Filme mostra John Lennon como Superman

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Fonte: Terra Música
Enviar correções  |  Ver Acessos

Um filme novo sobre a campanha pacifista de John Lennon e as tentativas do governo dos EUA de silenciá-lo mostra o ex-Beatle como um Superman que combate o mal, mas não o santifica, diz a viúva do músico, Yoko Ono.

Terry O'Neill: Morre, fotógrafo que trabalhou com Beatles, Stones e outros gigantesGuns e Sabbath: semelhança entre Zero the Hero e Paradise City

The U.S. vs John Lennon, que será lançado em Nova York e Los Angeles na sexta-feira, é um documentário composto de imagens de noticiários antigos de TV e vídeos caseiros raramente vistos.

O filme documenta a espionagem do FBI sobre Lennon e a batalha do músico contra as autoridades de imigração que tentaram deportá-lo nos anos 1970, em um esforço, segundo o filme, para sufocar o ativismo de Lennon contra a Guerra do Vietnã.

O crítico da revista Variety Phil Gallo disse que o filme faz a crônica convincente de "um artista que se manteve fiel a seus princípios por meio do ativismo", mas apontou falhas.

"Ao conseguir que Yoko Ono cooperasse e abrisse seus arquivos, a trama segue a biografia aprovada por Ono que mostra Lennon como um santo, excluindo do filme seus períodos sombrios e os anos em que os dois estiveram separados, que poderiam ter tornado o retrato mais profundo", comentou Gallo.

"Não acho que ele seja mostrado como santo", disse Yoko em entrevista à imprensa, citando cenas em que Lennon aparece irado ou impaciente. "A luta que ele travou contra esses grandes poderes é quase como uma atitude muito interessante de Superman - o mal contra o bem", disse ela.

The US vs. John Lennon traz entrevistas inéditas com George McGovern, o candidato presidencial democrata que perdeu para Richard Nixon em 1972, com o jornalista Carl Bernstein, que ajudou a divulgar o caso Watergate responsável pela queda de Nixon, com o ex-assessor de Nixon G. Gordon Libby e com ex-agentes do FBI.

John Scheinfeld, que escreveu e dirigiu o filme em parceria com David Leaf, disse: "No cerne de nossa história está um presidente que extrapolou os limites da ação permissível a ele, estão vigilância e escuta telefônicas ilegais e a idéia de que quem criticasse tudo isso era antipatriota. É uma idéia que nos soa familiar".

Paralelo entre Nixon e Bush
O filme traça paralelos claros entre a administração Nixon e a do presidente George W. Bush e também entre as guerras do Vietnã e do Iraque.

Yoko Ono disse em entrevista à Reuters que os cineastas passaram dois anos trabalhando no filme, "de modo que o timing (do lançamento) é apenas algo como um milagre que nos foi concedido".

O crítico Kirk Honeycutt, do The Hollywood Reporter, disse que o acesso incomum aos arquivos de Ono permite que o filme faça o ex-Beatle reviver diante do espectador.

"Seu senso de humor juvenil e sua inteligência ágil são uma lufada de ar fresco nesta nossa era de vozes estridentes de todos os setores do espectro político. John Lennon é alguém que nos faz falta", escreveu Honeycutt.

John Lennon foi assassinado por um fã desequilibrado em dezembro de 1980 diante do edifício Dakota, em frente ao Central Park em Nova York, onde Yoko vive até hoje.

O filme inclui imagens extensas do famoso "Bed-in" encenado por Lennon e Ono em 1969, quando eles passaram a semana de sua lua-de-mel numa cama de hotel em Amsterdã, convidando a imprensa a filmar e entrevistá-los sobre sua campanha pela paz.

Yoko disse que, se Lennon estivesse vivo, ele ainda estaria se manifestando publicamente, se bem que provavelmente "de uma maneira diferente."

"Estaríamos fazendo um 'bed-in' todos os dias de qualquer maneira, mas isso não vem ao caso", disse ela.

Reuters




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Cinema e TV"Todas as matérias sobre "Beatles"Todas as matérias sobre "John Lennon"


Terry O'Neill: Morre, fotógrafo que trabalhou com Beatles, Stones e outros gigantesTerry O'Neill
Morre, fotógrafo que trabalhou com Beatles, Stones e outros gigantes

Beatles: morre aos 82 anos Robert Freeman, fotógrafo da bandaBeatles
Morre aos 82 anos Robert Freeman, fotógrafo da banda

Taylor Hawkins: Tudo o que veio depois dos Beatles é uma cópia muito boaTaylor Hawkins
"Tudo o que veio depois dos Beatles é uma cópia muito boa"

Sucesso: gráfico em vídeo mostra artistas mais vendidos de 1969 a 2019Resenha - Abbey Road - Beatles

Foo Fighters: Taylor Hawkins cita os discos favoritos de quando era criançaFoo Fighters
Taylor Hawkins cita os discos favoritos de quando era criança

Foo Fighters: Dave Grohl revela canção em homenagem a George HarrisonFoo Fighters
Dave Grohl revela canção em homenagem a George Harrison

Grandes covers: dez versões para "All My Loving", dos Beatles

Ringo Starr: eterno baterista dos Beatles lança o álbum What's My Name; ouçaRingo Starr
Eterno baterista dos Beatles lança o álbum What's My Name; ouça

Regis Tadeu: coisas que você não sabia sobre o "Sgt. Peppers" dos Beatles

Beatles: por que Tolkien vetou a versão de Senhor dos Anéis?Beatles
Por que Tolkien vetou a versão de Senhor dos Anéis?

Sgt. Peppers: O mais importante disco da história?Sgt. Peppers
O mais importante disco da história?


Guns e Sabbath: semelhança entre Zero the Hero e Paradise CityGuns e Sabbath
Semelhança entre Zero the Hero e Paradise City

Black Sabbath: O acidente que tirou as pontas dos dedos de IommiBlack Sabbath
O acidente que tirou as pontas dos dedos de Iommi


adClioIL