Matérias Mais Lidas

imagemMarcello Pompeu agradece mobilização de fãs

imagemA opinião de Arnaldo Antunes sobre a competição interna que havia nos Titãs

imagemAs composições de Paul McCartney nos Beatles preferidas de John Lennon

imagemO reencontro entre Steve Harris e Paul Di'Anno na Croácia

imagemDave Mustaine, do Megadeth, inicia vida de youtuber e mostra o ônibus de turnê da banda

imagemEvanescence coloca baixista no cargo de guitarrista e anuncia nova baixista

imagemO clássico do Helloween que fez Angra mudar nome original de "Running Alone"

imagemNicko McBrain, do Iron Maiden, mostra o seu novo (e enorme) kit de bateria

imagemFrank Zappa disse a Steve Vai que ele soava como "um pão com mortadela elétrico"

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemGene Simmons compartilha tweet com meme da ex-presidente Dilma Rousseff

imagemDee Snider cutuca bandas com falsas aposentadorias e ingressos caros

imagemMetade das pessoas com menos de 23 anos desconhecem Pink Floyd, David Bowie e Bon Jovi

imagemOzzy Osbourne diz que "tinha muito o que provar" com "No More Tears"

imagemAdrian Smith conta como Iron Maiden permaneceu forte e era grunge passou


Modismos musicais: de Gretchen a Pabllo Vittar

Por Paulo Faria
Em 08/08/18

Publicado originalmente em 17 de janeiro de 2013. Texto revisado e atualizado com uma nova roupagem para ser lido e revisitado nos dias atuais.

A internet talvez seja a última pá de cal na disseminação cultural, artística e de informação; principalmente entre os jovens e adolescentes que passam grande parte de seus tempos plugados. Em tempos de youtube e Spotify, temos assistido a um sem-número de artistas ou "artistas" que acabam virando febre e criando novas tendências entre seus seguidores.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

A questão do modismo é um tema muito amplo para se debater, porém, é um terreno arenoso, o qual devemos caminhar com certo cuidado para não flertarmos com o preconceito. Além do mais, esse fenômeno não é novo. O que é novo é a velocidade com que as tendências se reciclam, se renovam, se transformam.

Mas como a arte, mais especificamente a música, é tratada diante desses modismos? Para tentar responder a essa pergunta, valho-me da afirmação de Marcelo Hayena da banda "Uns e Outros", segundo o qual "Verdadeiro artista é aquele que reconhece seu verdadeiro público (…)". Ponto.

A resposta do músico, um tanto quanto elucidativa, toca no "x" da questão. O que seria um "verdadeiro artista" e um "verdadeiro público"?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Verdadeiro artista seria aquele comprometido apenas com sua arte e que reconhece dentre o público, aqueles igualmente comprometidos. Assim sendo, estabelece-se uma relação de fidelidade que muitas vezes pode ser até possessiva. Mas contrapondo-se a isso, temos um outro tipo de comprometimento: o comprometimento massificador ou cultista que envolve o artista/público.

Usando como exemplo o último grande fenômeno pop do show business, o maranhense Pabllo Vittar, temos uma síntese de como funciona o mecanismo do sucesso nestes tempos bisonhos da cultura brasileira. No caso do músico, a fórmula é apenas uma questão matemática: veneração midiática (e sua obsessão pelo politicamente correto) + um bom empresário + investimento em marketing + músicas de fácil assimilação + um público sem nenhuma exigência = SUCESSO.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

O público, nesse caso, é paciente e está sujeito a definhar na mesma velocidade que o lixo musical que esse tipo de artista produz. E no caso do artista, este também está sujeito a definhar tão logo apareça qualquer outro que caia nas graças da mídia e do povão. Portanto, são atores que amparados sob uma imagem pré-fabricada, têm seus prazos de validade teoricamente determinados, uma vez que seus públicos estão inseridos dentro de um nicho o qual consome a moda do verão vigente.

Para ilustrar melhor o que está sendo dito, é importante se ater a exemplos não muito distantes. No começo dos anos 2000 despontava no país um trio pop teen que causou certo frenesi e que não difere muito do que ocorre hoje com certos grupos. Com musiquinhas meladas e muita pose, o KLB arrancava suspiros histéricos das meninas que gostariam de estar a todo custo com eles, e, numa outra ponta, os meninos que queriam ser eles. No terceiro disco, ninguém mais falava dos irmãos Kiko, Leandro e Bruno.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Um pouco antes, nos anos 90, tivemos todo aquele tsunami do axé/pagode com seus 2.348.937 grupos que seguiam sempre o mesmo roteiro: uma letra idiota, geralmente fazendo uma ode ao sexismo, e a música usada apenas como pano de fundo para a coreografia sensual (erótica?) das esbeltas dançarinas. O público também era o mesmo: marmanjões que só estavam interessados nos rebolados feitos sob medida nos programas dominicais e meninas que desejavam coreografar e ser tão sensuais quanto suas musas inspiradoras. Não demorou muito – para a alegria dos nossos ouvidos, mas não de nossos olhos -, e 99, 9% desses grupos foram varridos para o limbo do esquecimento.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

No país do samba, carnaval e futebol – multicultural e miscigenado por natureza, mas, infelizmente, iletrado – não é tão difícil descobrir a gênese que une "putaria" (abro aspas aqui) e música ruim.

Talvez seja ela a primeira, que graças à intensa campanha midiática de três décadas atrás, foi a grande matriarca de todo o "bundismo" já comentado nas linhas acima: Gretchen. Considerada a "rainha" do rebolado, Gretchen fora um ícone dos anos 80 entre aqueles que não estavam nem aí para sua "música" mas sim para seu ‘poropompom’.

Estes são apenas alguns exemplos de certas tendências que se renovam de tempo em tempo. Para uma obra de arte ou movimento artístico ganharem a alcunha de "clássicos", devem conter os elementos necessários para tal, e, com toda certeza, não serão esquecidos na próxima estação. A questão primordial aqui não é discutir o gosto alheio, pois sensibilidade para apreciar qualquer manifestação artística é algo puramente individual e não cabe discussão. Mas o fenômeno das "modas de verão" sim.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

E desse fenômeno dá ainda pra tirar uma lição que talvez seja tão mais reflexiva do que discutir o modismo: a de que no Brasil, um "artista" em franca decadência, na melhor das hipóteses estrela em algum filme pornô; na pior, se candidata a algum cargo político.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Sobre Paulo Faria

Paulo Faria tem um montão de anos; é um amante do cinema de horror, literatura e rock 'n' roll. É professor por formação, humorista por conveniência, músico por obsessão e escritor por aspiração.

Mais matérias de Paulo Faria.