Bon Jovi, Aerosmith, Motley Crue: a velha guarda está velha?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Guto Heyerdahl, Fonte: Blog "A Bunda de Pato"
Enviar correções  |  Ver Acessos


Ontem ouvi o álbum novo do Bon Jovi, intitulado "What About Now". Antes que eu seja criticado por isso, aviso logo: não sou imparcial. Bon Jovi é uma das minhas bandas preferidas e eu tenho em Jon Bon Jovi uma figura-guia em muitas atitudes, especialmente as relacionadas à minha banda.

Slayer: assista Ivete Sangalo cantando "Dead Skin Mask"Em vídeo: A diferença entre ser músico e ser rockstar

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E então, minha opinião nada isenta é: o álbum é uma merda.

De doze músicas apenas quatro possivelmente serão lembradas para ouvir no futuro (a saber: "Because We Can", "Pictures of You", "I'm With You" e "Amen").

Curiosamente nesta mesma semana Nikki Sixx, baixista e compositor do Mötley Crüe, anunciou que a banda gravará seu último álbum e acabará, dando tempo aos seus integrantes para seguirem com outros projetos (o próprio Nikki tem o SixxAM) e terminar por cima, como uma banda que inventou um gênero seguido ao longo da década de 80 e sobreviveu (essa é a parte mais impressionante) para contar a história.

O Aerosmith, megalodonte do Hard Rock, provavelmente também encerrou a carreira (ou ao menos os álbuns inéditos) com o excelente "Music From Another Dimension", de 2012.

Ora, e por que eu daria estes exemplos? Para ilustrar as três possíveis atitudes que um músico ou qualquer outro artista pode ter ao perceber que a idade bateu e que ele não é mais o mesmo de antes.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Jon Bon Jovi e sua banda continuaram insistindo em álbuns insípidos, com poucos destaques e mais pontos baixos que altos, o que manchou a imagem da banda para muitos e conquistou pouquíssimos novos fãs. O que impressiona mais nessa atitude é que tanto Jon quanto Richie Sambora (guitarrista) e David Bryan (tecladista) tem excelentes projetos solos e podem viver confortavelmente da renda de seus primeiros álbuns.

É quase inacreditável que, ao ouvir "What About Now", estamos ouvindo a mesma banda que um dia criou 'Livin On A Prayer', 'Raise Your Hands' ou 'You Give Love a Bad Name'. Não que o grupo tenha que tocar a mesma coisa eternamente, mas a falta de energia e sentimento em "What About Now" incomoda os fãs da banda, que esperam ao menos, se não o mesmo som, a mesma paixão. Tá na hora de parar.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Nikki Sixx provavelmente percebeu que o barco Mötley Crüe ia afundar eventualmente, já que Vince Neil, que nunca foi um grande vocalista, definitivamente não consegue mais cantar as músicas inteiras e com as notas certas. Mick Mars, guitarrista, nunca mais foi o mesmo desde que teve boa parte de sua bacia substituída por placas de titânio e Tommy Lee... Tommy Lee é o mesmo.

O problema com o Crüe, percebido por Nikki Sixx, é que a idade dos integrantes parece impedi-los de serem os mesmos, e provavelmente o próprio Nikki não se identifica mais com a proposta da banda, que foi sua vida (segundo o próprio) pelos últimos 30 e alguma coisa anos.

Qualquer um que se dê ao trabalho de ler "This Is Gonna Hurt" percebe que Sixx se sente mais à vontade com sua nova banda, SixxAM do que com o Crue, e que seu 'eu' verdadeiro está no novo trabalho.

O Aerosmith, por sua vez, mostrou que quem é rei nunca perde a majestade. Com um álbum absurdo, mostrando todas as fases da banda e um tanto quanto autobiográfico.

"Making Love at seventeen, yeah we had the luck. But we traded our joys for other toys and we didn't give a...", diz a letra de Legendary Child, cujo clipe que já começa com um narrador dizendo "Esta é a história do Aerosmith".

O Aerosmith deixou claro com este álbum que, se é pra terminar, que termine no auge, enquanto as pessoas ainda te olham e pensam "Ali vai um monstro sagrado".

Steven Tyler destila sua habilidade vocal e Joe Perry mostra toda sua evolução, o mesmo valendo pra todos os membros da banda.

Se pararem agora, serão pra sempre lembrados como uma banda excelente e importante para a história do rock.

Concluindo: Resta saber agora o que outros artistas antigos ainda em atividade farão. Será o que AC/DC consegue manter a peteca? Será que o Bono Vox não tem pensado demais em ser bonzinho e esquecido do U2? Só o tempo dirá.

PS: Tudo dito para o Aerosmith vale para o KISS e seu "Monster".




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção OpiniõesTodas as matérias sobre "Aerosmith"Todas as matérias sobre "Bon Jovi"Todas as matérias sobre "Motley Crue"Todas as matérias sobre "Sixx A.M."Todas as matérias sobre "Kiss"


Voz: 10 músicos que cantam tão bem quanto os vocalistas de suas bandas (Parte I)Voz
10 músicos que cantam tão bem quanto os vocalistas de suas bandas (Parte I)

Capa: dupla sertaneja paga mico com arte que lembra John MayerCapa
Dupla sertaneja paga mico com arte que lembra John Mayer


Slayer: assista Ivete Sangalo cantando Dead Skin MaskSlayer
Assista Ivete Sangalo cantando "Dead Skin Mask"

Em vídeo: A diferença entre ser músico e ser rockstarEm vídeo
A diferença entre ser músico e ser rockstar


Sobre Guto Heyerdahl

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280