Música Pesada: Os patinhos feios da coleção

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Michel Sales
Enviar Correções  

Não é tarefa das mais fáceis destacar o melhor disco de cada grupo, mas imaginemos então quais bandas de Heavy Metal e Classic Rock contrariaram a estimativa dos fãs com lançamentos duvidosos? Essa é uma pergunta também severa de responder, já que o mérito ou demérito cabe somente ao ouvinte, mas é notório observarmos dentre as infindáveis listas de críticos do assunto - ou mesmo da bocarra dos fãs - que determinada banda e certo disco acabou descaracterizando a sequencia sagrada de petardos de outros tempos.

Nuno Bettencourt: Rihanna canta muito, mas ele não quer mais tocar com ela

Kiss: as 10 músicas mais "demoníacas" da banda

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Como exemplo, eu poderia citar o St. Anger, do Metallica, dentre o pior álbum da discoteca dos caras, justificar minhas linhas como todo mundo já fez na época e o fazem até hoje, etc., mas o interessante desta discussão é causar no leitor uma grande duvida, de maneira que ele busque escutar o disco e tirar suas conclusões, do que somente alguém desdenhar no computador os lançamentos supostamente equivocados, referindo juízo como se fosse uma reza para ser decorada e replicada no universo musical.

Pensar dessa forma é a maneira mais sensata para um bom apreciador de música, no que ele certifique sua exclamação na certeza se realmente o St. Anger é mesmo o patinho feio do Metallica - ou se o Forbbiden ou Born Again também são monstruosos na discografia do Black Sabbath - ou ainda o Virtual XI do Iron Maiden, etc.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ou seja, se referente assunto vira e mexe a opinião do público, esse tema também deve importar para o músico que lucra com o lançamento de seu disco, pois seguramente ele não vai querer seu trabalho refutado no espaço e no breu além das galáxias. Dessa forma, a banda que lançou uma grande cagada no mercado frente a opinião da maioria, não mais vai querer entupir o vaso da rejeição, mesmo que ainda seja rentável a expressão ‘fale bem ou fale mal, mas falem de mim’.

Neste multiverso musical em que pisamos cada disco tem sua história e representa reflexões diversas para o ouvinte. Bandas como o Pink Floyd, Led Zeppelin, Van Halen, Megadeth e Kreator lançaram os ‘escrachados’ The Final Cut, In Through The Out Door, Diver Down, Risk e Endorama, respectivamente. Estes discos marcaram época e se tornaram icônicos nas discografias e no boca a boca.

Porém, raramente a gente presencia uma lista de ‘patinhos feios’ - cujos discos não se parecem em nada com os outros, ou melhor, só nos contornos, e mesmo assim de longe. Então, numa lista inusitada destas um camarada ‘escaralhou’ o álbum Tyr, décimo quinto clássico de estúdio do Black Sabbath. O petardo foi lançado em 1990 remetendo a mitologia nórdica. Na formação constavam Tony Martin (V), Cozy Powell (D), Neil Murray (B) e Geoff Nicholls (K). Tyr é um disco que soa sombrio, voraz, melódico e épico na dose certa sob a ‘riferama’ memorável de Tony Iommi (G), um álbum que por muitos fãs é considerado medonho na discografia do Black Sabbath e que eu jamais havia notado uma vírgula errada em qualquer frase sobre esse clássico. Por essas e outras eu acabei fritando os miolos sobre o quanto a opinião de um critico serve para afastar o ouvinte de determinado disco - que para ele poderia ser um surpreendente trabalho.

Sem mais delongas, se você ainda não ouviu os álbuns citados acima, ouça, reflita e tire suas conclusões. Tyr seria um álbum que ilustraria sua lista dentre os piores discos de todos os tempos?




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Nuno Bettencourt: Rihanna canta muito, mas ele não quer mais tocar com elaNuno Bettencourt
Rihanna canta muito, mas ele não quer mais tocar com ela

Kiss: as 10 músicas mais demoníacas da bandaKiss
As 10 músicas mais "demoníacas" da banda


Sobre Michel Sales

Jornalista formado pela Universidade Federal de Roraima (UFRR), com pós-graduação em Teologia Pastoral pelo Instituto Padre Calleri/UFRR. Atualmente está concluindo a graduação de Licenciatura em Educação Física pela Universidade Estadual de Roraima (Uerr). Começou a escrever sobre Cultura em 2004, iniciou em blogs, depois atuou na equipe de redação da revista Somos, da Fecomércio (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Roraima), trabalhou na assessoria de Comunicação do Sesc-RR (Serviço Social do Comércio) e na redação do Jornal Folha de Boa Vista. Tem colaborado com o portal Whiplash.Net desde 2020, nutre gosto por fotografia e colecionismo de Discos, Quadrinhos, Figuras de Ação e Filmes. Nas redes sociais: michel.sales.33 ; @mythospoetico #hellfireclub #rrclubehq .

Mais matérias de Michel Sales no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline