Matérias Mais Lidas

imagemPaul Di'Anno detona Regis Tadeu após vídeo em que critica seu encontro com Iron Maiden

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemStjepan Juras retruca comentário de Regis Tadeu sobre reencontro de Di'Anno e Harris

imagemA dura crítica de Angus Young a Led Zeppelin, Jeff Beck e Rolling Stones em 1977

imagemFãs protestam contra Claustrofobia após banda fazer versão de música do Pantera

imagemComo era a problemática relação do Angra no "Aurora Consurgens", segundo produtor

imagemMorre Andy Fletcher, tecladista e membro fundador da banda Depeche Mode

imagemGeezer Butler, Heavy Metal e a clássica canção do Black Sabbath inspirada por Jesus

imagemA banda de forró que uniu Nenhum de Nós, Legião, Titãs e Paralamas na mesma música

imagemComo foram os últimos meses de Renato Russo e a causa da sua morte

imagemZakk Wylde relembra ídolo: "tão relevante quanto Bach, Beethoven e Mozart"

imagemTobias Forge, do Ghost, diz que ABBA deveria receber um Prêmio Nobel

imagemA apaixonada opinião de Elton John sobre "Nothing Else Matters", clássico do Metallica

imagemEncontro entre Paul Di'Anno e Steve Harris resultou em "algo que será discutido"

imagemNovo álbum do Krisiun será lançado em julho; veja capa e tracklist


Stamp

Radicalismo: quem disse que gosto não se discute?

Por Ricardo Seelig
Em 02/04/06

publicidade

Radicalismo. Esta palavra sempre me incomodou. Aliás, tudo que é feito em excesso sempre me deixou incomodado, seja relacionado à música ou não. Desde o início, lá longe, em meados dos anos oitenta, quando eu não passava de um menino dando os meus primeiros passos pelo mundo do rock, sempre me guiei por uma premissa básica: se eu achar bom, eu gosto, e pronto. Nunca dei muita importância para opinião dos outros, e também não esquentava a cabeça sobre o que as outras pessoas iriam pensar ao meu respeito ao descobrirem que eu gostava desta ou daquela banda.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Com o passar dos anos, com mais maturidade, você vai percebendo que a música não tem limites, que ela pode levar você a qualquer lugar, e que é você que escolhe como quer ir. Como todo garoto, descobri o rock através das guitarras distorcidas, e isso não aconteceu somente comigo. Tenho certeza de que dezenas de músicos que são execrados nos fóruns aqui do Whiplash.Net também começaram assim. Nomes como Samuel Rosa, os caras do Jota Quest e até mesmo o desprezível Chorão do Charlie Brown deram os seus primeiros passos na música ouvindo álbuns de metal, e não de outros estilos. "Paranoid", "Smoke On The Water", "Black Dog", "Rock And Roll", são faixas que estão no DNA de qualquer aficcionado por música, seja ela heavy metal ou não. E, se hoje estes mesmos artistas falam mal da música pesada, estão atestando nada mais nada menos do que o seu total preconceito com o estilo que mais cresce em todo o planeta.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mas, apesar de toda a paixão que o metal exerce sobre milhares de cabeças mundo afora, esta paixão não deve, nunca, ser confundida com radicalismo, e é aí que a coisa pega. Estou cansado de ouvir opiniões e ler mensagens de fãs que se auto-denominam "trues" e "autênticos" dizendo que apenas os grupos de metal são como eles. Ora, isso é uma grande bobagem. Bandas autênticas e dedicadas de coração à música, assim como grupos com falta de talento, existem em qualquer estilo. O que isso gera? Gera o seguinte: o "true" nunca vai ouvir grupos como, por exemplo, U2 e R.E.M., porque, para ele, estas bandas não fazem um som "verdadeiro", e, mais um clichê usado à exaustão, eles fazem um som "comercial".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

É preciso seguir em frente. Não é preciso deixar de ouvir heavy metal para ouvir outros estilos, não é isso que eu estou dizendo. O que eu estou falando é que é necessário deixar os seus ouvidos, e a sua cabeça, abertos a todo e qualquer estilo musical. Ao mesmo tempo em que a paixão pelo metal nos leva a descobrir novos e fantásticos grupos todos os dias (exemplos dentro e fora do Brasil não faltam, o que comprovam nomes como Tribuzy, Kamelot e Evergrey), novos e fantásticos artistas surgem também em outros estilos.

Vamos pegar o exemplo do U2. O grupo surgiu há mais de vinte e cinco anos em Dublin, na Irlanda. O talento e o carisma de Bono, aliados à originalidade e à criatividade de The Edge levaram o U2 a se destacar facilmente entre as centenas de bandas dos anos oitenta. A carreira do grupo pode ser dividida em três fases. A primeira tem como destaque o álbum "The Joshua Tree". A segunda, quando a banda decidiu tentar um novo caminho e não teve medo de ousar (o que, aliás, é sempre muito bem vindo quando se fala de música), tem como ápice o obrigatório "Achtung Baby", de 91. E a mais recente, quando o conjunto voltou às origens, aliando a experiência à sede de buscar novos caminhos, está representada de forma exemplar em "All That You Can´t Leave Behind". Tudo isso para dizer que, ao manter os seus ouvidos fechados, vivendo exclusivamente dentro do seu mundo "true", um headbanger estará deixando de conhecer uma das mais influentes bandas dos últimos vinte anos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Citei o U2, mas poderia ter usado como exemplo o R.E.M., os Stones, os Beatles, os Beach Boys (por favor, ouçam "Pet Sounds", só peço isso), o Wilco, o genial Neil Young, Tom Petty, Outkast ("meu deus, ele citou mesmo um grupo de rap no texto?" Sim, ele citou, e basta uma audição de "Speakerboxxx / The Love Below" para entender porque) e muitos outros, todos artistas "autênticos", "trues", com talento de sobra, que acreditam no que fazem e deram (ainda dão) uma contribuição imensa à música.

É claro que temos muito lixo musical, mas isso não está restrito ao pop, como muitos pensam. Para cada Britney Spears, para cada Strokes, temos um Iron Savior: artistas que, apesar dos estilos diferentes, partem de uma mesma premissa, requentando e dando cara nova às velhas fórmulas já usadas em demasia, embalando tudo como se fosse a última tendência musical.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Por mais que você queira acreditar, o termo heavy metal não é sinômino de qualidade musical, e o termo pop não é sinômino de lixo. Não é por fazer metal que um grupo está imune a críticas, e não é por ser pop que uma banda deve ser desprezada. Existem ótimos, e péssimos, artistas em todo e qualquer estilo. E fique tranquilo: com a sua experiência, com os anos e horas que você dedicou à música, ouvindo milhares de canções, você irá saber separar, claramente, o joio do trigo.

O Whiplash.Net é um site dedicado ao rock, e o rock corre por vários caminhos. Não, o rock não é apenas metal, é também CPM 22, Coldplay, Dave Matthews Band. Por isso, não deixe o seu radicalismo cobrir a sua visão, privando-o de conhecer dezenas de sons muito bons. Você não vai precisar parar de ouvir Dimmu Borgir só porque descobriu o Men At Work.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Abra a sua cabeça, e boa viagem.

Ricardo Seelig
[email protected]
Coluna Rock Faz Bem


Rock Faz Bem

Rock Faz Bem

Rock Faz Bem: Qual será a mais bela canção de todos os tempos?

Existem canções que possuem braços

Rock'n'Roll will never die

Não confie em ninguém com menos de 500 discos

Bandas Gaúchas: Acústico com ilustres desconhecidas no resto do Brasil

Bizz: revista volta às bancas depois de ausência de cinco anos

Angra e Sepultura: Qual o futuro das duas maiores bandas de Metal do Brasil?

Todas as matérias sobre "Rock Faz Bem"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net



publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig.