A Cólera dos Deuses: como surgiu o Big 4, por eles mesmos

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nacho Belgrande, Fonte: Site do LoKaos Rock Show
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto abaixo foi extraído de uma edição especial da revista estadunidense REVOLVER dedicada ao BIG FOUR. Essa seção recapitula os primórdios do Slayer e do Metallica, que tinha então em sua line-up o futuro líder do Megadeth, DAVE MUSTAINE, e traz entrevistas com Mustaine, Lars Ulrich do Metallica, Tom Araya, Dave Lombardo e Kerry King do Slayer. As fotos ilustrativas são de BILL HALE, que recentemente lançou um livro chamado Metallica: Club Dayz 1982 – 1984, que tem uma quantidade inacreditável de excelentes fotos desse período da música. Voltemos ao começo então.

1251 acessosMetallica: a música preferida dos fãs nos shows ao vivo5000 acessosMetallica: as extravagâncias da banda para tocar no Rock in Rio

O Slayer e o Metallica tocaram juntos no começo em Los Angeles, antes do Metallica se mudar para São Francisco. O que vocês se lembram de terem visto um ao show do outro?

TOM ARAYA: Nós tocamos com eles num clube chamado Woodstock em Anaheim no começo dos anos 80. Eu o achei demais. Tínhamos conseguido uma fita de ‘Hit The Lights’ deles, que era do caralho. Quando eu os vi, foi com Ron McGovney e Dave Mustaine tocando. Eu acho que vimos a formação original.

KERRY KING: Ver Dave tocar no Metallica foi a razão pela qual eu virei fã de Mustaine antes deu tocar no Megadeth. Quando isso aconteceu, fiquei lisonjeado por ele me querer na banda, para um garoto na minha idade, eu pensava, ‘Wow, eu devo estar mandando bem se esse cara me quer numa banda com ele. '

DAVE LOMBARDO: Pelo que eu me lembro do show do Metallica, era brutal. Era Metal, tipo Metal mais sombrio do que Judas Priest. Tinha mais pegada. Essa é a melhor maneira de descrever aquilo.

Lars, o que você achou do Slayer?

LARS ULRICH: Eu lembro que havia um cover do Deep Purple no repertório deles. Eu acho que era “Highway Star”, que era muito bom. É 1982, você está em Los Angeles, e basicamente tudo que está rolando nessa altura tem um pique meio Mötley Crüe.

ARAYA: Nós inventamos nosso tipo de música, morando em Los Angeles, querendo ser contra a cena metálica de lá. Porque todo mundo estava se vestindo feito mulher e nós queríamos parecer homens «risos». Nós desenvolvemos um estilo de música que obviamente ofendia muita gente em LA «risos».

ULRICH: Quando nós assistimos ao Slayer, eles estavam claramente fazendo algo que era ainda mais diferente do que as outras bandas que ficavam no meio termo. E eles faziam tudo mais rápido e mais pesado.

O lugar no qual tocamos com eles era meio que um porão vagabundo no condado de Orange, nos arredores da cidade. Claro que naquela época eles não eram o Slayer de ‘Angel of Death’ ainda, mas estavam indo nesse rumo. E você com certeza conseguia sentir que essa era uma força musical para se respeitar.

Esta matéria pode ser lida na íntegra no site do LoKaos Rock Show:
http://lokaos.net/o-crepusculo-dos-falsos-como-surgiu-o-big-...

Agradecimentos: Nathália Plá

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 27 de agosto de 2011

MetallicaMetallica
A música preferida dos fãs nos shows ao vivo

237 acessosMeshuggah: e se "Bleed" tivesse a bateria de "St. Anger"?305 acessosMetallica: vídeo profissional de "Creeping Death" em Miami0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Metallica"

MetallicaMetallica
Banda cover foi cobrada em US$1 pelo logo mas não teve de pagar

Lars UlrichLars Ulrich
Vomitando no camarim do Guns N' Roses

Rockers respondemRockers respondem
O que você achou do novo do Metallica? Parte 1

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Metallica"0 acessosTodas as matérias sobre "Megadeth"0 acessosTodas as matérias sobre "Slayer"0 acessosTodas as matérias sobre "Anthrax"

MetallicaMetallica
As extravagâncias da banda para tocar no Rock in Rio

Tom GrossetTom Grosset
O mais rápido baterista do mundo segundo o Guinness

Max CavaleraMax Cavalera
"Deveríamos ter demitido os dois e mantido o nome"

5000 acessosAskmen.com: site elege as dez melhores músicas do Nirvana5000 acessosAnitta: "Eu era roqueira. Comecei no funk por destino."5000 acessosOzzy Osbourne: Sharon conta como o Madman tentou assassiná-la5000 acessosIron Maiden: uma releitura de "The Trooper" pelo Cine2604 acessosQuadradinho de oito hardcore no show do Dead Fish5000 acessosAndre Matos: "Não estava preparado para cantar no Maiden!"

Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online