Syd Barrett: irmã diz que ele não era recluso

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Fernando Scoczynski Filho, Fonte: Sunday Times
Enviar correções  |  Comentários  | 


O “Crazy Diamond”, fundador do PINK FLOYD, não foi uma casualidade do ácido ou um recluso total – ele amava a arte, como disse a sua irmã, Rosemary, em sua primeira entrevista em três décadas, ao biógrafo Tim Willis, em julho de 2006.
5000 acessosMalmsteen: "A 1ª vez que fui ao Brasil não consegui acreditar"5000 acessosIron Maiden: Perguntas e respostas e curiosidades diversas

Quando a morte aos 60 anos de Roger “Syd” Barrett foi anunciada, a mídia levantou uma última e surpreendente aclamação ao fundador do PINK FLOYD. As suas descrições como “gênio maluco”, “recluso” e “vítima do LSD” estavam longe da realidade, de acordo com Rosemary. Ela descreve Barrett como um homem que "simplesmente não entendia” o interesse dos outros pela suas antigas obras do Pink Floyd, e que estava absorto demais em seus pensamentos para dividir o seu tempo com os fãs".

Na sua infância, Rosemary dividia um quarto com o seu irmão, e lembra que ele pulava de baixo dos lençóis e começava a conduzir uma orquestra imaginária. De acordo com ela, Syd sempre teve uma mente extraordinária, próxima do autismo, explorava ambigüidades em linguagens e chegou a sentir a “synaesthesia” (habilidade de “ver sons e escutar cores), algo que influenciaria muito a sua música psicodélica.

Como artista contratado, Syd sofria com stress. Não somente ele descobriu que a fama era uma espada de dois gumes, mas também era muito resistente às exigências comerciais de sua gravadora. Entre janeiro de 1966 e janeiro de 1968, ele fez 220 shows no Reino Unido, além de escrever, gravar e co-produzir a maioria das canções do primeiro álbum do PINK FLOYD e boa parte do segundo.

É fato que a ingestão entusiástica de qualquer droga disponível pode ter acionado algum comportamento perturbador em Barrett, assim como o stress pode provocar colapso nervoso em qualquer um. Em 1981, quando voltou a Cambridge, ele fez um pequeno – porém significante – progresso. Rosemary garante que Syd nunca sofreu de qualquer doença mental nem recebeu tratamento para isso. Ele passou um tempo em um “abrigo para almas perdidas”, onde não recebia nenhum tratamento terapêutico, e até fez algumas sessões com um psiquiatra – que não recomendou nenhum tratamento ou medicamento.

A irmã de Barrett conta: “Grande parte da vida dele era normal, de uma forma entediante. Ele cuidava de si próprio, da casa e do jardim. Ele saía de bicicleta para comprar coisas básicas, passava o dia com os vendedores e usava madeira para construir coisas para o jardim e a casa. Na verdade, Syd não era um operário muito bom, estava sempre rindo de suas tentativas, mas gostava disso[...] Quando Roger trabalhava, ele escutava fitas de Jazz: Thelonious Monk, Django Reinhardt, Charlie Parker e Miles Davis eram os seus favoritos. Excetuando os Rolling Stones, ele havia perdido interesse na música Pop há muito tempo”.

A pintura, paixão maior de Barrett, tinha um estilo próprio: ele tirava a foto de uma flor em particular, pintava uma tela da foto, tirava uma foto da tela e depois destruía a tela. “Uma vez que uma coisa acabava, acabava mesmo para ele, sem necessidade de outra visita. É por isso que ele evitou contato com jornalistas e fãs – ele não entendia o interesse em algo que aconteceu há tanto tempo atrás”, diz Rosemary.

Ela acrescenta dizendo que “Roger pode ter sido egoísta, mas as acusações de ‘recluso’ eram projeções das decepções das pessoas que utilizavam a palavra. Ele sabia o que os outros queriam, mas não estava disposto a dar. Roger era único; as pessoas não tinham um vocabulário para descrevê-lo[...] Ele era fantástico com crianças, as divertia com a forma em que falava, brincando com as palavras”.

Syd gostava de se vestir bem, e era obcecado pela limpeza de suas roupas. Ele sofreu com úlcera por 30 anos, além de desenvolver diabetes. A sua irmã conta que ele era uma pessoa muito amável, popular entre os vendedores locais, e que, debaixo de sua personalidade peculiar, era sólido como uma pedra. “Pode ter sido uma responsabilidade cuidar dele, mas nunca foi um fardo”, finaliza Rosemary.

Em 1975, em visita a Abbey Road
Em 1975, em visita a Abbey Road

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 24 de abril de 2014
Post de 25 de abril de 2014
Post de 29 de dezembro de 2016

Morte de Syd Barret

5000 acessosSyd Barrett, fundador do Pink Floyd, morre, aos 60 anos5000 acessosArtistas comentam falecimento de Syd Barrett1595 acessosMúsicos prestam novas homenagens a Syd Barrett5000 acessosAlice Cooper relembra contato com Syd Barrett2369 acessosEx empresários do Floyd falam de Syd Barrett3412 acessosCorpo de Syd Barrett é cremado em Cambridge1944 acessosObjetos pessoais de Syd Barrett em leilão3349 acessosGilmour e Bowie prestam tributo a Syd Barrett635 acessosBens de Syd Barrett vão a leilão na Inglaterra1133 acessosPertences de Syd Barret leiloados em Cambridge5000 acessosPink Floyd toca em tributo para Syd Barrett5000 acessosPink Floyd: Syd Barrett não estava "quebrado" ao falecer5000 acessosPink Floyd: irmã diz que excessos acabaram com Syd Barrett5000 acessosEm 07/07/2006: Syd Barrett morre aos 60 anos de idade0 acessosTodas as matérias sobre "Morte de Syd Barret"

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Morte de Syd Barret"0 acessosTodas as matérias sobre "Pink Floyd"

MalmsteenMalmsteen
"A 1ª vez que fui ao Brasil não consegui acreditar"

Iron MaidenIron Maiden
Perguntas e respostas e curiosidades

João GordoJoão Gordo
Quais são as bandas que ele ouve hoje em dia?

5000 acessosHistória do Rock: dos primórdios aos anos 705000 acessosJack Bruce: "Foda-se o Led Zeppelin, eles são um lixo!"5000 acessosKid Vinil: "Uns 10 mil vinis e mais uns 10 mil CDs!"5000 acessosMetallica: Kirk Hammett sempre teve muita empatia por Dave Mustaine3538 acessosBaixos e Guitarras: Os mais estranhos da Namm 20165000 acessosMetal Hammer: Vocalistas com infâncias problemáticas

Sobre Fernando Scoczynski Filho

Estudante de Direito de Ponta Grossa (PR), desde criança orientado pelos pais a escutar blues e rock, com muito Led Zeppelin e Black Crowes. Apaixonado por música (e por escrever), tem um gosto que vai de Beatles e Pink Floyd até White Stripes e Queens of the Stone Age, passando por Radiohead e Nine Inch Nails.

Mais matérias de Fernando Scoczynski Filho no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online