Stone Temple Pilots: Estamos tão dedicados quanto no começo

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Lucas Steinmetz Moita, Fonte: Blabbermouth
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

O editor Rick Florino, da ARTISTdirect.com, conduziu uma entrevista com Scott Weiland (STONE TEMPLE PILOTS/ex-VELVET REVOLVER). Alguns trechos da conversa podem ser vistos abaixo.

Intrigas: Bandas em família que terminaram malKing Diamond: As opiniões do rei sobre Satanismo

A função de reunir para a turnê foi uma influência para a nova música?

Weiland: "Eu realmente acho que nós tinhamos gravado antes da turnê [risos]. Contando com o fato que discos de rock não vendem da mesma maneira que costumavam e definitivamente havia um mercado para os shows do STP, nós viajamos por bastante tempo - alguns anos, alternadamente, desde 2008. Nós tocamos apenas os hits. Mesmo quando eu estava no VELVET REVOLVER, eu tinha o sentimento que o STP não havia realmente terminado e nós nunca nos separamos oficialmente. Se você olhasse para isso como uma estante com uma coleção de livros, havia um livro faltando. A história não estava completa ainda. Desde o início, nosso principal objetivo e desejo não era merecer Maseratis que chegam a 185 milhas, era criar um legado. Éramos influenciados, principalmente, pelos melhores do passado - THE ROLLING STONES, BEATLES e LED ZEPPELIN junto com o que estava vindo entre os anos 80 e 90. Esta foi a última vez e, talvez, a única vez que houve um verdadeiro movimento no rock n roll que chocou e acordou a juventude. Os acordou em uma maneira social e política".

Os fãs sempre sentiram essa honestidade nas suas músicas, e isso com certeza estará no novo álbum!

Weiland: "Nós simplesmente somos tão dedicados e jovens (musicalmente e fisicamente) como nós éramos na época que começamos. Apenas estamos com fome. Acho que estamos mostrando um show que compete com qualquer show que fizemos nos anos 90. Somos uma banda de quatro membros que toca ao vivo tudo o que escrevemos".

No fim das contas, o que este álbum significa pra você?

Weiland: "Significa uma sensação de liberdade. Sinto que essa gravação está no topo junto com 'Purple', assim como é progressivo, continua rock and roll. Nós sabíamos que estávamos correndo um grande risco quando decidimos fazer o 'Shangri-La Dee Da' (álbum anterior). Esse seria, originalmente, um disco duplo. Ele foi lançado em um tempo que todas as crianças da Disney estavam começando a entrar na moda e as boy bands estavam fazendo sucesso. No fim, eu senti que aquele álbum poderia também ser considerado um dos nossos melhores".

Leia a entrevista completa (em inglês) no ARTISTdirect.com.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Stone Temple Pilots"


Scott Weiland: 7 músicas em que ele mostrou a que veioScott Weiland
7 músicas em que ele mostrou a que veio

Stone Temple Pilots: Jeff Gutt foi amigo de Chester BenningtonStone Temple Pilots
Jeff Gutt foi amigo de Chester Bennington


Intrigas: Bandas em família que terminaram malIntrigas
Bandas em família que terminaram mal

King Diamond: As opiniões do rei sobre SatanismoKing Diamond
As opiniões do rei sobre Satanismo


Sobre Lucas Steinmetz Moita

Formado em Jornalismo pela Unisinos, atua em duas áreas bastante bipolares: música pesada e teologia. Proprietário do site CristianismoHardcore.com.br, atuou durante 5 anos com o Programa MoitaRock, entrevistando diversos artistas nacionais e internacionais (como Andre Matos, Angra, Sebastian Bach e Blind Guardian). O Programa MoitaRock foi extinto, mas o trabalho com vídeo e entrevistas continua em HeavyTalk.com.br, ao qual também administra.

Mais informações sobre Lucas Steinmetz Moita

Mais matérias de Lucas Steinmetz Moita no Whiplash.Net.