Matérias Mais Lidas

imagemO reencontro entre Steve Harris e Paul Di'Anno na Croácia

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemAdrian Smith conta como Iron Maiden permaneceu forte e era grunge passou

imagemDee Snider cutuca bandas com falsas aposentadorias e ingressos caros

imagemRoger Daltrey revela a música "amaldiçoada" que o The Who não toca mais ao vivo

imagemSystem of a Down: por que Serj Tankian não joga mais nenhum vídeo game?

imagemOzzy Osbourne diz que "tinha muito o que provar" com "No More Tears"

imagemNicko McBrain, do Iron Maiden, mostra o seu novo (e enorme) kit de bateria

imagemEddie aparece em versão samurai no primeiro show do Iron Maiden em 2022; veja foto

imagemMetade das pessoas com menos de 23 anos desconhecem Pink Floyd, David Bowie e Bon Jovi

imagemO clássico do Helloween que fez Angra mudar nome original de "Running Alone"

imagemJen Majura disse que sair do Evanescence não foi decisão dela e recebe apoio dos fãs

imagemAngra: Quantos shows seguidos a voz aguenta sem restrições? Fabio Lione responde

imagemSentado em cadeira de rodas, Paul Di'Anno faz primeiro show em sete anos

imagemLars Ulrich diz que shows do Metallica na América do Sul foram incríveis


Steve Vai: "Whitesnake me tratou como rei, todos toleraram o pretensioso aqui"

Por Igor Miranda
Fonte: Guitar World
Em 14/04/20

O guitarrista Steve Vai refletiu sobre sua passagem pelo Whitesnake em entrevista à Guitar World. O músico só gravou um disco com a banda, "Slip of the Tongue" (1989), antes da formação se dissolver, no ano seguinte - justamente quando Vai divulgou seu primeiro grande trabalho solo, "Passion and Warfare".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O músico definiu seu período com o Whitesnake como "perfeito". Em seguida, explicou os motivos: não tinha que liderar a banda, contava com o "melhor vocalista do mundo na época" e ainda era tratado como rei.

"Os caras eram fantásticos. Rudy Sarzo (baixista) é o mais legal do mundo. Tommy Aldridge (baterista) é hilário e talentoso. Adrian Vandenberg (guitarrista) era fantástico, muito culto, e era um grande músico com ótimo tom. E todos toleraram minha atitude e o fato de eu ser pretensioso", afirmou.

Vai comentou que "Slip of the Tongue" é um grande álbum, "mesmo sendo um pouco diferente dos outros do Whitesnake". Ele refletiu, ainda, sobre a forma como tocava naquela época - após tantos anos, o guitarrista assistiu novamente ao show no Monsters of Rock em Donington, de 1990, e se surpreendeu.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Há alguns anos, vi aquele show e não acreditei. Era muito feroz, tinha uma agressão forte, além de muito controle. Na época, eu achava que não era tão bom, não entendia por que as pessoas reagiam tão bem à forma como eu tocava", disse.

O músico refletiu que muitos outros pensam dessa mesma forma quando analisam seus próprios trabalhos. "Você sente que está tocando a coisa certa, mas sempre tem aquele pensamento de que dá para fazer mais, ou melhor. Você vai ficando mais velho e nota que não reconhecia, antes, o quanto era bom", afirmou.

'Não troco por nada'

Nesta mesma entrevista, mas publicada em outra matéria, Steve Vai disse que não trocaria por nada as experiências que teve com Whitesnake e David Lee Roth. Porém, disse que sempre enxergou esses trabalhos como "passageiros".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Amava esses caras e não troco essas experiências que tive com eles por nada. Porém, enquanto passava por tudo isso, vi como era fácil criar uma identidade, do tipo: 'sou um rockstar, toco em arenas, venço todas as enquetes de melhor músico, ganho tanto dinheiro, então, esse sou eu e vou me prender a isso para sempre'. Isso sempre me pareceu um pensamento insano. Claro que curti tudo aquilo, mas sabia que não faria aquilo a vida toda, porque a música que eu tinha guardada em mim precisava sair. Caso contrário, minha carreira seria um fracasso retumbante", explicou.

imagemSteve Vai: "Não troco por nada as experiências com David Lee Roth e Whitesnake"

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Deep Purple: Jon Lord, David Coverdale e Glenn Hughes tentaram fazer reunião

Doug Aldrich: Quando Ronnie Dio encarou um grandão no bar



Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Começou a escrever sobre música em 2007 e, algum tempo depois, foi cofundador do site Van do Halen. Colabora com o Whiplash.Net desde 2010. Atualmente, é editor-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia o portal Cifras, Ei Nerd e outros. Mantém um site próprio 100% dedicado à música. Nas redes: @igormirandasite no Twitter, Instagram e Facebook.

Mais matérias de Igor Miranda.