Allen Lande: entrevista com Timo Tolkki para a Melodic Rock

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Samii Mittelstaedt, Fonte: Adrenaline Mob Brasil, Tradução
Enviar Correções  

A revista italiana Melodic Rock na edição número 64, traz uma entrevista com Timo Tolkki (ex-Stratovarius, Revolution Renaissance, Timo Tolkki's Avalon) que conta, com exclusividade alguns detalhes do novo álbum do projeto Allen Lande. Além da antrevista, a revista fez uma resenha do 4º álbum do projeto. Para ver a review traduzida, acesse o nosso Facebook. Agora, segue abaixo a entrevista traduzida da revista Melodic Rock deste mês:

Bateristas: os dez músicos mais loucos de todos os tempos

A História Impopular dos Rolling Stones

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"ENTREVISTA COM TIMO TOLKKI:

"The Great Divide" é o quarto álbum [do projeto] porém acontece uma grande mudança que é a entrada de Timo Tolkki como produtor e compositor. O que Timo trouxe para destacar este álbum dos demais?
R: Eu não sou a melhor [pessoa] para falar. Acho que é um ótimo álbum de Heavy Metal. Não escutei os três primeiros álbuns, então não posso dizer nada sobre este.

Você preparou alguma coisa que seja diferente dos três primeiros álbuns?
R: Não, eu não tenho uma fórmula para fazer isso [compor]. Eu deixo fluir [as idéias], e foi assim com este álbum.

Quando foram compostas as linhas de vocal, quem decidiu o que cada um cantou?
R: O produtor, que neste caso, fui eu.


Com as boas críticas dos três primeiros álbuns, houve alguma pressão para continuar a tendência [em relação a esse quarto álbum]?

R: Um pouco. Senti-me muito lisonjeado quando fui chamado para fazer isso. Basicamente, escrevi as músicas sem pensar muito nisso.

Você vê esse álbum como um progresso do projeto Allen/ Lande?
R: Não porque as músicas são totalmente diferentes do três primeiros. Talvez seja um novo começo.

Os três primeiros álbuns foram escritos por Magnus Karlsson, quem decidiu escolher Timo para compor, desta vez?
R: Serafino [Perugino, chefe da Frontiers Records] me perguntou se poderia fazer isso.

O que Timo trouxe de novo em matéria de ser tanto produtor como compositor a esse novo álbum?
R: Acho que trouxe melodias memoráveis com ritmos cativantes.

Analisando os três álbuns anteriores e este novo, quais são as faixas que mais se destacam e por quê?
R: Eu gosto bastante de "Lady of Winter" e a faixa título.

Se as agendas [de todos os envolvidos] não baterem e os planetas tiverem alinhados, você consideraria uma turnê do Allen Lande, porque acredito que os fãs adorariam que isso acontecesse?
R: Claro.

Você poderia comentar todas as faixas do álbum?
R: COME DREAM WITH ME – Faixa que abre o álbum. Bem melodiosa e com um refrão cativante. Ritmos e refrões cativantes é o que resume este álbum. A letra tem uma mensagem positiva para nunca desistir de seus sonhos.
DOWN FROM THE MOUNTAIN – Um mid-tempo pesado [hãm? Músicos acho que entenderão] com um riff que complementa a ótima voz de Jorn Lande. Russell Allen e Lande alternam na música de um jeito interessante e, então trocam os refrões. Esta música é puro Heavy Metal.
IN THE HANDS OF TIME – Esta música que é extremamente rápida tem uma mensagem que, basicamente somos impotentes nas mãos do tempo. Uma típica música do Stratovarius com um bom solo de guitarra.
SOLID GROUND – Música com algumas influências e efeitos de música oriental. O refrão é um dos melhores de todo o álbum e Lande nos traz um excelente desempenho vocal que completa a melodia perfeitamente. Sua voz tem "poder bruto" que raramente é ouvido [de outros vocalistas].
LADY OF WINTER – Música melódica e uma baladinha sobre uma dama que não é capaz de ver que sempre há algo positivo em tudo [que acontece]. Por isso ela está sempre fadada a sonhar com o gelo e a neve e ela perambula pelo ar nebuloso de outono. Música bem melodiosa com um ótimo refrão.
DREAM ABOUT TOMORROW – Outra faixa matadora. A melodia positiva alterna entre Allen e Lande fazendo o ouvinte pedindo mais. O refrão é bem contagiante, quase que comercial e a música tem ótimas guitarras e um maravilhoso solo.
HYMN TO THE FALLEN – Uma música que é dedicada a todos que morreram em guerras. Ótimo e poderoso riff que acompanha a ponte e o refrão. O trabalho vocal é excelente. A música é "pesada" e ainda sim melódica e acaba definindo todo o álbum: [uma mistura de] pesado e melódico. Outro maravilhoso solo complementa a música.
THE GREAT DIVIDE – A faixa-título é a minha música favorita de todo o álbum. Para mim, nunca escutei Jorn Lande cantar de um jeito tão poderoso e emocionante. Seu vocal nessa música é incrivelmente poderoso e emotivo. A música tem sete minutos que contém um solo sereno que completa com os vocais, cada vez mais. Uma excelente performance e uma ótima música.
REACHING FOR THE STARS – Música cantada somente por Russell Allen. Um midtempo e versos melódicos. Tem um refrão poderoso e o riff completa a letra que falo sobre o destino e como não podemos escapar dele. Um maravilhoso e melódico solo de guitarra completa a música.
BITTERSWEET – Uma balada que começa com um piano. É sobre uma pessoa que não esquece de algo que já passou mas, em vez disso, guarda ódio e negatividade. A atmosfera e a melodia da música contradiz [a letra], mas foi feito de propósito. A música tem uma bela melodia de vocal e solo."




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Bateristas: os dez músicos mais loucos de todos os temposBateristas
Os dez músicos mais loucos de todos os tempos

A História Impopular dos Rolling StonesA História Impopular dos Rolling Stones


Sobre Samii Mittelstaedt

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

Goo336x280