Resenha - Dr Sin (Lapa Multishow, Belo Horizonte, 24/03/2001)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Aqueles que conhecem a história de eventos marcados e cancelados com o Dr. Sin, na capital mineira, com certeza ficou com um pé atrás até a hora em que banda pisou no palco. Porém, os oito anos de espera, pelos quais os fãs belo horizontinos do Dr. Sin tiveram que passar, foram findados no dia 24 de Março de 2001, no Lapa Multshow.
5000 acessosMetallica: a letra que fez Hammett e Hetfield chorar5000 acessosOzzy x Sharon: conheça a mulher que supostamente causou a separação

Bom, quem aguardou oito anos, pode agüentar mais alguns minutos ou horas, certo? É, estaria certo se a banda de abertura não fosse o Scarceus. A apresentação do grupo pode ser definida como algo entre o desnecessário e o impróprio. As músicas próprias do grupo não empolgaram e quase todas as covers foram muito mal escolhidas.


Entre elas, a saturada e totalmente fora do contexto da noite, “All Around The World”, do Red Hot Chili Peppers. Pior que essa escolha, só a terrível idéia de incluir “Maracatu Atômico”, de Chico Science & Nação Zumbi, no set list. E entre esses devaneios absurdos, algo de bom surgiu, quando a banda tocou “Come Together” dos Beatles, em uma versão mais pesada.

O Scarceus saiu de cena e deixou espaço para o Concreto, convidado especial, que faria os mineiros pagarem seus últimos pecados antes da entrada do Dr. Sin.


A banda mineira, que já havia aberto diversos shows, entre eles o primeiro do Angra em Belo Horizonte, conseguiu empolgar parte do público, provocando uma série de rodas de mosh com músicas de seu primeiro álbum e covers de músicas do Black Sabbath. As músicas inéditas que foram apresentadas e estarão presentes no próximo disco do grupo, não levantaram o público, mas pelo menos fizeram com que o set list do Concreto mudasse, depois de ‘quatrocentos anos’ de hibernação.


O mais difícil já havia sido superado. Dois shows com músicos de qualidade questionável já era o bastante. Na hora que o Dr. Sin entrou no palco, o clima mudou, e as coisas entraram nos eixos. Aliás, foi tudo como tinha que ser. Presentes ali, no palco do Lapa Multshow, comemorando 20 anos da Cogumelo Records, estava o Dr. Sin, como um trio, em sua formação original, sem o novo vocalista Michael Vescera, que teve problemas na agenda e não pôde comparecer. Óbvio que Vescera é uma falta a ser sentida em qualquer banda que integre, porém, para o primeiro show do Dr. Sin em Belo Horizonte, sua ausência foi até saudável, pois deixou os público mineiro acompanhar a banda em sua essência, da maneira como iniciou a carreira e lançou seu debute.


O som não era excelente em todos os cantos da casa, porém, em 95% do local o som chegava realmente estonteante, beirando a perfeição, em um trabalho magnífico feito pelos organizadores, que contrataram profissionais competentes para trabalhar no evento.

Eduardo Ardanuy, Andria Busic e Ivan Busic, definitivamente, ESTRAÇALHARAM. Fizeram um espetáculo maravilhoso, com musicalidade a toda prova e muita simpatia e bom humor. Mostraram uma presença de palco rara e um contato com o público extremamente próximo. Conversaram, riram, fizeram piadas uns com os outros e realmente detonaram em seus devidos instrumentos.


Com um set list variado, contendo músicas de todos os seus álbuns, a banda conseguiu empolgar o público em todos os momentos de sua apresentação. Eduardo Ardanuy se destacou, com uma precisão técnica inacreditável. Reforçou, a cada nota que tocou, as expectativas do público, que o ovacionava ao fim de cada solo.

“Karma”, “Isolated”, “Futebol, Mulher & Rock ‘n Roll”, “No Rules”, “Fire”, “Emotional Catastrophe”, entre outros antigos sucessos do Dr. Sin, tinham suas letras cantadas pela pequena, mas intensa platéia, que seguia fielmente Andria.


Além do esperado foi a forte reação e nítida emoção dos presentes frente às novas músicas, presentes no álbum “Dr. Sin II”, “Time After Time” e “Danger” e a balada “Eternity”, que também foram cantadas em coro.

Não poderiam faltar as versões de “Holy Man”, do Deep Purple, e “Have You Ever Seen The Rain?” do Creendence Clearwater Revival, presentes respectivamente nos álbuns “Brutal” e “Isolated”, que também causaram impacto e arrancaram aplausos dos fãs.

Se a primeira impressão é a que fica, então o Dr. Sin pode comemorar e ter certeza de sucesso em Belo Horizonte, para o resto de sua carreira. Com uma apresentação dessas, não há público que não saia satisfeito. Parabéns à banda e à Cogumelo, pelos seus 20 anos de existência e pela iniciativa de trazer para os mineiros uma das melhores bandas da história do metal nacional.

Mais fotos

Dr. Sin – http://www.drsin.com.br

Cogumelo Records
Augusto de Lima, 555 - Loja 32
Belo Horizonte - MG - BRASIL CEP 30.190-000
Fone/Fax: (0xx31) 3224-0493
http://www.cogumelo.com-
email: cogumelo@cogumelo.com

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Dr Sin"

Hard RockHard Rock
Cinco álbuns memoráveis no período grunge

Fafá de BelémFafá de Belém
"Meu espírito é heavy metal", diz a cantora

Top 5Top 5
Discos de metal nacional com nomes de outros estilos

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Dr Sin"

MetallicaMetallica
A letra que fez Hammett e Hetfield chorar

Ozzy x SharonOzzy x Sharon
Conheça a mulher que supostamente causou a separação

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Os membros do Sepultura muito antes da fama

5000 acessosEm 16/08/1977: Morre Elvis Presley5000 acessosGuitarpedia: Os 10 riffs de guitarra mais complicados da história5000 acessosMetallica: os segredos de "Enter Sandman"5000 acessosLars Ulrich: baterista ensinou seus filhos a ouvir Metal5000 acessosBateristas: canhotos que tocam de forma diferente5000 acessosBandas novas: a maldição dos covers

Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online