Regis Tadeu: "Dia Mundial Do Rock não tem importância!"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Emanuel Seagal, Fonte: Yahoo Música
Enviar Correções  

Regis Tadeu, editor das revistas Cover Guitarra, Cover Baixo, Batera, Teclado & Piano e Studio, escreveu em sua coluna no Yahoo! a respeito do Dia Mundial Do Rock.

Que Falta Faz: Paulo Baron conta histórias inéditas de bastidores sobre LemmyBon Jovi: as fotos do vocalista com mulheres nuas em 1985

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Confira um trecho do artigo:

"Em 2009, o rock brasileiro está em uma encruzilhada de um único caminho

Hoje comemora-se o Dia do Rock, uma data sem qualquer significado prático, que tem o mesmo valor que o Dia do Quiroprático e o Dia do Pasteleiro. E a data não tem a menor importância justamente porque não há motivo para comemoração, principalmente se levarmos em conta o que anda acontecendo no rock brasileiro.

E não escrevo isso por conta de uma hipotética ausência de bons nomes dentro do cenário nacional - pelo contrário, algumas bandas andam fazendo trabalhos muito interessantes -, mas por causa do absoluto desinteresse das pessoas em saber o que anda acontecendo no rock brasileiro.

É isso mesmo o que você acabou de ler. A grande maioria das pessoas acha que bandas razoavelmente antigas - Titãs, Paralamas, Barão Vermelho, Engenheiros do Hawaíi - ainda servem de parâmetro para o cenário nacional. Infelizmente, não servem mais, principalmente pelo fato de que estas mesmas bandas não conseguiram renovar o seu público - o único dos grupos remanescentes do chamado 'BRock' dos anos 80 que conseguiu tal proeza foi o Capital Inicial, muito menos por sua música e muito mais por conta do apelo do vocalista Dinho Ouro Preto com a mulherada adolescente, que transborda progesterona. Também é estarrecedor perceber que essa massa de pessoas pensa que o rock brasileiro atual resume-se a meia dúzia de bandas emos, com 'destaque' para os pavorosos NxZero, Fresno, o sumido CPM 22 e outros menos votados.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O mais incrível é que o desinteresse das pessoas por aquilo que rola hoje em dia acontece no momento em que toda e qualquer informação musical está disponível a todos na Internet. Não há mais desculpa para alguém dizer que não teve a oportunidade de conhecer um determinado disco de uma banda brasileira. Tudo está à disposição. Mesmo assim, bandas nacionais novas e bacanas ainda tem que penar, se submetendo a tocar em condições precárias nas pouquíssimas casa de shows existentes nas grandes metróples, o que também é um contrasenso inacreditável. Além disso, não há mais o apoio '$incero' das rádios, já que as gravadoras não têm mais 'verba de divulgação' para seus artistas, e nem mesmo a MTV tem hoje o importante papel que desempenhou no passado.

O que resta às bandas? Divulgar os seus trabalhos como puder, tocando em festivais de qualidade sofrível, disponibilizando imagens de shows e clipes no YouTube, rezando para serem notados, e contar com o interesse de uma molecada cada vez mais ávida pela quantidade e não pela qualidade. Hoje, tudo envelhece muito rápido. Uma banda relevante do mês passado já é considerada ultrapassada no mês seguinte.

É claro que tem muita gente fazendo porcaria, mas isso acontece em qualquer segmento musical, seja ele brasileiro ou internacional. Mas isso não pode ser usado como desculpa para alimentar o desinteresse por um cenário que cada vez mais se transforma em uma 'operação de guerrilha', em que bandas bacanas tentam conquistar corações e mentes de modo lento e gradual.

Sabe a tal 'encruzilhada' que cito no título deste artigo? Ela se refere às duas opções que o rock brasileiro em geral têm nos dias atuais: sair de sua 'zona de conforto' e buscar novas alternativas de divulgação na internet ou cativar novos públicos com shows incessantes. Só que a tal 'encruzilhada', na verdade, é um caminho único, pois uma coisa depende e, ao mesmo tempo, complementa a outra. E isso vale tanto para bandas já estabelecidas como para aquelas que ainda estão restritas às garagens e estúdios cheirando a mofo."

A matéria completa pode ser conferida no link abaixo.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Que Falta Faz: Paulo Baron conta histórias inéditas de bastidores sobre LemmyQue Falta Faz
Paulo Baron conta histórias inéditas de bastidores sobre Lemmy

Regis Tadeu: 5 discos que moldaram seu caráter (vídeo)Regis Tadeu
5 discos que moldaram seu caráter (vídeo)

Nervosa: Regis Tadeu fala sobre o futuro da banda (vídeo)Nervosa
Regis Tadeu fala sobre o futuro da banda (vídeo)

Regis Tadeu: "Little Richard é o pai do rock and roll"

Kiko Loureiro: no Megadeth eu sou o cara que opina sem medoKiko Loureiro
"no Megadeth eu sou o cara que opina sem medo"

Regis Tadeu: os 40 anos de British Steel, do Judas PriestRegis Tadeu: 40 anos do British Steel, do Judas Priest

Regis Tadeu: os 40 anos do primeiro álbum do Iron Maiden (vídeo)Regis Tadeu
Os 40 anos do primeiro álbum do Iron Maiden (vídeo)

Regis Tadeu: detonando as lives sertanejas em seu novo vídeoRegis Tadeu
Detonando as lives sertanejas em seu novo vídeo

Regis Tadeu: Luis Mariutti, Andria Busic e Júnior Groovador debatem o baixo (vídeo)Regis Tadeu
Luis Mariutti, Andria Busic e Júnior Groovador debatem o baixo (vídeo)


Regis Tadeu: e Axl Rose queimou a nossa língua...Regis Tadeu
E Axl Rose queimou a nossa língua...

Regis Tadeu: agradecendo elogios pela matéria sobre o Iron MaidenRegis Tadeu
Agradecendo elogios pela matéria sobre o Iron Maiden


Bon Jovi: as fotos do vocalista com mulheres nuas em 1985Bon Jovi
As fotos do vocalista com mulheres nuas em 1985

Big Four: astros da cena Heavy escolhem banda preferidaBig Four
Astros da cena Heavy escolhem banda preferida


Sobre Emanuel Seagal

Descobriu o metal com clássicos como Iron Maiden e Black Sabbath. Hoje em dia, entre outros gêneros musicais, e sem se limitar a rótulos, ouve principalmente doom, viking e folk metal. Sempre que possível está em busca de novas bandas que tenham algo a transmitir alem de clichês, e mesmo em meio a tantas novidades não dispensa pérolas como o bom e velho Candlemass. Acompanha o Whiplash! desde os primórdios, tendo iniciado sua vida de internauta no mesmo ano de criação do site (1996). Há algum tempo está envolvido com metal, seja trabalhando com eventos, bandas, gravadoras ou imprensa, na tentativa de contribuir de alguma forma para o crescimento desse que é um dos segmentos mais apaixonantes da música, o metal.

Mais informações sobre Emanuel Seagal

Mais matérias de Emanuel Seagal no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline