Resenha - GBH (Estação Plaza Show, Curitiba, 25/05/2000)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Antônio Pedro
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Quinta- feira, 25 de maio de 2000. Apesar de muito frio, um bom público compareceu ao Centro de Eventos do Estação Plaza Show. A primeira banda da noite foi a curitibana Resist Control, que apresentou seu mais recente álbum num show burocrático e tão frio quanto a noite curitibana. Teve quem comemorou quando acabaram a performance. Destaque para os hits Brasil 500 anos e Resist Control.

Bateristas: os dez músicos mais loucos de todos os temposEsquisitices: algumas exigências bizarras para shows


Em seguida o hardcore competente do Garage Fuzz, que apresentou músicas boas e pesadas. O público aprovou. Prova disso foi a agitação na frente do palco. Ou isso ou foi uma maneira animada que a galera achou para espantar o frio. Surgem então os psichobilly do Catalépticos, lançando finalmente no Brasil seu 1º álbum, Little Bits of Insanity, que já foi lançado na Inglaterra em 98. A performance de Vlad, Gus e Coxinha é realmente poderosa. Destaque para Gus e seu contrabaixo-caixão acústico. O som do grupo é contagiante e não deixa ninguém quieto um só segundo. Porradaria pura!!!!


Intervalo curtíssimo e o GBH toma o palco e platéia de assalto. O punk crossover praticado pelo quarteto inglês é realmente vigoroso e enfurecido. Eles entram arrebentando Diplomatic Imunity e a galera reage à altura da performance de Colin e sua gangue. Em seguida vieram Junkies, Freak, Timebomb e Gunned Down. A presença de palco de Jocks, guitarrista e Colin, vocalista é algo que merece destaque. Jocks toca sua guitarra como que possuído, fato realçado pelo seu visual colorido e irado. Colin é puro show. Canta, dança, brinca com o microfone, desce junto à galera, deixa eles cantarem no microfone, pula, grita. Um frontman de primeira, ensandecido, como o GBH. E a loucura toma conta. Então vem Give me Fire, Prayer, Maniac, Drugs Party on 526 e outras mais, incluindo uma cover matadora para I'm feel Alright, dos Stooges. Os seguranças sofreram um bocado para conter os ânimos da rapaziada.


Todos pulavam e agitavam, deixando o show melhor ainda. Até mesmo alguns seguranças, viraram-se de frente para o palco e cantaram junto com Colin. Um concerto extremamente honesto, esbanjando personalidade e fúria punk. Rolou ainda um bis animal, finalizado por White Riot, do The Clash. Era o fim de um concerto memorável, vibrante e furioso como há tempo não se via. Sorte que, segundo a própria banda comentou, com exclusividade para a Whiplash!, eles voltam ao país daqui há oito meses, já com álbum novo lançado. Tomara que passem por aqui!!!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Gbh"


Bateristas: os dez músicos mais loucos de todos os temposBateristas
Os dez músicos mais loucos de todos os tempos

Esquisitices: algumas exigências bizarras para showsEsquisitices
Algumas exigências bizarras para shows

Photoshop: Luan Morrison, Ivete Osbourne, Axl Teló e maisPhotoshop
Luan Morrison, Ivete Osbourne, Axl Teló e mais

Bruce Dickinson: foi difícil evitar as drogas durante toursCensura: 53 nomes que você não pode dizer em uma rádioOzzy e Zakk: por que eles se deram tão bem sendo tão "diferentes"?Povo compra, mas não ouve: fim da moda do vinil pode estar perto

Sobre Antônio Pedro

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.