Jethro Tull: Algumas apresentações não têm como ser ruins

Resenha - Jethro Tull (Claro Hall, Rio de Janeiro, 19/03/2004)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar correções  |  Ver Acessos




Alguns shows não têm como ser ruins. Algumas bandas jamais conseguem fazer más apresentações, devido à alta qualidade de suas músicas e o inegável talento ao vivo de seus componentes. Isto se encaixa como uma luva no caso do Jethro Tull, banda com mais de 30 anos de carreira e incontáveis "hits". Um grupo que já flertou com o progressivo, folk-rock, e até com o heavy metal. Hoje a banda possui apenas dois de seus integrantes originais, o guitarrista Martin Barre e o folclórico vocalista e flautista Ian Anderson, que vieram acompanhado de um time de feras: o tecladista Andrew Giddings (ex- Eric Burdon), o baixista Jonathan Noyoe e o excelente baterista Duane Perry, que contribuíram para que Ian e Martin pudessem despejar mais de 30 anos de carreira em duas horas de show.

Ao chegar no Claro (com sua configuração de teatro, com mesas e pista reduzida), a primeira impressão que tivemos foi de que não teríamos casa cheia, o que foi se desfazendo aos poucos com filas enormes para comprar ingressos (muitos deixaram para comprar suas entradas em cima da hora) e uma fila gigantesca para entrar na casa. Ainda havia muitas pessoas na fila quando às 22h30, pontualmente a banda entra em ação, com uma "Intro" tirada de "Aqualung", incendiando os já presentes. De cara vemos que Ian está inspirado, fazendo sua tradicional pose de pernas cruzadas com a flauta e saltando de um lado para outro, enquanto Martin esquece os cabelos brancos e solta "riffs" inspirados de sua guitarra. "Living in the Past" e "Beggar's Farm" (do primeiro cd "This Was") incendeiam o público. E a fila na entrada continuava... muitos acabaram conseguindo chegar ao final desta música. O Jethro não trouxe nada de especial a nível de produção de palco, apenas um belo jogo de luzes, com bons efeitos. A música era a grande estrela.

Neste momento a banda emenda várias músicas antigas entrecortadas com algumas do novo cd, "Songs for Christmas", de 2003 e ainda inédito por aqui. "Nothing is Easy","With you There to Help Me" e "A Week of Moments" fazem bem seu trabalho, enquanto que músicas novas como "Holly Herald" e "God Rest Ye Merry Gentlemen" são recebidas um tanto quanto friamente pela platéia. Inteligentemente a banda inseriu um belo solo de Martin Barre e "Thick as a Brick" no meio junto com a bela "A New Day Yesterday", o que manteve a atenção dos presentes.

Neste momento cabe fazer um parêntese: muitos fãs pareciam literalmente desconhecer a banda, principalmente os localizados na pista, já que os mais fanáticos optaram por ir para as mesas, aonde poderiam curtir mais a performance de Ian e cia, impecável até o momento. Mas em alguns momentos a frieza por parte do público chegou a ser incômoda, pois afinal ali estavam mais de 30 anos de rock and roll.... mas tudo bem. A banda não liga para isso e continua seu show, com a excelente "Mother Goose" e um belo "medley", que incluiu "From The Wood", "Too Old to Rock and Roll" e "Heavy Horses". Apesar do vocal de Ian estar um tanto quanto fora de forma, o mesmo esbanja carisma e simpatia, e Martin Barre é um mestre nas quatro cordas. O resto da banda prima pela excelência, com destaque para o preciso e talentoso Doane Perry na bateria. Ian também aproveitou para executar uma música de sua carreira solo, a boa "Eurology"

Mas era chegada a hora de incendiar a galera, e "Aqualung" vem para que todos cantem cada verso, cada estrofe. A banda sai do palco e volta com "Wind Up", seguida da mais que conhecida "Locomotive Breath", emendada com "Protect and Survive". O show seria encerrado com uma "jam" ("Cheerio") e Ian agradecendo a cada momento por estar mais uma vez no Brasil, embora seu inglês seja carregadíssimo no sotaque escocês, sendo realmente complicado entender seus discursos, mas tudo isso é compensado ao vê-lo como um garoto, pulando com sua flauta e cantando, mesmo que de forma mais contida.

Um ótimo show, uma banda que apesar do tempo não cansa de surpreender e uma pena que alguns fãs só vão prestar mais atenção neles a partir deste show, mas mesmo assim uma grande noite.

Agradecimentos:
CIE BRASIL / CLARO HALL: Bianca Senna



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Jethro Tull"


Jethro Tull: Stormwatch será relançado em edição sextupla

Gibson: as dez melhores composições épicas do rockGibson
As dez melhores composições épicas do rock

Jethro Tull: Não somos uma banda de RockJethro Tull
"Não somos uma banda de Rock"

Mike Portnoy: os dez melhores discos de rock progressivoMike Portnoy
Os dez melhores discos de rock progressivo


Rock Nation: rádio elege melhor do Hard Rock dos 80sRock Nation
Rádio elege "melhor do Hard Rock dos 80s"

Motorhead: a dieta que mantinha Lemmy jovem e viçosoMotorhead
A dieta que mantinha Lemmy jovem e viçoso

Free: a paixão de Dave Murray por Paul KossoffFree
A paixão de Dave Murray por Paul Kossoff

Capas de álbuns: as mais obscuras e marcantes da históriaCapas de álbuns
As mais obscuras e marcantes da história

Rockstars: 18 roqueiros que já apareceram em filmesRockstars
18 roqueiros que já apareceram em filmes

Yngwie Malmsteen: e se ele tocasse no Guns N' Roses, Pink Floyd ou AC/DC?Yngwie Malmsteen
E se ele tocasse no Guns N' Roses, Pink Floyd ou AC/DC?

Lamb of God: os álbuns da banda, do pior para o melhorLamb of God
Os álbuns da banda, do pior para o melhor


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.