RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA icônica reportagem de Glória Maria em que Raul Seixas disse que foi atropelado por onda

imagemAs frases que Taylor Hawkins disse repetidamente para Ozzy Osbourne semanas antes de morrer

imagemMax Cavalera escolhe seus álbuns "não metal" preferidos

imagemO grande amor de Renato Russo que durou pouco mas marcou sua vida para sempre

imagemA inesperada opinião de Bell Marques (ex-Chiclete com Banana) sobre o rock progressivo

imagemSite chileno cita data do Iron Maiden no país e medalhões como possíveis bandas de abertura

imagemSammy Hagar sobre material inédito do Van Halen: "Eddie tinha uma tonelada"

imagemCristina Scabbia se queimou com óleo fervendo e ficou com "mapa da Europa" no rosto

imagemC.J. sobre seu primeiro show com os Ramones: "Foi Cuspe, moeda, garrafa, sapato…"

imagemAngra anuncia sua turnê "The Best Of 30 Years" com setlist renovado

imagem"A vida é curta", afirma Floor Jansen, vocalista do Nightwish

imagemPink Floyd: Nick Mason comenta as músicas que formam a trilha sonora de sua vida

imagemThiago Bianchi explica sucessão de problemas durante show de Paul Di'Anno

imagemO hit da Legião Urbana antiviolência cantado sob perspectiva de jovem da periferia

imagemO dia que João Gordo xingou Ayrton Senna por piloto se recusar a dar entrevista a ele


Exilio Angel

Rush: como Neil Peart se tornou o responsável pelas letras da banda

Por Igor Miranda
Postado em 02 de fevereiro de 2021

Não é comum que um baterista assuma a responsabilidade de criar as letras para as músicas de uma banda. Apesar disso, o saudoso Neil Peart, que nos deixou em 2020, era "o cara" da composição lírica do Rush. Como isso aconteceu?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em entrevista à Rolling Stone, o vocalista e baixista Geddy Lee contou como essa função caiu nas mãos de Neil Peart. Lee, inclusive, era o autor das letras nos primeiros anos, já que Peart não fazia parte do Rush desde o início - o baterista entrou em 1974, após o lançamento do álbum de estreia, autointitulado, ocupando a vaga de John Rutsey.

"No início, foi um voto de confiança termos aceitado que ele fizesse as letras. Não era a ideia dele. Alex (Lifeson, guitarrista) e eu meio que falamos: 'vamos fazê-lo assumir isso, pois ele lê um monte de livros'", afirmou o músico.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Geddy contou que a primeira letra feita por Neil para o Rush foi "Beneath, Between and Behind", presente no segundo álbum da banda, "Fly By Night" (1975). "E então, quando ele fez 'Anthem', as letras estavam um pouco mais intensas e sobre coisas que não eram bem uma segunda natureza para nosso pensamento - ao menos da forma como era expresso ali. Alex e eu não pensamos em fazer daquele jeito, nem combinamos nada", disse.

A sensação inicial foi de estranheza, já que as letras de Neil Peart eram bem mais sofisticadas que as de Geddy Lee. Eram diferentes, até mesmo, do padrão do rock naquela época, pois adotavam uma abordagem mais culta e elaborada.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Conforme o trio se conhecia um pouco melhor, tudo ficava mais natural. "Quando caímos na estrada e pudemos nos conhecer mais, além de trocarmos materiais de leitura, acho que pudemos entender melhor Neil e ele conseguiu nos entender melhor também. Ele sempre nos inspirava a ler algo fora de nossa zona de conforto e isso nos fez criar uma aceitação àquele estilo de letras", declarou Lee.

Apesar disso, as reações iniciais de parte do público às letras de Neil Peart não foram das melhores. "Muitas pessoas adoraram, mas outras se sentiram perturbadas por aquilo, pois não era o Rush no qual eles haviam 'investido' no álbum anterior. Era, definitivamente, uma banda nova", afirmou.

Manuscritos medievais

Brian Hiatt, jornalista que conduziu a entrevista à Rolling Stone, contou a Geddy Lee que Matt Scannell, vocalista do Vertical Horizon que compôs com Neil Peart, revelou a ele que o baterista apresentava suas letras em um estilo manuscrito, quase medieval. Lee confirmou que Peart também mostrava suas composições aos colegas de Rush da mesma forma.

"As letras eram todas escritas à mão e tinham desenhos no topo. Ele adorava desenhos que descreviam a música. Os títulos eram sempre ornamentados. Era como começava. Mesmo que ele precisasse refazer a letra umas quatro ou cinco vezes, elas sempre eram apresentadas da forma devida. Ele quase nunca fazia algo em máquina de escrever ou coisa do tipo", afirmou.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mesmo na "era dos computadores", Neil Peart caprichava na apresentação de suas letras aos colegas. "Ele conseguiu achar uma maneira de tornar suas apresentações o mais engenhosas possíveis. Era uma grande fonte de orgulho para ele. No início, quando compúnhamos na estrada, ele colocava os nomes das cidades onde estávamos, para servir como um pequeno diário de viagens", disse.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mudanças nos anos 80

A sonoridade do Rush passou por grandes mudanças na década de 1980, ganhando contornos um pouco mais pop, devido ao uso de sintetizadores e outros elementos daqueles tempos. As letras também passaram por essa alteração na proposta, ficando mais "terrenas", conforme descrito por Brian Hiatt.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Geddy Lee pontuou: "As letras focaram mais sobre a condição humana. Você poderia dizer se ele estava falando sobre uma ou outra parte da condição humana, ou até mesmo usando a ficção científica como ferramenta, mas começou a ter um estilo mais aberto e tradicional. Gravitei muito nisso, pois me ajudou como compositor e em termos da direção que eu queria seguir".

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Começou a escrever sobre música em 2007 e, algum tempo depois, foi cofundador do site Van do Halen. Colabora com o Whiplash.Net desde 2010. Atualmente, é editor-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia o portal Cifras, Ei Nerd e outros. Mantém um site próprio 100% dedicado à música. Nas redes: @igormirandasite no Twitter, Instagram e Facebook.
Mais matérias de Igor Miranda.