um mestre nas quatro cordas. O resto da banda prima pela excelência, com destaque para o preciso e talentoso Doane Perry na bateria. Ian também aproveitou para executar uma música de sua carreira solo, a boa "Eurology"

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Mas era chegada a hora de incendiar a galera, e "Aqualung" vem para que todos cantem cada verso, cada estrofe. A banda sai do palco e volta com "Wind Up", seguida da mais que conhecida "Locomotive Breath", emendada com "Protect and Survive". O show seria encerrado com uma "jam" ("Cheerio") e Ian agradecendo a cada momento por estar mais uma vez no Brasil, embora seu inglês seja carregadíssimo no sotaque escocês, sendo realmente complicado entender seus discursos, mas tudo isso é compensado ao vê-lo como um garoto, pulando com sua flauta e cantando, mesmo que de forma mais contida.

Um ótimo show, uma banda que apesar do tempo não cansa de surpreender e uma pena que alguns fãs só vão prestar mais atenção neles a partir deste show, mas mesmo assim uma grande noite.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Agradecimentos:
CIE BRASIL / CLARO HALL: Bianca Senna

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

NFL Steve Harris


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Jethro Tull: Ian Anderson revela de onde foi tirado o nome da banda

Quando Derico, do Programa do Jô, descobriu que Ian Anderson tocava tudo errado

Jethro Tull vai lançar edição de 50 anos do "Thick As A Brick" em vinil, veja unboxing

Para Ian Anderson, os punks pensaram serem "a vacina" contra o rock progressivo

Jethro Tull: Ian Anderson fala sobre sua sexualidade

Iron Maiden: Steve Harris fala da influência do Jethro Tull

Rock: os 10 guitarristas mais subestimados da história

Iron Maiden: Perguntas e respostas e curiosidades diversas

King Diamond: O que significa ser Satanista?


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale.